Turno Zero

Notícias Completas mundo

Quais são os efeitos do universo no cérebro humano?

O universo ataca o corpo humano de várias maneiras possíveis. A radiação, cuja exposição prolongada tem efeitos negativos, a microgravidade, que afeta os ossos e a coluna vertebral. Portanto, a falta de gravidade enfraquece o sistema esquelético, também causa emagrecimento e até problemas de visão, entre outros efeitos do espaço.

Agora, portanto, um novo estudo na revista Avanços na ciência analisou o fluido cerebral de 11 cosmonautas (Astronautas russos) que viajou para a ISS (Estação Espacial Internacional). O cérebro é bastante plástico para mudanças – e o estudo, que escaneou o cérebro do cosmonauta, mostrou essa neuroplasticidade em grandes detalhes.

“Usando as técnicas que usamos, podemos ver claramente que há mudanças microestruturais nas três áreas principais do cérebro envolvidas no processamento motor”, disse o autor principal Steven Jillings, neurocientista da Universidade de Antuérpia, na Bélgica, quando Guarda.

Os cientistas examinaram os cérebros dos cosmonautas em três momentos diferentes. São eles: antes dos voos, nove dias após o retorno à Terra e de seis a sete meses após o retorno. O método usado é chamado de ressonância magnética ponderada por difusão (dMRI) e cria um mapa de difusividade das moléculas de água presente nos tecidos. O tempo médio da missão foi de 171 dias.

Descobertas gerais sobre as influências do universo

O líquido cefalorraquidiano (LCR), que banha o cérebro circundante, é redistribuído em microgravidade. No processo, o fluido empurra o cérebro para o topo do crânio. Pode estar relacionado, em primeiro lugar. perda de clareza visual devido aos efeitos de mover o cérebro para algumas cavidades cerebrais.

O LCR ajuda a proteger o cérebro (como colchões ou amortecedores). Além disso, desempenha um papel importante na eliminação dos restos de tecido nervoso.

Os efeitos nos ventrículos, que criam e ajudam o líquido cefalorraquidiano, são responsáveis ​​por problemas de visão. Especificamente, obstáculos à circulação normal de fluidos. Não é algo como um aumento na pressão cerebral, mas de alguma forma afeta a visão.

.js">
A figura ilustra algumas mudanças estruturais. (Méritos por pinturas: Universidade de Antuérpia).

Várias mudanças estruturais

As principais alterações microestruturais estão no córtex motor primário, responsável pelos sinais de movimento, como o próprio nome sugere; o cerebelo, cujo papel no equilíbrio e nos movimentos finos, e nos gânglios da base, é responsável, entre várias tarefas, por ações relacionadas ao sistema motor.

Embora o cérebro esteja se ajustando à Terra novamente, algumas mudanças ainda estavam presentes mesmo após sete meses de retorno à Terra. Ou seja, cosmonautas e astronautas não “curam” completamente.

“O que vemos faz muito sentido. É um sinal da situação complexa em que se encontram os cosmonautas e de que estão aprendendo a se adaptar a esse ambiente extremo ”, diz o autor sênior Floris Wuyts. Guarda. “Algo tão diferente no espaço é a falta de gravidade. Se houver falta de gravidade, você terá que aprender a se mover corretamente.

“Sete meses após a missão espacial, a maioria das mudanças iniciais pós-voo foram restauradas aos níveis anteriores ao voo, embora o aumento ventricular continuasse, e o tecido GM ou WM permanecesse aumentado em algum grau nas áreas sensório-motoras do cérebro.” explica a equipe em estude.

Planejamento

Jillings se interessou pelo assunto quando seu supervisor, Wuyts, o autor sênior deste novo estudo, propôs uma ressonância magnética em 2009 para estudar a neuroplasticidade cerebral. Em 2013, o projeto começa e Jillings passa a fazer parte do grupo em 2016. Em 2016, os pesquisadores finalmente concluíram seus preparativos, com estatísticos suficientes para a parte principal do estudo – testes com astronautas.

Desta forma, as novas técnicas de ressonância magnética utilizadas em estudos futuros trarão novos detalhes e novas respostas aos efeitos do universo no cérebro. O órgão sempre impressiona com essa plasticidade, que é regida pelo estado atual.

O estudo foi publicado na revista Avanços na ciência. Com informações de Space.com e Guarda.

Gabriel Ana

"Estudante apaixonado. Nerd do Twitter. Viciado em bacon ávido. Desordeiro típico. Pensador. Webaholic. Empreendedor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post O Liverpool pode perder Van Dijk para o que resta da temporada – Liverpool
Next Post Fio dental em exibição? O olhar atrevido de Kim Kardashian chama a atenção