Orlando Silva diz que o monitoramento de mensagens viola a Lei de Proteção de Dados – 22.07.2020

Em um debate promovido pela Abraji (Associação Brasileira de Reportagem Investigativa) na noite de segunda-feira (20), o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) defendeu a “cautela” e a “cautela” da Câmara ao lidar com questões relacionadas à rastreabilidade de mensagens e identificação do usuário fornecida na proposta de notícias falsas (conta).

Silva evocou LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais) – não. 13.709 / 2018 – para garantir a privacidade dos cidadãos na Internet. A lei poderá entrar em vigor no próximo mês se uma medida provisória do presidente Jair Bolsonaro que adia a data de início do LGPD para maio de 2021, o Congresso não está votando em 29 de agosto deste ano.

“Meu problema de rastreabilidade tem um ponto crítico, e isso é a coleta de dados em massa. Argumento que essa é a nossa lei [a LGPD], onde já sinalizamos que os dados pessoais devem ser coletados minimamente e para os fins declarados. Este é um fator importante na proteção da privacidade das pessoas “, afirmou Silva.

O congressista mencionou a notícia de que o governo, em abril deste ano, propôs a troca de dados das empresas de telefonia com o IBGE com o objetivo de realizar pesquisas telefônicas. Dias depois, o STF (Supremo Tribunal Federal) vetou esse uso.

Para Silva, esse é um ponto sensível do projeto que deve ser discutido até a exaustão, porque ainda não existe uma fórmula que seja um consenso mínimo. “O que me preocupa com a rastreabilidade é como essa coleção se desenrolará. Mesmo que não haja divulgação de informações para quem se comunica, isso deve ser motivo de cautela, pois pode afetar a motivação para falar ou não”, diz ele.

Vânia Aieta, professora de pós-graduação em direito da UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), perguntou se valia a pena abrir mais dados abertos para que a sociedade pudesse combater a desinformação. “Estamos lidando com robôs, grupos organizados, milícias digitais que estão começando a desafiar e ameaçar jornalistas. Precisamos criar dispositivos para proteger os cidadãos, como o direito a uma resposta garantida pela Constituição”, diz ele.

“O projeto não é uma ‘bala de prata'”

A deputada federal Margareta Coelho (Progressistas-PI) também argumentou que era necessário um debate pacífico sobre o projeto, mas alertou que não se espera que resolva o problema de notícias falsas no país.

“Não acho que a lei será resolvida. De fato, a lei nunca será uma bala de prata, mas é importante realizar ações para reduzir os riscos prejudiciais do processo de desinformação”, diz ele.

Para ela, a missão da Câmara não será fácil porque há um conflito de regras fundamentais. “Temos que lidar, por um lado, com o direito à informação, liberdade de expressão, a capacidade de expressar sua opinião e, por outro, o direito à individualidade, que o Supremo Tribunal já reconheceu”, diz ele.

Essa política também defende algum controle sobre a regulamentação da desinformação, se essa função permanecer no mercado. “Quem regulará a auto-regulação? É possível criar instrumentos de controle neutros? Vamos ver se é possível, vamos nos aproximar disso, mas é muito importante que tenhamos os meios de controle, sim”, defendeu.

Siga o dinheiro

Pela Deputada Lídice da Mata (PSB-BA), Relatora Notícias falsas CPMI (comitê parlamentar de investigação mista), é necessário elevar os limites que devem ser estabelecidos, mas também focar em quem paga por desinformação, o famoso “segue o dinheiro” ou segue o dinheiro.

“Tivemos um financiamento em 2018 que provavelmente pode ser caracterizado como Caixa 2. Apesar da renúncia do Senado [em debater o tema de como chegar aos financiadores de propagação fake news], se nos dedicarmos mais tempo, poderemos sugerir como isso pode acontecer, tanto no financiamento quanto em outros assuntos ”, explica ele.

O fato de a rede global ser “muito dinâmica”, lembra Lídice, significava que o Marco Civil da Internet, aprovado seis anos atrás, não especificava o impacto das notícias falsas no dia a dia – algo que ela disse trouxe problemas até na luta contra o coronavírus.

O presidente da Abraji, Marcelo Träsel, diz que o tópico precisa de um longo debate para evitar possíveis restrições à atividade de comunicação profissional.

“Nossa preocupação é que algumas das propostas incluídas no PL e no relatório possam levar à criminalização do jornalismo investigativo e outras atividades legítimas, como a pesquisa universitária”, diz ele.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero