Queiroga critica o uso da Pfizer na ausência de uma segunda dose do AstraZeneca – 13.9.2021.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, criticou nesta segunda-feira, 13, o que chamou de “Torre de Babel” nos critérios para o uso de vacinas em todo o país. Segundo o ministro, os gestores de saúde devem usar as vacinas da Pfizer porque são a segunda dose para quem toma AstraZeneca apenas em casos excepcionais.

“Se a AstraZeneca faltar acidentalmente, por problemas operacionais, a substituibilidade pode eventualmente ser usada. Agora o critério não pode faltar um dia e já está mudando. Do contrário, não podemos seguir em frente. Nossa campanha está indo muito bem”, disse Queiroga.

“A ideia é que a vacina seja homóloga. A dose heteróloga é para um potenciador ou uma dose adicional”, explicou o ministro. “E essa (dose extra) é para idosos com mais de 70 anos e imunocomprometidos. Tem estados que já anunciaram que serão vacinados com mais de 60 anos. Então é difícil como a gente consegue fazer uma campanha de vacinação com esse tipo da vacina da torre da Babilônia? “.

O estado de São Paulo tem cerca de 1 milhão de pessoas que não receberam a segunda dose da vacinação AstraZeneca por falta de imunizações, por isso decidiram se inscrever na Pfizer a partir desta segunda-feira para evitar atrasos na campanha de vacinação.

Em relação ao uso do Coronavac para dose aumentada, Queiroga mais uma vez solicitou a apresentação dos dados pelo Instituto Anvis Butantan, como forma de divulgar o registro final da vacina produzida em parceria com o laboratório chinês Sinovac. “O que a ciência apontou é que um sistema heterólogo é mais suficiente”, disse o ministro sobre o aumento da dose.

O Ministério da Saúde não recomenda o uso do Coronavac em idosos, o que aconteceu em São Paulo. “Estou conversando com gestores de saúde, acompanhem o PNI (Programa Nacional de Imunizações) e juntos faremos uma campanha mais efetiva”, questionou o ministro.

Queiroga também minimizou a ocorrência de variantes do novo coronavírus. “Todos os dias vemos que não será um problema tão grande quanto temíamos”, disse ele sobre a variante Delta. “A variante é importante para Ele, ainda assim não se preocupa.”

Em meio a pressões do presidente Jair Bolsonar, ele reiterou que o uso obrigatório de máscaras deve ser anunciado em breve. “Estamos muito próximos de conseguir isso no Brasil. Mas nossa campanha deve avançar”, pensou.

Reduzindo o intervalo entre as doses

Apesar das dificuldades em encontrar as vacinas da AstraZeneca em todo o país, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta segunda-feira que o intervalo entre as doses do imunizante a partir do próximo dia 15 será reduzido de 12 para 8 semanas. A pausa de setembro da Pfizer já havia sido anunciada por Queiroga no mês passado. O Coronavac tem um intervalo menor de 28 dias, e a vacina Janssen é uma dose única.

Apesar das mudanças na faixa, os critérios adotados ainda divergem das recomendações do fabricante. A Pfizer recomenda um intervalo de 21 dias entre as doses e a AstraZeneca de 12 semanas, como é o caso hoje.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero