Turno Zero

Notícias Completas mundo

‘Slow flowers’, uma tendência de buquês de flores locais que reduzem a pegada de carbono – 30.07.2020

‘Slow flowers’, uma tendência de buquês de flores locais que reduzem a pegada de carbono – 30.07.2020

Paris, 30 de julho de 2020 (AFP) – Uma meca do comércio internacional de flores, a Holanda vende flores francesas diariamente na própria França. Para equilibrar essa hegemonia e vender buquês com menos impacto de carbono, o fenômeno das “flores lentas” está crescendo na Europa.

Nos subúrbios de Amsterdã, chegadas ininterruptas e viagens de trilhas continuaram nas últimas semanas, com o retorno do comércio mundial após uma parada causada por uma nova pandemia de coronavírus.

“Vendemos 30.000 variedades diferentes neste mercado”, explica orgulhosamente Michel Van Schie, porta-voz da Royal Flora Holland, um gigante da horticultura holandês, onde flores de todo o mundo circulam diariamente.

Os números variam, segundo fontes, mas Thierry Louveau, chefe da filial francesa de outra gigante holandesa, FleuraMetz, diz que “70% da produção mundial de flores circula na Holanda, embora não precise necessariamente ser produzida na Holanda”.

A história de amor da Holanda com horticultura é antiga. No século XVII, isso causou as primeiras rachaduras na história, quando as especulações baseadas no comércio de bulbos de tulipas causaram um forte aumento nos preços antes do colapso.

A “aceleração”, de acordo com Louveau, remonta à década de 1950, com a criação de mercados de vendas por meio de um sistema de leilões eletrônicos reversos, no qual o preço é gradualmente reduzido até encontrar um comprador. Eles são gerenciados por grandes cooperativas.

“A Holanda sabia como se organizar para comercializar a flor, concentrar a produção, a logística, criar cooperativas que facilitassem a comercialização”, afirmou.

Domínio nutrido pelo estado holandês, que ainda subsidia o consumo de energia em estufas.

A Holanda também pode contar com a produção descentralizada durante o ano todo no hemisfério sul, com mão de obra barata. Às vezes, isso é tão crucial para as economias desses países quanto para os Países Baixos.

É o caso do Quênia, onde as flores são cultivadas antes de serem enviadas para a Holanda e distribuídas para todas as partes do mundo.

“O setor emprega diretamente 200.000 pessoas em fazendas e representa mais de um milhão de empregos induzidos, representando a vida de 4 milhões de pessoas”, explica Clement Tulezi, presidente do Kenya Flower Council, a organização que supervisiona o setor. mercado de vegetais rural.

– Logística holandesa – Acima de tudo, possui uma logística muito eficiente, com vários caminhões passando pelo continente europeu. Difícil competir com ela.

No mercado, “a França produziu flores que vão para Amsterdã e voltam para a França”, explica Benjamin Perot, um dos co-fundadores em 2016 de Monsieur Marguerite, uma florista ambientalmente responsável que cita, por exemplo, parte da produção de peônias francesas. .

Outro exemplo: “Uma bela tulipa produzida na região de Nice (sudeste da França) é comprada por um atacadista e vai fisicamente para a Holanda, onde é avaliada em um mercado de leilão, que determina seu valor e depois é redistribuído” na França, às vezes até em Nice, explicou Hortense Harang , co-fundador da plataforma Fleurs d’Ici.

Diante desta competição, muitos cultivadores franceses tiveram que fechar ou mudar seu método.

“Eles dizem que o preço do país que faz você sair é um trabalho árduo, as pensões são tão baixas que a tentação de vender é grande e a concorrência. Nós nunca aumentamos os preços!”, Resume Marie-Line Lanari, uma ex-cultivadora de cravos que migrou lírios para para sua terra na Cote d’Azur.

Val’Hor, uma organização hortícola interprofissional francesa, estima a participação de flores importadas em 85%. “Em 1972, havia 30.000 culturas hortícolas na França, hoje são 3.500”, alerta Hortense Harang.

– “Flores lentas” – Como outras, Harang quer refrear e, se possível, reverter essa tendência e reduzir a pegada de carbono das flores, estimulada pela crescente demanda do consumidor pela epidemia COVID-19.

“O que surge da crise é o desejo de comprar produtos franceses, comprar localmente, um fenômeno que é como uma réplica de alimento, chamada ‘flores lentas’, vindas dos Estados Unidos”, confirmou o presidente da Valp na AFP, Mikaël Mercier.

.js">

Segundo Perot, é um desafio: “Existem atacadistas tentando aumentar a parcela de flores francesas, mas hoje em dia é muito complicado garantir [um produto] 100% francês “.

