‘Sagitário’: o diretor fala sobre como fazer um filme rápido, furioso … e barato! – 7.1.2020

Todo ator quer que a série se torne sua. No mundo às vezes imperceptível do cinema, interpretar um personagem popular que pode retornar em sequências sem fim é bastante retraído. Por exemplo, Bruce Willis (“Duro de Matar”), Tom Cruise (“Missão Impossível”), Keanu Reeves (“John Wick”) e até Jean Claude Van Damme (“Kickboxer”).

Você pode adicionar Tom Berenger à lista. “Sniper: O Fim do Assassinato” é o oitavo episódio da série que começou em 1993 (!!) e o sexto segundo o qual o ator é um veterano de “Platão” e “Iniciação”. O que começou como um modesto filme de ação, dirigido por Luis Llos (que mais tarde faria “The Expert”, “Anaconda” e Goodbye), tornou-se uma máquina bem lubrificada e poderosa por quase três décadas.

O segredo da longevidade é a matemática simples. Cada filme é um produto barato (o orçamento não é para almoçar no set do filme “Ultimato dos Vingadores”), filmado e concluído em pouco mais de dois meses. Embora tenha começado nos cinemas, a série “Atirador” o alimenta Festa em casa, anteriormente baseado em DVDs, que hoje gravitam em fluxo e VOD.

snaper kaare - Sony - Sony

Kaare Andrews, diretor de “Sniper: O Fim do Assassino”

Sony

“Uma situação longe do ideal pode desencadear uma nova maneira de fazer filmes”, instruiu Kaare Andrews, que assumiu a direção desta oitava edição, “O fim de um assassino”. “Os sets de Kubrick eram assim: time menor, mais tempo de corrida, menos dinheiro”. É uma operação industrial que, por envolver menos riscos, acaba dando ao diretor mais liberdade.

A segunda carreira de Andrews fez dele o diretor ideal para o projeto. Quando ele não está trabalhando em filmes, ele é um artista de quadrinhos, ele trabalhou em projetos para a Marvel e a DC. A sensibilidade visual ajudou a defini-lo moldar filme.

“É um filme modesto, então decidi criar a aparência de alguns dos personagens”, explica ele. “Em uma grande produção, os produtores gastam até um ano aperfeiçoando a aparência do filme. Mas, como o tempo e o dinheiro eram curtos, decidi escrever alguns esboços que eventualmente trouxessem mais variedade ao filme”.

CAFÉ COM FILME DE LEITE

Outro segredo da produção ininterrupta é a integração da equipe. Especialmente em uma série com atores que a conhecem tão bem: o ator Chad Michael Collins, que interpreta o filho do personagem de Berenger, assumiu o papel principal na quarta aventura e compartilha a cena com o veterano.

“Desde o começo, percebi que os personagens sempre sabiam melhor do que eu”, continua Andrews. “Então, eu preferi ouvir e ser modesto. Não havia tensão no set porque Tom gosta de improvisar. Como um personagem, ele vive no coração da América, coisas que ele diz que se encaixam no personagem”.

O enredo é café com leite, a história básica condensada em uma hora e meia de filme. O atirador Brandon Beckett (Chad Michael Collins) se torna o principal suspeito do assassinato político. Para apagar seu nome, ele procura seu pai, Thomas Beckett (Tom Berenger), e logo o casal foge da CIA e é um assassino treinado em Yakuza. E é isso.

snaper berenger 1993 - Sony - Sony

Tom Berenger em ‘O Atirador’, 1993

Sony

Curiosamente, Karee Andrews mantém as duas carreiras em paralelo – cinema e quadrinhos, sem entrar em choque. “É fácil fazer as duas coisas”, diz ele. “Eu só pisei nos quadrinhos quando comecei a pré-produzir o filme. Portanto, as filmagens levam um mês e o próximo mês para o final”.

O longa-metragem e o trabalho de TV (episódios dirigidos por Andrews da série como “Van Helsing” e “V Wars”) encontram semelhanças com os quadrinhos. “A TV é como desenhar uma história em quadrinhos”, explica ele. “Eu entendo o roteiro, faço minha parte e outros cuidam da rendição.” Ele já compara o longa-metragem com lápis, obras de arte e cores. “A televisão é o lado audiovisual da adrenalina. O filme é um lugar onde você pode investir mais personalidade.”

A propósito, o acúmulo de funções é uma característica que vem dos quadrinhos. “Na vida, as pessoas esperam que você seja bom em uma coisa”, diz ele. “Se você deseja assumir outros papéis, especialmente na estrutura corporativa, ouvirá não. Fiz da mesma maneira, até que eles perceberam que não precisavam me colocar em uma caixa”.

Rei da Aranha Sniper - Reprodução - Reprodução

‘Spider-Man: Power’, miniaturas escritas e ilustradas por Kaare Andrews

Imagem: Reprodução

Foi o que aconteceu em sua obra mais famosa dos quadrinhos, a miniatura “Reign” (chamada “Potestade” no Brasil, 2006), que mostrou ao homem o futuro distópico do Homem-Aranha. “Eu era jovem, queria provar que era capaz. Como desenhar rápido, pensei que poderia economizar tempo completando a linha. Depois continuei balançando e pintando”, lembra ele. “Eu queria escrever e escrevi sem falar com nenhum editor. Quando apresentei o projeto na Marvel, estava basicamente pronto.”

“Spider-Man: Power” foi lançado quando as adaptações de super-heróis nos cinemas estavam ganhando importância, e a constante pergunta é por que os estúdios não estão à procura de roteiristas de quadrinhos para traduzir personagens para filmes. Kaare acredita que as duas mídias nem sempre andam juntas, e ele pode engolir um profissional de quadrinhos arriscando a mão no cinema.

“A história dos roteiros para Hq no cinema é terrível”, ressalta. “Eles são mídias completamente diferentes. Além de dinheiro e sucesso, eles não são os objetivos de quem trabalha em quadrinhos, mas é um trabalho completamente apaixonado”. Ele lembra que a Marvel estava em processo de recuperação financeira depois de declarar falência quando começou com a editora.

CENAS SEM FORÇA

“Ele funciona apenas com quadrinhos que entendem completamente essa paixão”, continua ele. “Hollywood funciona de uma maneira completamente diferente. Os roteiristas não têm tanto poder. Todd MacFarlane é um dos caras mais ricos e poderosos do mundo dos quadrinhos, e ainda não consegue um novo filme, ‘Spawn’, fora da gaveta”.

Ainda não resisto a morder a isca, e lembro que a Sony, como a série “The Shooter”, também possui os direitos de filme do Homem-Aranha. Existe uma chance de um crossover? “Cara, eu adoraria, sem hesitar”, ele emociona. “Vamos fazer acontecer!”

Sniper: The End of a Assassin está disponível para aluguel e compra em plataformas digitais: Apple Store | iTunes, Google Play, Looke, Microsoft Filmes e TV (Xbox), AGORA, Oi Play, PlayStation Store, SKY Play e Vivo Play

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero