Turno Zero

Notícias Completas mundo

Parteiras apóiam gestantes quebradas pelo WhatsApp e em reuniões virtuais

Parteiras apóiam gestantes quebradas pelo WhatsApp e em reuniões virtuais

A parteira Ciléia Biaggioli responde a perguntas e defende mulheres grávidas via WhatsApp (Foto: Julia Biaggioli)

Você já parou de pensar em como a pandemia afeta mulheres grávidas mental e fisicamente que vivem nos arredores de São Paulo? A pergunta motivou a parteira Ciléia Biaggioli, 42, a adotar a plataforma de reuniões digitais como um ambiente para disseminar conhecimento sobre gravidez e parto humanizado.

Por Tamires Rodrigues

Um grupo de doulas e parteiras que fazem parte do coletivo é impedido de prestar assistência presencial a mulheres grávidas que vivem em territórios periféricos O sopro da vida, onde Ciléia Biaggioli, moradora de Parelheiros, sul de São Paulo, um dos membros, começou a pensar em maneiras de promover o bem-estar físico e emocional de futuras mães durante a pandemia de Covide-19.

Para Ciléia, a medicina ocidental produz pouco apoio emocional e físico para as mulheres grávidas, reduzindo as mulheres apenas ao corpo que dá à luz. “Você vai ao hospital para dar à luz estranhos que o tocam o tempo todo, sem perguntar se você quer e se pode, certo?” Ele diz.

“Por que o médico sempre sabe mais? Colocamos o médico em deificação, em um local muito negativo para nós, como se ele soubesse mais sobre nós do que nós”, acrescenta.

A parteira confirma que a essência do parto humanizado está salvando a tradição perdida por gerações. “É a salvação do ritual de celebração, o momento da morte, o nascimento da mãe, o pai, o filho, a nova família”, diz ele.

Toda sexta-feira às 17 horas, promove encontros virtuais com o objetivo de cumprimentar e informar as gestantes ou mães no pós-parto. “Deixe o link para o nosso grupo aberto em e aí para mulheres grávidas que desejam entrar. Algumas mulheres grávidas têm muitas dificuldades em acessar Internet e nem sempre consigo escalar o circuito virtual, mas posso responder a perguntas no grupo do WhatsApp. Deixamos esse momento muito aberto para que pudéssemos receber essas boas-vindas ”, diz Ciléia.

A qualidade dos serviços e a distribuição da Internet em locais periféricos é um tópico muito comum que já discutimos em outras publicações da revista. Quebrada Tech, mas no caso de gestantes, esse estado de infraestrutura cria outros impactos além do acesso.

“A periferia não tem internet de verdade. Portanto, até a roda virtual é muito ruim”, diz a parteira. Ela acredita que, durante a pandemia, a falta de acesso à Internet e a desigualdade de direitos digitais tornaram ainda mais difícil responder à pergunta. “Para as mulheres que querem fazer perguntas, deixamos o telefone e ele caiu na página, porque é muito difícil, não é?”

Para Ciléia, a solução de presença de emergência era para o WhatsApp, apesar das dificuldades com a internet. “Às vezes leva meia hora para obter o WhatsApp, mas ele chega, entendeu? É diferente de uma conversa, de uma vídeo chamada. Se você perguntar alguma coisa, precisa responder imediatamente. Não há outra saída”, diz ele.

.js">

Devido à má qualidade da internet no distrito de Parelheiros, Ciléia diz que, enquanto dirige sobre rodas e trabalhos que exigem muito tráfego Dados, ela e sua família vão à casa da sogra, localizada em Cambuci, no centro de São Paulo, para que possam trabalhar.

“Por exemplo, a internet é impossível hoje. Temos um festival de inverno na internet em Parelheiros. Toda a família vai para Cambuca porque nada pode ser feito, a Internet está constantemente caindo, a Internet não está funcionando o tempo todo. Não funciona. Podemos trabalhar, não podemos fazer coisas. Trabalhamos com editando o vídeo e depois temos que subir Youtube, algo que dura dois minutos na Internet, dura um dia e meio “, compara a parteira.

