Janeiro 28, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Os arqueólogos ainda estão lutando para reunir evidências suficientes antes de chegar às conclusões finais sobre a localização do templo de Jesus

JERUSALÉM (Reuters) – Quando Jesus entrou na antiga sinagoga em Jerusalém, seus pés encontraram pedras cortadas e ladrilhos em tom de terra que eram geométricos e de design frio, tocando o tanque.

Este é o entendimento de arqueólogos e maçons israelenses, que desenharam monumentos e textos históricos e recriaram o solo sagrado para que ele possa ser apreciado hoje.

“Fizemos arranhões e todos os tipos de marcas, e parecia que era na época”, disse o arqueólogo Asaf Abraham à Reuters em uma réplica da altura do tornozelo no Monte Olive, com cerca de um metro quadrado. A Cidade Velha de Jerusalém e os Locais Sagrados.

De acordo com o Novo Testamento, Jesus ia à igreja como um menino para peregrinar e estudar e, como um antigo pastor, ele expulsava aqueles que trocavam dinheiro com raiva. O Evangelho de João o descreve “caminhando no templo no pórtico de Salomão”.

O rei Herodes projetou este templo para se parecer com outras estruturas magníficas da Judéia nos tempos romanos. Os azulejos remanescentes dessas ruínas foram os materiais usados ​​pelos arqueólogos – como calcário feito à mão e pedra do Mar Morto, bem como mármore importado – e as esculturas eram no estilo ornamentado “Opus Sectile”.

O historiador judeu da época, Josephus Flavius, escreveu que os pátios do templo eram “feitos de todos os tipos de pedras”, outro sinal de que os ladrilhos eram de várias cores e texturas.

Avi Thavisal, gerente do grupo de artesãs, disse que demorou sete meses para reconstruir o piso, que foi “um trabalho muito duro”.

“Mas foi tão interessante, fizemos de todo o coração”, disse ele. “Esperamos que as pessoas possam vir e ver, sentir, tocar e sentir o que era há 2.000 anos.”

(Escrito por Don Williams, editado por Ed Osmond)