Novembro 24, 2020

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Portugal pode vacinar 80% da população contra covid-19 | Coronavírus

Não haverá 6,9 milhões de doses de vacinas para covid-19, mas, em última análise, 16 milhões que Portugal receberá durante o ano de 2021. O presidente do Infarmed, Rui Ivo, explicou quinta-feira durante o encontro do Infarmed a forma faseada e em três fases como estas vacinas vão chegar a Portugal. O PÚBLICO confirmou com o Infarmed que o número total ascende a 15 milhões e que se trata de vacinas adquiridas através da Comissão Europeia. Estes números serão actualizados à medida que a União Europeia formalize novos contratos com empresas farmacêuticas, explicou Hugo Grilo, assessor de imprensa da agência portuguesa que regula os medicamentos. No final desta quinta-feira, o Primeiro-Ministro, António Costa, anunciou que Portugal deveria comprar 16 milhões de doses.

É quantidade é mais do que o dobro das 6,9 milhões de doses anunciadas pelo Conselho de Ministros em agosto, quando a União Europeia apenas havia formalizado um acordo anterior de compra de vacinas, com o Astra-Zeneca – o básico de Estratégia da UE para acelerar o trabalho das empresas de biotecnologia que desenvolvem vacinas em tempo recorde contra o novo coronavírus e, ao mesmo tempo, negociar a compra centralizada, ao melhor preço, de imunização para covid-19 o suficiente para todos os europeus.

Estes 16 milhões de doses de vacinas – que permitirão a vacinação de 8 milhões de portugueses no pressuposto de que a maioria das vacinas envolvem a toma de duas doses – ainda não incluem os 405 milhões de doses que a UE se comprometeu a adquirir à empresa de biotecnologia German CureVAC no 12º. É o quinto desses contratos formalizados pela UE. Mas apenas vacinas aprovadas pela Agência Europeia de Medicamentos serão de facto compradas e distribuídas aos Vinte e Sete, incluindo Portugal. Entretanto, a UE tomou conhecimento da aquisição de pelo menos 1,4 mil milhões de doses – com possibilidade de compra de mais 400 milhões. Mas isso não significa que você compre muito, você nem sabe os resultados dos testes clínicos ainda – apenas comunicados à imprensa sobre os resultados preliminares.

A UE funcionando bem

“Este é um bom exemplo de que a União Europeia pode funcionar bem. Está a celebrar contratos de gestão de risco com cada uma das empresas que desenvolvem vacinas com potencial para chegar ao mercado ”, afirma Helder Mota Filipe, professor da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa e ex-presidente do Infarmed.

O próximo problema, e que preocupa Mota Filipe, tem a ver com a capacidade logística portuguesa para distribuir e entregar as vacinas covid-19 a todos os cidadãos. “Isso é responsabilidade de cada país. Tem um que precisa de refrigeração em baixíssimas temperaturas, e é preciso garantir que todo o país tenha uma rede que garanta o resfriado, caso contrário a vacina não pode ser usada ”, diz. “Existem freezers que atingem temperaturas de até 80 graus Celsius negativos em alguns hospitais, alguns centros de pesquisa, mas não existem em todos os centros de saúde”, exemplifica. “E é necessário não só que existam, mas que tenham espaço para armazenar a quantidade de vacinas que chega”, alerta.

Diante dos anúncios dos políticos de que as vacinas podem começar a chegar no início deste ano, Mota Filipe duvida. “Não vejo, talvez esteja no segredo dos deuses e haja uma comissão que desenha tudo. Mas nenhum político pode garantir a esta altura que já teremos as vacinas em janeiro, porque ainda há muitas dúvidas, muitos ‘ses’ ”, diz. “Se todos os dados dos ensaios clínicos das vacinas estiverem corretos, se não houver dúvidas dos avaliadores, etc. Como podemos garantir que até meados de novembro faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para que a vacina circule até janeiro de risco? ”

Unidades ultracongeladas, por exemplo, são caras, mas isso não é nem mesmo as mais complicadas. “O mais importante é que vai haver uma procura enorme a nível mundial, e o que temo é que mais uma vez, tal como acontece com os leques e as máscaras, quando Portugal precisar de contactar os fornecedores destes equipamentos, em dizer ‘não, nós não ‘t, porque tudo o que tínhamos já foi comprado’. Aprendemos pouco com nossos erros ”, lamenta.

Também não devemos esperar que o número de vacinas agora prometidas seja algo escrito na pedra, que não pode mudar. “É preciso confirmar que são seguros – não porque falte qualidade no processo, mas porque às vezes o resultado final da investigação não é positivo. E entre aqueles que tiveram a segurança necessária, podem haver alguns mais eficazes do que outros, alguns que dão uma imunização mais longa do que outros, ou alguns mais exigentes em termos de tratamento do que outros ”, sublinha. Miguel Castanho, do Instituto de Medicina Molecular da Universidade de Lisboa.

“Além disso, existem vacinas com princípios de funcionamento muito diferentes, são pelo menos três – o que nos dá a possibilidade teórica de fazer uma estratégia de vacinação mais complexa, utilizando mais de um tipo de vacina”, diz. Por exemplo, recorrer a uma primeira vacina à base de anticorpos, que confere proteção muito rápida, explica o cientista, e “optar por um segundo período de vacinação, com outra vacina, que dá imunidade a longo prazo”.

É verdade que isso não pode ser feito neste primeiro ano, nos primeiros tempos em que há a pressa para impedir a circulação do novo coronavírus entre os humanos, mas é preciso pensar nisso como uma estratégia de vacinação, diz Miguel Castanho. “Não é como comprar um carro e a pessoa vai lá e escolhe, é aquele e pronto. Percebe-se que a vacina é mais adequada para uma faixa etária ou para outro subgrupo populacional. Alguém terá que analisar as várias opções disponíveis e avaliar qual é a melhor para cada circunstância. Um país pode até comprar dois ou três tipos diferentes de vacinas, combiná-las ”, para maior eficiência.