Trate a dor

Andréa Martinelli (26) mora em Villa Marcelo, nos arredores do sul de São Paulo. Mãe solteira, professora, pós-graduada em psicopedagogia, é uma das organizadoras do encontro virtual. Ela é responsável por mobilizar as mulheres da periferia para o círculo, pois a equipe percebe que o nascimento humanizado de uma criança ainda é uma informação distante para as gestantes periféricas. “Nós ligamos, e eles geralmente não têm tempo, sabe? Desta vez, podemos parar, e isso é uma vez por semana, uma hora e meia, para trocarmos desta vez.”

Para poder acessar essas gestantes, os organizadores desejam publicar reuniões virtuais para gestantes que frequentam unidades básicas de saúde na periferia. “Estamos tentando transmitir essa descoberta para o UBS, para que possam transmiti-la a mulheres grávidas e que saibam que existem rodas”, diz ele.

Além de organizar o coletivo Sopro de Vida, cada encontro se refere à colaboração de outras iniciativas e profissionais no nascimento humanizado de crianças, como Mama Ekos e doula Esther Marcondes. O trabalho de monitoramento de mulheres grávidas é semanal, mas os organizadores já estão pensando em maneiras de fazê-lo diariamente.

Andréa diz que as rodas são importantes para desconstruir todos os conceitos pré-estabelecidos que aprenderam sobre gravidez. “Quando monitoramos as mulheres grávidas e as preparamos para o parto, ajudamos a reduzir a probabilidade de que elas sofram violência doméstica, sejam enganadas em hospitais e também mostramos as possibilidades que elas têm. Se for uma gravidez saudável, ela pode dar à luz em uma casa de família, ela pode dar à luz. parteira em casa, enfim, ela tem outras opções ”, afirma.

Como a Internet, a telemedicina não atingiu todas as mulheres grávidas na periferia. Sabendo disso, os organizadores da roda virtual de escuta servem como uma abordagem para o tratamento da dor emocional e física da maneira humana e natural mais humana. “Sempre tentamos usar formas medicinais, ervas naturais, para tratar qualquer tipo de náusea ou outro sintoma que uma mulher grávida sinta. E ela também está tentando trabalhar a parte emocional. Então, antes disso, dizemos: ‘Isso aconteceu com você? É?’ aconteceu alguma coisa esta semana? “Estamos procurando problemas emocionais que levaram as mulheres a experimentar esses sintomas”.

“Amigos suportados”

A mãe de Manuela, Suzana Mayumi, 26 anos, moradora de Parelheiros, conheceu o círculo virtual através de André Martinelli. Durante a gravidez, foi acompanhada por Andrée e Ciléia até o nascimento do filho. Hoje, ela segue o círculo para falar sobre sua experiência e como a outra parteira dura. “São mais grupos de amigos se apoiando”, diz ela.

Ciente do impacto do grupo de apoio na gravidez, ela descreve a experiência:

“Consegui esclarecer minhas dúvidas e ganhar mais conhecimento no círculo porque elas me alertaram para não sofrer abuso no parto, que tipo de trabalho seria, o que fazer em situações de parto e aleitamento materno, corrigi-lo e não machucar o peito”. ela diz.

A residente teve sua primeira filha aos 19 anos. Naquela época, suas maiores dificuldades eram a falta de informação, o que a levou a experiências difíceis na primeira gravidez.

Sobre rodas durante esse período de quarentena, ele sugere que as mães doem leite materno. “Nessa pandemia, o banco de laticínios caiu significativamente e precisa de uma doação para estocar e ordenhar para recém-nascidos”, diz ele.

Ao final da entrevista, a parteira Ciléia faz uma analogia entre o momento atual e o processo de gravidez. “Estou brincando que a quarentena é um grande ‘portério’. .

Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

OFC Backyard Fund: Como o jogo improvisado se tornou febre na Internet – 29 de julho de 2020
Previous Post OFC Backyard Fund: Como o jogo improvisado se tornou febre na Internet – 29 de julho de 2020
‘Luta’: documentário mostra batalha legal contra o governo de Trump – 28.07.2020
Next Post ‘Luta’: documentário mostra batalha legal contra o governo de Trump – 28.07.2020