A rede territorial está falhando.

Usando o mercado holandês, um florista de Biarritz (sudoeste da França) pode ter um botão “qualquer flor” em sua loja no dia seguinte, com velocidade “inimaginável” na França “insuficientemente estruturada”, segundo Perot.

Para combater essa fraqueza, Harang, com o Fleurs d’ici (Flores daqui), criou um software de gerenciamento integrado (ERP) que conecta na França, Bélgica, Itália e Reino Unido “horticultores com um florista independente, uma unidade de distribuição descarbonizada (bicicleta ou veículo elétrico) e um cliente local “.

O fenômeno da realocação não se limita à França: no Reino Unido, líder do movimento na Europa, a cooperativa Flowers from a Farm, que reúne produtores de todos os tamanhos, tinha 400 e 500 membros em 2018. Agora ele diz que existem “mais de 800”.

De acordo com Harang, Itália, de onde vem o movimento “slow food”, a Bélgica também está “completamente nele”.

Startups e floristas não são os únicos que podem se posicionar para satisfazer essa busca por flores “locais” na Europa, o que atrai os próprios holandeses.

Para tornar o transporte mais lucrativo, “pensamos em adicionar (aos caminhões) ervas verdes francesas às flores francesas”, explica Louveau, do grupo holandês FleuraMetz. O projeto estava marcado para março, mas teve que ser adiado devido à crise da saúde.

A paralisia da atividade econômica pela epidemia nos últimos meses destacou os riscos de interrupções na cadeia de suprimentos em um mundo ultra globalizado e tornou a produção local, industrial, farmacêutica e têxtil na moda, o desejo de dar preferência às flores produzidas na França, diz Sylvie Robert, diretora de Excelência Végétale , que desenvolve o selo de qualidade Fleurs de France, criado em 2015.

“Vamos chegar a cerca de 2.000 empresas envolvidas”, diz Robert, segundo o qual “grandes redes de distribuição”, como Auchan, aderiram à iniciativa nos primeiros seis meses de 2020.

Após o auge da crise da saúde, “não é um pico pequeno, mas um grande pico”, com “até dez pedidos por dia”, a partir de abril, contra “um ou dois” normalmente, ressalta.

– Rosa, espinho em curto-circuito – Existe um obstáculo: a rosa, que representa “45% do mercado de flores”, lembra Louveau.

Ele não nega o “desejo de flores da estação”, mas está convencido de que o consumidor “desejará apresentar rosas o ano todo”. E, de acordo com o Fleurs d’Ici, na Europa, a estação das rosas começa em maio-junho e termina em novembro.

O ponto em que os floristas quenianos continuam otimistas. “Podemos não ver um crescimento de dois dígitos como na última década”, diz Tulezi, mas os produtores quenianos “sempre serão mais eficientes”.

Especialmente porque agora a florista não precisa declarar a origem das flores, “ao contrário da comida”, lamenta Masami Lavault, uma florista urbana em Paris.

Embora o começo possa ser difícil, “há uma tendência real para a instalação de jovens fabricantes”, diz Perot.

– “Mais perto do povo” – Masami Lavault é pioneira na mudança de flores para a França. Ao amanhecer, ele vai com uma tesoura para um terreno de 1.200 m2, atrás do cemitério Belleville, em Paris, para aparar os cabelos, cosmos, calêndulas de Vênus … Entre 200 e 250 espécies.

“É demais: em geral, na agricultura, tentamos não complicar nossas vidas. Mas, para mim, é muito importante ter uma grande variedade, devido às escolhas que ela permite aos clientes e porque um local onde existem tantas plantas diferentes é mais resistente”, explica ele.

Dois dias por semana, uma jovem de 30 anos coleciona flores coloridas, tratadas sem produtos químicos, para vender a floristas e particulares.

“O mais interessante é a venda direta. É ótimo que as pessoas possam vir aqui, ver como funciona, ver um campo de flores (…) O objetivo da micro agricultura é estar o mais próximo possível das pessoas que consumirão o produto”, explica ele.

ngu-smt-fal-clr / ak / dp / erl / mar / mvv

Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

“Quando os tiroteios pararam, o barulho das bombas chegou”, disse um morador de Botucatu sobre a noite do terror – 30 de julho de 2020. – Vida cotidiana
Previous Post “Quando os tiroteios pararam, o barulho das bombas chegou”, disse um morador de Botucatu sobre a noite do terror – 30 de julho de 2020. – Vida cotidiana
São Paulo aprova novo currículo do ensino médio; implementação inicia 2021 – 30.07.2020
Next Post São Paulo aprova novo currículo do ensino médio; implementação inicia 2021 – 30.07.2020