Janeiro 28, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Quais são os perigos da nova variante?

Quando uma nova variante do SARS-CoV-2 – chamada de nome pouco conhecido VUI-202012/01 – foi encontrada no Reino Unido, dezenas de países correram para fechar suas portas aos britânicos, mas provavelmente já era tarde demais, alertam mais especialistas. Uma nova variante do vírus já foi encontrada em todo o planeta, desde países europeus como Holanda, Dinamarca, Bélgica, mas também em Israel e China.

É bem possível que a variante nem mesmo tenha aparecido na Grã-Bretanha, mas só tenha sido descoberta lá. Finalmente, o país possui o programa de vigilância genômica mais sofisticado – 5% a 10% dos casos de covid-19 no Reino Unido foram submetidos a sequenciamento genético, para entender uma variante do vírus envolvida na infecção, quase metade dos dados coletados no mundo todo.

É importante lembrar que, embora o SARS-CoV-2 tenha taxas de mutação muito mais baixas do que outros vírus, como a gripe, é bastante normal e espera-se que seja um vírus silencioso. O que chamou a atenção foi a velocidade com que essa variante o fez, muito mais rápido do que o normal, assumindo o sul da Inglaterra – é responsável por mais da metade dos novos casos nas últimas semanas, segundo autoridades de saúde britânicas.

“Estão a circular tantos vírus, com tantas mutações potencialmente interessantes que, para perceber o que é mais importante, temos alguns indicadores, nomeadamente para ver se propagam muito rapidamente”, explica João Paul Gomes, responsável pelo estudo da diversidade de vírus e bactérias em Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, jornal e.

Até o momento, não há indícios de que a nova variante esteja causando doenças mais graves, mas há preocupações de que possa ser mais fácil para infectar crianças. Além disso, os alarmes são ativados sempre que ocorrem mutações no posto SARS-Cov-2, como é o caso do VUI-202012/01. Esta classe é um pequeno pedaço de mecanização de proteínas que permite que o vírus se infiltre nas células humanas – é também o alvo de todas as vacinas desenvolvidas contra covid-19.

Novamente, a variante é tão mais recente que ainda não se sabe se afetará a eficácia da vacina. Mas empresas farmacêuticas como Pfizer e BioNTech foram rápidas em garantir que, se fossem, seriam capazes de mudar sua vacina em seis semanas. No entanto, o problema não é apenas técnico – para evitar o retorno aos ensaios clínicos, seria necessário o aval das autoridades sanitárias, que durou quase um ano.

“Devemos abordar a questão de como a EMA [Agência Europeia de Medicamentos]e o FDA [agência reguladora dos medicamentos nos EUA] e outros funcionários veriam ”, admitiu o CEO da BioNTech, Ugur Sahin, em uma entrevista coletiva.

No entanto, existem muitas ameaças. Além de uma variante do vírus descoberta no Reino Unido, outra mutação foi encontrada na África do Sul, sujeita a restrições de viagem em cada vez mais países. O perigo é diferente aqui. Os pesquisadores descobriram que os infectados com essa variação tinham uma carga viral mais alta no trato respiratório superior – algo associado a sintomas mais graves em outras doenças.