Turno Zero

Notícias Completas mundo

Razões pelas quais a Espanha não conseguiu conter a pandemia

Há pouco mais de dois meses, o Presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez, anunciou: “Vencemos o vírus, controlamos a epidemia e dobramos a curva”. Porém, o discurso atual é totalmente contrário, com A Espanha lidera a lista de países da Europa Ocidental com os casos mais confirmados de infecção por Covid-19.

Em 21 de junho, um dia após o fim do estado de emergência, a Espanha suspendeu as restrições e começou a ficar sem coisas. No entanto, algumas dessas limitações voltaram a certos territórios já em julho. Logo após, no dia 18 de agosto, toda a Espanha estava observando medidas de restrição mais rígidas que foram cada vez mais endurecidas em certas regiões até o ponto atual, onde certas regiões de Madrid estão novamente observando limitações à mobilidade.

O país vizinho só conseguiu se afastar das piores estatísticas europeias sobre a incidência da Covid-19 entre as últimas semanas da primavera e as primeiras do verão, voltando à liderança em meados do verão, com números muito superiores aos registrados em qualquer outro país na Europa. ocidental. Afinal, o que causou o fracasso do princípio do “novo normal” na Espanha?

Para responder a essa pergunta, os especialistas voltam ao período em que começou a indefinição. O plano em si era “exemplar”: levantamento assimétrico das restrições, com distinção entre níveis, que progrediu à medida que as comunidades apresentavam uma incidência da doença suficientemente baixa e capacidades suficientes para enfrentar a epidemia.

No entanto, os especialistas apontam dois problemas essenciais: o Ministério da Saúde não quantificou qual deve ser essa incidência e quais as garantias que cada comunidade deve oferecer quanto ao controle do avanço da epidemia.

Portanto, não havia parâmetros claros e muitas comunidades avançavam em nível quando ainda não estavam preparadas. O caso mais evidente é o de Madrid, que avançou para a fase 2 sob a promessa de uma capacidade de vigilância epidemiológica que nunca foi cumprida.

“A nova normalidade era outra coisa. O que experimentamos foi simplesmente uma desaceleração abrupta sem fazer nosso dever de casa”, Explica ao jornal O país Miguel Hernán, professor de epidemiologia da Universidade de Harvard.

Hernán considera que, para chegar ao momento de levantamento das restrições, foram necessários quatro requisitos que, em sua opinião, não foram cumpridos pela Espanha.

A primeira foi a capacidade das comunidades autônomas de criar e reforçar as habilidades de assistência e diagnóstico, bem como monitoramento, isolamento ou quarentena. O segundo, para a definição de indicadores epidemiológicos transparentes e harmonizados pelo Governo espanhol que facilitem ações coordenadas. Terceiro, o especialista considera necessário traçar medidas específicas para iniciar a indefinição por especialistas multidisciplinares. Finalmente, um processo contínuo de tomada de decisão com base na avaliação de dados epidemiológicos das três semanas anteriores.

Para Miquel Porta, professor especialista em epidemiologia, medicina preventiva e saúde pública, a não entrada dos espanhóis no “novo normal” remonta ao período anterior à pandemia. “Não foi no desenho de critérios de indefinição que falhamos, mas na aplicação desses mesmos critérios”, defende o especialista, justificando esta falha com a “incapacidade do Estado”.

.js">

“Não é nem um problema para os políticos, mas para o aparelho de Estado”, continuou. “O Tesouro é um mecanismo brilhante, com ferramentas do século XXI. Obviamente, há fraude e poderia funcionar melhor, mas qualquer imposto municipal em qualquer canto da Espanha está registrado. Nosso [serviços de vigilância epidemiológica e de saúde pública] funcionam como no século 19 ”, concluiu Miquel Porta.
Falhas na triagem e excesso de confiança
As constantes falhas no rastreamento de contatos próximos aos infectados pela Covid-19 são outra razão dada para o crescimento da curva epidêmica na Espanha. Madri, por exemplo, deve ter equipes de triagem para monitorar casos positivos, identificar e monitorar contatos próximos. No entanto, não há evidências de que essas equipes realmente existiram e muitos pacientes em quarentena dizem que nunca foram contatados por essas equipes.

Além disso, os especialistas também relatam um excesso de confiança. “Voltar a chamar de normal talvez tenha sido um fracasso, porque nos fez confiar em nós mesmos”, admite Saúl Ares, cientista do Centro Nacional de Biotecnologia.

“Enquanto o vírus estiver conosco, devemos ter três coisas em mente: atenção primária aprimorada em tempo integral; equipes de triagem e, em terceiro lugar, mesmo que a incidência seja baixa, a população deve conviver com as regras de uma certa distância até que isso passe. Devemos evitar reuniões em ambientes fechados e sempre usar máscara, além das demais regras de higiene ”, explica Saúl Ares.

Todos esses motivos se somam ao comportamento de algumas empresas que não fizeram esforços suficientes para proteger seus trabalhadores e cidadãos em geral, que não seguiram as orientações do Ministério da Saúde no período de indefinição.

Depois de quase quatro meses preso, é normal querer voltar ao normal. Mas todos os governos sabem que esse preconceito é perigoso em qualquer situação. Devíamos ter um plano de desconfinação mais sólido. Todas as comunidades pareciam prontas, mas algumas não. E se adicionarmos isso a um comportamento muito irregular dos cidadãos, o tempestade perfeita“, afirma Rafael Bengoa, um dos mais conceituados especialistas em Saúde Pública de Espanha. “Para muitas pessoas, o novo normal consistia em voltar à normalidade e, portanto, cometia-se um erro fundamental: não supor que estávamos voltando a um momento em que a curva era descendente, mas o vírus ainda não havia desaparecido”, frisa Daniel López Acuña, ex-diretor de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em suma, os especialistas alertam que, até que uma vacina chegue, o conceito de “novo normal” deve ser esquecido. Rafael Bengoa, juntamente com outros 19 especialistas, assinou um manifesto na revista The Lancet exigir que o Governo espanhol estude o que falhou e proponha medidas para evitar que a Espanha siga o mesmo caminho no futuro, porque, segundo os especialistas, surgirão outras pandemias.

“Não iria à procura de um novo normal”, diz Bengoa. “Isso iria até onde não precisamos manter distância social, mas retornar à normalidade política e social das desigualdades que existem no país não é o caminho a percorrer”, acrescenta.

Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post Os preços das casas continuam subindo
Next Post Tesla: Elon Musk confirma dois novos modelos produzidos em Berlim e Xangai