O paraquedista que tocou em Bolsonar morreu com um salto decisivo em um sonho tornado realidade – 27 de junho de 2020. – Poder

Às 3:51 da manhã de sábado, o telefone de Alynn tocou. “Pedro, você está bem, filho? Você já pulou à noite?”, Perguntou ela. “Mãe, tudo o que falta agora é o último salto, que está armado e equipado. Às quatro da manhã, tenho que estar pronto para o rifle e, quando terminar, vou para casa”.

Preocupada, ela questionou se o filho estava assustado em dois saltos no dia anterior. A resposta a princípio foi sim, depois que ele nunca voou. Mas o salto foi seguido pela “maior paz”. Ele prometeu contar os detalhes quando chegasse em casa, mas ele nunca chegou.

Na manhã daquele dia, Pedro deu um último pulo que lhe permitia se formar e finalmente o levou para onde ele sempre quis estar: às fileiras da Brigada Brasileira de Paraquedas. Foi o último salto de sua vida.

Pedro Lucas Ferreira Chaves, 19 anos, morreu após ser preso em um avião e ver que três paraquedas não eram suficientes, segundo sua mãe, em um evento imprevisto muito raro.

O presidente Jair Bolsonaro, que era paraquedista no final da década de 1970 e também sofreu um acidente, mudou de horário e foi ao Rio de Janeiro no domingo (21).

Uma semana depois, Alynne Soares, 36 anos, ainda aguarda a mesma ligação ao amanhecer. “Essa ligação termina comigo, porque todas as noites às 3:51 eu espero que ele me ligue”, diz a mãe, incapaz de conter o mito e a rouquidão de alguém que chora há dias.

Ele diz que não entende nada sobre o assunto, mas o padrasto de Pedro é um paraquedista nas forças armadas e explicou o que aconteceu. Assim que pulou, antes de ativar o paraquedas principal, o jovem foi capturado e pendurado na parte de trás do avião.

Seguindo o protocolo, o filho colocou a mão no capacete e no peito para mostrar que estava consciente. Os outros membros da tripulação começaram a aceitar o procedimento de emergência, que consistia em conectar um segundo pára-quedas de resgate (T-10) ao pára-quedas e cortar a alça acoplada para que o equipamento fosse aberto. Ele não teve sucesso.

Enquanto estava acordado, Pedro ainda tentava ativar o terceiro pára-quedas reserva em sua mochila, que estava “fumando”, ou seja, ele também não foi aberto corretamente. O jovem sofreu um grande golpe quando chegou ao chão, foi imediatamente resgatado e levado ao hospital, mas não ofereceu resistência. Vídeos do campo mostram o acidente.

Querendo confirmar como tudo aconteceu, o Comando Militar do Leste respondeu que não comentou as investigações em andamento – uma investigação da polícia militar foi aberta para investigar o caso. Eles dizem que fornecem todo o apoio psicológico e religioso à família e têm medo de perder.

“Eu realmente tenho que acreditar que ele caiu, mas ele caiu nos braços do Senhor”, diz Alynne em busca de conforto. “Três pára-quedas que não abrem com meu filho, é porque Deus teve que buscá-lo. Pedro estava ciente de que não estava planejando o futuro, o único plano que ele tinha para saltar de paraquedas.”

Apesar da pouca idade, o paraquedismo era a vida de Pedro, que entre família e amigos correspondia apenas ao apelido de “PQD”. Ele cresceu ouvindo histórias sobre seu padrasto e tio que serviram na Força Aérea, viviam em eventos militares e até pediram diversão com o assunto quando ele tinha cinco anos.

O sonho começou a se realizar em março deste ano, quando ele finalmente se juntou ao Exército. A mãe está agradecida hoje por ter sido demitida como recepcionista ao mesmo tempo pela nova pandemia de coronavírus e por estarem mais próximas dele nos últimos três meses.

Durante esse período, a família acordava às 5 da manhã todos os dias, tomava café e levava o jovem para Villa Militar, a cerca de 15 minutos da casa no distrito de Pechincha (oeste do Rio). Lá ele passou por treinamento, estágios e acampamentos. O último passo foi três saltos.

Enquanto Pedro completou o processo, sua mãe diz que ele ganhou de paraquedismo em 15 de agosto e que ele “estará lá” em 15 de agosto, de certa forma, para a cerimônia de preparação do casamento. A família recebeu uma “bota” (uma bota marrom) e uma boina vermelha que identificou a brigada.

Na ocasião, Bolsonaro fez um discurso emocionado, disse que a missão das Forças Armadas é a defesa da democracia e cumprimentou os soldados. “Ele estava aqui, querendo superar um obstáculo, preparado, treinado, contratado, sofrido, mas tinha um objetivo: se formar e ser soldado em nossa famosa brigada de paraquedistas de infantaria”, disse ele.

Alynne, que votou na presidência, gostou da presença dele. “Eu o recebi como pessoa. Ele não era obrigado a estar lá, ele podia enviar mensagens ou um porta-voz, mas ele perseverou. Ele me abraçou e chorou comigo. Isso é inestimável para mim, você sente que essa pessoa sente sua dor”.

Ela pediu a Bolsonar que voltasse para casa e pediu à primeira-dama Michelle que orasse para que Pedro fosse recebido em um bom lugar “porque ele é um bom menino”. Infelizmente, ela não conseguia entender o discurso do presidente na época, apenas quando o assistia na internet.

Fora do exército, Pedro era um garoto obediente, calmo e sem malícia, diz a mãe. Ele não gostava de se divertir e preferia passar um tempo brincando no computador ou “revisando” com os amigos, empinando pipa e grelhando. “Não houve tempo para maculá-lo com os males deste mundo.”

Alynne teve aos 16 anos. O pai morreu em um acidente um ano depois, e o menino foi criado principalmente pelos avós. Recentemente, Pedro passou fins de semana com eles e o resto do dia com sua mãe, padrasto e três meio-irmãos mais novos.

“Às vezes, ele pegava o carro e ia jantar na minha mãe. Ele jantou duas vezes porque não queria incomodar ninguém”, disse ele. ele realmente não gostava de estudar.

Atualmente, a mãe releu todas as mensagens que já trocou com o filho. Em setembro, ele enviou uma foto do garoto de cinco anos de uniforme.

“Mãe, a hora está chegando, eu vou realizar meu sonho”, escreveu ele. Em outra foto quando criança, ele aparece desenhando seu nome no chão da Base Aérea de Afonsos, o mesmo local em que morreu.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero