O Oceano Ártico começou a aquecer décadas antes do que se pensava, o estudo mostra

oceano ártico está aquecendo desde o início do século 20, décadas antes do que as observações instrumentais sugeriam, de acordo com novas pesquisas.

Um estudo, publicado quarta-feira (25) na revista Science Advances, mostrou que a disseminação da água quente no Brasil atlântico o impacto no Ártico, um fenômeno conhecido como “Atlantização”, fez com que a água da região subisse cerca de 2 graus Celsius desde 1900.

Francesco Muschitiello, autor do estudo e professor assistente de geografia da Universidade de Cambridge, disse que as descobertas são preocupantes porque o aquecimento precoce sugere que pode haver uma falha nos modelos que os cientistas usam para prever como o clima mudará.

“O oceano Ártico está esquentando por muito mais tempo do que pensávamos”, disse Muschitiello CNN. “E isso é algo que é um pouco perturbador por vários motivos, especialmente porque os modelos climáticos que usamos para fazer projeções de mudanças climáticas futuras não simulam realmente esse tipo de mudança.”

Os pesquisadores usaram sedimentos marinhos na planície de Fram, onde o Atlântico encontra o Ártico a leste da Groenlândia, para reconstruir 800 anos de dados que fornecem uma imagem histórica mais longa de como a água do Atlântico fluiu para o Ártico. Os sedimentos marinhos são “arquivos naturais”, escreveram os pesquisadores, registrando dados sobre as condições climáticas anteriores.

Os pesquisadores descobriram que a temperatura e a salinidade, o sal da água do oceano, permaneceram constantes até o século 20 – e depois aumentaram drasticamente.

“As reconstruções sugerem um aumento significativo na transferência de calor e sal do Oceano Atlântico para o Mar Nórdico no início do século 20, o que não é bem simulado (modelos climáticos)”, disse Rong Zhang, cientista sênior de geofísica de fluidos do laboratório NOAA. CNN. “É importante entender a causa dessa rápida atlantificação, bem como as discrepâncias entre as simulações e reconstruções do modelo.”

Muschitiello disse que não está claro qual papel a mudança climática provocada pelo homem desempenhou no aquecimento inicial do Ártico e que mais pesquisas são necessárias.

“Estamos falando sobre o início dos anos 1900 e, a essa altura, já havíamos sobrecarregado a atmosfera com dióxido de carbono”, disse ele. “É possível que o oceano Ártico seja mais sensível aos gases de efeito estufa do que se pensava. Isso exigirá mais pesquisas, é claro, porque não temos um controle rígido sobre os mecanismos reais por trás dessa atlantificação inicial. ”

O estudo observa que as mudanças na Circulação do Atlântico Sul (AMOC) – um sistema de correntes que moderam as temperaturas no hemisfério norte – podem ter desempenhado um papel no aquecimento do Ártico. Notavelmente, o AMOC enfraqueceu após um período de resfriamento que terminou em meados de 1800 na região do Atlântico Norte, que os pesquisadores sugerem que poderia levar a uma rápida atlantificação ao longo do Estreito de Fram.

Um estudo recente descobriu que a AMOC, muitas vezes descrita como uma “esteira transportadora” que carrega água quente dos trópicos e a realoca para o norte, agora mostra sinais de mais instabilidade devido às mudanças climáticas provocadas pelo homem. Os cientistas alertaram que um colapso na circulação pode levar a uma mudança repentina nos padrões climáticos ao redor do mundo – invernos mais frios na Europa, mudanças nas monções e uma seca potencialmente permanente na África Ocidental.

As temperaturas que estão esquentando rapidamente no Ártico causaram o derretimento do gelo marinho, o que, por sua vez, causa um aquecimento adicional – enquanto o gelo marinho branco e brilhante reflete a energia solar, o oceano escuro absorve energia na forma de calor.

Mudanças de longo prazo no Atlântico Norte, junto com a recente perda de gelo do mar Ártico, ameaçam os ecossistemas marinhos / Foto: Josef Friedhuber / Getty Images / File

James E. Overland, um cientista do Ártico da NOAA que trabalha no Laboratório Ambiental Marinho do Pacífico da NOAA em Seattle, disse que essas mudanças de longo prazo no Atlântico Norte, junto com a recente perda de gelo marinho no Ártico, ameaçam os ecossistemas marinhos.

“A perda de gelo marinho e das correntes oceânicas deslocou a zona tampão entre o Oceano Atlântico e o Ártico para um pouco mais perto do braço central do Atlântico”, disse Overland, que não participou no estudo. CNN. “Pescarias importantes e mamíferos marinhos são vulneráveis ​​à reorganização dos ecossistemas desta Atlântida.”

Um relatório recente sobre o estado da ciência da ON-NA-TO sobre a crise climática concluiu que o Ártico continuará a aquecer mais rápido do que o resto do planeta, enquanto as pessoas continuarem a queimar combustíveis fósseis e liberar gases de efeito estufa na atmosfera. Além disso, Muschitiello disse que o Oceano Ártico pode sofrer ainda mais aquecimento devido à Atlanticização.

“Quando converso com meus alunos, sempre tento avisá-los de que o Ártico está esquentando muito, muito rápido e muito mais rápido do que qualquer outra área do planeta”, disse Muschitiello. “É muito perturbador e perturbador, especialmente porque ainda não entendemos totalmente o feedback do jogo.”

“Ainda estamos aprendendo lentamente como todo o sistema funciona”, disse ele. – E temo que, quando resolvermos o problema, seja tarde demais.

* (Texto traduzido. Clique aqui para ler o original).

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero