Março 1, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

“Quando você é um escravo do ego, fica preso em uma moldura com seus próprios interesses”

Ele nos recebe via Zoom e começa contando que a pandemia o levou a cancelar uma viagem a Lisboa: era o presente de 90 anos de sua mãe, ao qual ele respondeu durante a conversa. Ela explicou gentilmente que entraria em contato em alguns minutos e voltou ao assunto do novo livro. DENTRO Como mudar de ideia: o que a nova ciência dos psicodélicos nos ensina sobre consciência, morte, vício, depressão e transcendência (Prime Books, 476 páginas, 24,90 EUR), mais vendidos parece New York Times, Pollan aceita o registro de obras anteriores, entrelaçando história natural, crítica cultural, medicina e relatos em primeira pessoa, dando ao leitor uma ideia clara de “viagens” aos 60 anos (agora tem 65).

Ele pensa Tempo uma das 100 pessoas mais influentes do mundo, um acadêmico acadêmico de uma década revela a história dos psicodélicos e daqueles que os estudam e argumenta que o acesso não deve ser limitado ao contexto clínico, mas cauteloso a esse respeito, levando em conta histórias, que revelam como tem um entusiasmo desenfreado sobre o potencial revolucionário dos psicodélicos por décadas que levou à sua proibição.

Lendo este livro, ele foi para frente e para trás com você para um lugar que todos nós temos, mas que poucos ousam ir. O que são psicodélicos?
O termo significa a manifestação da mente, ou seja, ela catalisa o que já existe. Seus efeitos são imprevisíveis e variam de pessoa para pessoa, portanto, o tipo de experiência adquirida com a mesma dose da substância é único. Incluí LSD, psilocibina, DMT e 5-MeO-DMT no livro, mas não MDMA (ecstasy), que também tem valor terapêutico porque já tem material suficiente. No entanto, ele aparecerá na série Netflix, que terá quatro partes: LSD, psilocibina, MDMA e mescalina.

Que motivou estrondo psicodélico?
Para minha surpresa, as raízes do uso dessas substâncias são muito antigas. Eles existem na América do Sul e no México há centenas de anos, mas chegaram ao Ocidente apenas na década de 1950: havia música, um psicólogo visionário de Harvard, um defensor dos benefícios do LSD e canções inspiradas dos Beatles), a contracultura e o movimento anti-guerra. Foi um período fecundo nos estudos e movimentos dos anos 1960, mas é apenas um capítulo da história.

Como você explica a abundância de estudos com essas drogas na década de 1960? Foi tão fácil obtê-los?
Na década de 1950, os psicodélicos eram conhecidos por meia dúzia de cientistas e psiquiatras, mas ganharam popularidade graças a artigos nas principais revistas generalistas. A Vida está ligado Tempo promoveu ativamente psicodélicos como uma cura milagrosa. É quando se trata de [psicólogo] Timothy Leary, que incentivou todos a aceitá-los, e os famosos bioquímicos que os sintetizaram, tinham como política doar metade da produção.

Ele ficou na moda em Hollywood porque escritores, artistas e pessoas da tecnologia como Steve Jobs e outros o viam como um catalisador mental.
Sim, eles tomavam ácidos para entretenimento e fins espirituais, mas, acima de tudo, eram ritos de transição para os iniciados na contracultura hippie. Quando os jovens começaram a tomar LSD, psilocibina e, em menor grau, mescalina, e se recusaram a ir para a guerra [do Vietname], foi muito assustador para os pais.

Como você passou do turismo místico ao pânico moral?
Através da imprensa negativa. De um momento para o outro, vinham notícias de pessoas se jogando para fora de edifícios pensando que voariam, alunos olhando o sol até ficarem cegos, com ataques psicóticos. Na verdade, as coisas deram errado por falta de segurança e conscientização. No entanto, os manifestos anti-guerra levaram a uma política de guerra contra as drogas e, entre elas, os alucinógenos. O presidente Nixon até acusou Timothy Leary, o falecido psicólogo, de ser o homem mais perigoso da América!

O que levou Robert Kennedy a apelar para o senso comum dos órgãos reguladores (FDA)?
No Senado, Kennedy perguntou se era necessário banir medicamentos úteis no tratamento de patologias. Nunca confirmei a história, mas sua esposa parece ter feito tratamento para LSD e teve bons resultados. No entanto, seus esforços foram em vão. A pressão política e social para demonizar a droga era enorme, e a polêmica levou muitos cientistas a interromper as investigações por medo de que seus colegas os ridicularizassem. Em 1970, o LSD foi classificado como Nível 1, a categoria de risco mais alto e impróprio para fins médicos. Nenhuma dessas razões era verdadeira: havia evidências de que os psicodélicos não escapavam às drogas ou agiam no ciclo da dopamina, como era o caso das anfetaminas, cocaína ou opiáceos, que criam dependência. Também houve evidências de que eles eram eficazes no tratamento de vícios, depressão e outros problemas mentais.

Ele descobre que a própria CIA fez experiências com esses produtos químicos de controle da mente. Como está o caso hoje?
A CIA lançou um protocolo de investigação paralelo na década de 1950. Não está claro quando foi concluído, talvez nem mesmo concluído, mas foi anunciado na década de 1970 pela Comissão da Igreja, criada no Senado para investigar atividades ilegais da CIA: a ideia seria usar o LSD como um soro da verdade para quebrar as defesas durante o interrogatório armas para derrubar o oponente, fornecendo água. Tudo foi feito sem consentimento e algumas pessoas morreram. Foi um programa triste, do ponto de vista ético. Ironicamente, a CIA deu ao escritor Ken Kesey a primeira dose de LSD. [autor do livro Voando sobre um Ninho de Cucos], que lançou festas ácidas na Costa Oeste e popularizou o LSD na Califórnia. A ideia de que a CIA lançou o movimento hippie sugere que a pesquisa às vezes dá errado.

Se psicodélicos são usados ​​em um ambiente médico para tratar depressão, ansiedade e suicídio, eles podem ser considerados benéficos em vez de uma ameaça.

Esses produtos químicos não eram a única ameaça na América Estado. Isso ainda está acontecendo?
Os cogumelos e, mais tarde, o peiote, usados ​​nos sacramentos, representavam uma ameaça ao poder da Igreja Católica. No sacramento cristão é necessário ter fé para acreditar que o corpo e o sangue de Cristo são usados ​​como ponte para o divino. Em psicodélicos, essa conexão é direta. Há uma percepção de que os psicodélicos ameaçaram as estruturas de poder, pelo menos no Ocidente. Drogas que tendem a demonizar são aquelas que interferem no funcionamento estável das sociedades e estruturas de poder. Se os psicodélicos são usados ​​em um contexto médico para tratar depressão, ansiedade e suicídio, eles podem ser considerados úteis ao invés de uma ameaça e, nesse sentido, aceitos.

Como você vê o ressurgimento dessas substâncias ou seu retorno aos protocolos de pesquisa?
Métodos mais rigorosos são usados ​​hoje. Ensaios duplo-cegos e estudos controlados com placebo, pelo menos no caso da psilocibina, em casos de depressão resistente, pacientes incuráveis ​​e vícios de todos os tipos (álcool, cocaína, fumo), mostraram-se melhores do que os tratamentos convencionais. . As ferramentas que temos, antidepressivos (SSRIs), não têm os resultados que tiveram. Além disso, eles nunca funcionaram bem, são um pouco melhores do que o placebo. A psilocibina demonstrou ser mais eficaz no tratamento da depressão maior do que os antidepressivos e a psicoterapia clássica, em pelo menos dois estudos: um no Imperial College e outro em novembro na Universidade Johns Hopkins. Precisamos de estudos clínicos maiores de fase III envolvendo centenas de pacientes.

E no caso do MDMA, na Europa?
Ele tem mostrado resultados notáveis ​​no estresse pós-traumático, e de todas essas substâncias ilegais deve ser o primeiro a ter resultados, pois já foram estudados anteriormente e os ensaios já estão na fase III. A vantagem dos químicos é que permite o reprocessamento de memórias difíceis e alivia a experiência traumática.

De um jovem chateado, ele se transformou em um homem que fez viagens psicodélicas aos 60 anos. Você estava com medo?
Estava nervoso e não consegui dormir no dia anterior, mas tive a experiência com um guia, o que faz toda a diferença. Ter um especialista nessas substâncias com você oferece segurança. Na psicoterapia psicodélica, a pessoa está com os olhos vendados e pode se entregar à experiência, deixando-se envolver na música sem se preocupar com mais nada. O que mais influencia é a sensação de que alguém vai morrer, mas não: a sensação de “eu” se dissolve e entra em outro espaço onde não há mais fronteira entre nós e o meio ambiente, e nos tornamos isso, seja com o Divino, o universo ou a natureza.

O que a experiência significou para você?
Foi uma aparição. Percebi que minha noção de experiência religiosa, que continha um componente sobrenatural, estava errada. Isso me levou a rever as memórias de pessoas importantes e a desenvolver um maior senso de gratidão. O poder da experiência espiritual está no sentido de conexão. O homem se torna menos dependente do ego, que não é a nossa totalidade. Tive uma incrível sensação de conexão e amor. O oposto do espiritual não é material, é egoísta. Quando você é um escravo do ego, fica preso em uma estrutura de interesses pessoais. Eu costumava ser meu ego. Não mais. Uma das bênçãos dos psicodélicos é que eles melhoram a experiência de meditação, o que é satisfatório.

O uso de psicodélicos pode reconfigurar os circuitos neurais e contribuir para a mudança social?
Somos escravos de nossas redes por padrão. Nós nos separamos dos outros com base em nossas diferenças (gênero, raça, etc.) e geralmente os tratamos como objetos. Fizemos isso com a Natureza – veja a crise climática. As experiências pelas quais questionamos modos de pensar podem ser de grande valor. Não acredito que o LSD deva estar disponível em grande escala, mesmo porque existem riscos psicológicos. Mudar a sociedade cuidando desses riscos e talvez dando acesso às elites poderia criar um novo nível de consciência, mas não tenho resposta para isso. Os psicodélicos podem desempenhar um papel importante na restauração da força de crença em ativistas ambientais desencorajados. Essas substâncias são terapêuticas, e não são terapêuticas, é um projeto cultural que precisa ser trabalhado.

Declarando, citando Carl Jung, que os psicodélicos ajudam a negociar outra parte de nossas vidas. Por que isso faz mais sentido para as pessoas mais velhas, quando você pensava de forma diferente na década de 1960?
Eles nos ajudam a processar o que vivemos e a reexaminar a relação com a morte. Com o tempo, ganhamos experiência e habilidades, mas também ficamos presos nos registros mentais que conhecemos, em conversas com um parceiro, filhos ou no trabalho. Os psicodélicos rompem hábitos. No livro, uso a metáfora de um cientista holandês: a mente é uma colina coberta de neve e os pensamentos são trenós, que aprofundam os caminhos cada vez que passam por lá. Os psicodélicos fazem desaparecer temporariamente esses traços (conexões neurais) e os trenós podem explorar novas direções.