Novembro 27, 2020

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Os cientistas estão descobrindo uma nova maneira de descobrir exoplanetas habitáveis

Uma das maiores dúvidas da humanidade, hábito planetário pode ser “definida como uma zona em torno de uma estrela na qual um planeta é capaz de reter água corrente em sua superfície”.

O conceito, citado pelo cientista Dimitra Atri e pelo aluno Shane Carberry Mogan, faz parte de um estudo publicado domingo (8) na revista. Avisos mensais da Royal Astronomical Society,, que visa esclarecer quais tipos de sistemas estelares têm maior probabilidade de hospedar alienígenas.

Depois de observar cerca de 500 estrelas, dois cientistas do Centro de Ciências Espaciais da Universidade de Nova York em Abu Dhabi (NYUAD) concluíram que planetas sujeitos a explosões intensas ocasionais têm mais probabilidade de viver do que mundos com radiação constante e explosões de baixa energia que destroem sua proteção atmosfera.

Planeta com água e outro sem água (Fonte: NASA / Reprodução)Fonte: NOSSO

Visão geral dos termos

Voltando ao conceito inicial de habitabilidade planetária, Atri aponta que, embora a manutenção de água corrente seja uma condição útil para identificar planetas potencialmente habitáveis ​​ao redor das estrelas, ela não leva em consideração o efeito potencialmente prejudicial da atividade estelar nesses planetas.

Portanto, os dois cientistas tentaram entender como uma lâmpada estelar e erupções estelares (flashes) podem levar à perda de gases atmosféricos em zonas habitáveis ​​por longos períodos de tempo. De acordo com o estudo, esses são os principais fatores que determinam a habitabilidade planetária.

Para provar suas hipóteses, os pesquisadores investigaram as ocorrências de flashes estelares e outros eventos espaciais ameaçadores em centenas de estrelas que poderiam ser observadas pelo Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) da NASA. A partir desses dados, a equipe desenvolveu um modelo de erosão e perda da atmosfera planetária por clima espacial em escalas de tempo de até um bilhão de anos.

Achados

Planetas orbitando uma anã vermelha (Fonte: NASA / Reprodução)Planetas orbitando uma anã vermelha (Fonte: NASA / Reprodução)Fonte: NOSSO

.js">

A principal conclusão do novo estudo é que uma estrela com um fluxo luminoso constante de luz ultravioleta extrema (XUV) tem mais probabilidade de destruir lentamente as atmosferas de exoplanetas próximas do que erupções de alta energia que ocorrem apenas ocasionalmente.

Desta forma, Atri e Mogan voltaram sua atenção para as estrelas chamadas “anãs M”, ou anãs vermelhas, mais representadas na Via Láctea. o exoplanetas orbitando essas pequenas estrelas, com uma massa inferior a 14% do nosso Sol, têm a melhor chance de reter sua atmosfera no longo prazo.

Por outro lado, anãs vermelhas com massas entre 20 e 60% do Sol experimentam uma radiação XUV mais estável, mais sujeita a perdas atmosféricas. Como cerca de 75% das estrelas da Via Láctea são anãs M, o estudo sugere “que elas hospedam o dobro de planetas ao seu redor do que outras estrelas”.

Em busca de exoplanetas

Fonte: Giuseppe Cacace / AFP / Getty Images / ReproduçãoFonte: Giuseppe Cacace / AFP / Getty Images / ReproduçãoFonte: Giuseppe Cacace / AFP / Getty Images

Uma consequência dessa pesquisa é que os exoplanetas orbitando essas minúsculas anãs vermelhas seriam mais fáceis de detectar porque são muito maiores do que a massa de suas estrelas-mãe do que os planetas orbitando estrelas do tamanho do Sol.

Por essa razão, esses exoplanetas “cobrem” um pedaço maior da luz das estrelas quando estão na frente deles (da perspectiva da Terra), o que poderia permitir aos cientistas capturar mais detalhes sobre sua massa, atmosfera e eventual habitabilidade.

A tese dos dois cientistas poderá em breve ser testada observando um lugar próximo à casa: o planeta Marte. Os Emirados Árabes Unidos lançaram seu próprio em julho passado primeira sonda orbital, convida Hope, que, quando ela chegou a Marte em fevereiro do próximo ano, pode até estar esperando para descobrir o segredo da fuga atmosférica.