Novembro 24, 2020

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Português denuncia violência e ódio na Polónia: ″ Já não me sinto seguro ″

A viver há pouco mais de um ano na Polónia, o português Hugo Marques, de 28 anos, começa a acusar o sentimento de insegurança ao perceber constantes ataques à liberdade e aos direitos humanos e civis no país. Esta quarta-feira, quando o país festejou o Dia da Independência, foi mais um daqueles dias.

Foi um feriado na Polônia. O país sinalizou a recuperação da soberania do país em 1918, após a Primeira Guerra Mundial, marca que o governo conservador de direita foi o grande promotor. Embora as autoridades locais não tenham autorizado a marcha habitual em Varsóvia, organizada por grupos de extrema direita, dada a proibição de concentrações com mais de cinco pessoas devido à pandemia, houve muitos que desrespeitaram as ordens. Desfilaram a pé pelas ruas da capital, travaram confrontos com a polícia, bloquearam a passagem de ambulâncias e até atacaram residências particulares, causando incêndio em um apartamento.

“Atacaram a casa de alguém porque não tinham as mesmas ideias. Dispararam pirotecnia e pedras em uma propriedade privada e a polícia não interveio nesta situação. O apartamento abaixo foi atingido e começou a arder. Já não me sinto seguro”. , ele destaca Hugo Marques. A casa próxima à ponte Poniatowski no centro de Varsóvia, que os manifestantes da extrema direita queriam atacar, exibia uma bandeira LGBT e uma faixa do movimento “Greve das Mulheres” na varanda, que é contra o endurecimento da lei do aborto.