Dezembro 4, 2020

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Tentativa de golpe? | Folha 8 Jornal Angolano Independente

A organização “Amigos de Angola” apelou hoje ao Presidente da República (também Presidente do MPLA e titular do Poder Executivo), João Lourenço, para libertar todos os manifestantes detidos no protesto de sábado em Luanda, em defesa do fim da violência contra ativistas.

UMA Marcha de sábado, convocada por activistas da sociedade civil, mas com o apoio da UNITA e outras forças da oposição que o MPLA (no poder há 45 anos) ainda permite existir, visa reivindicar melhores condições de vida, mais emprego e as primeiras eleições autárquicas em Angola , que estavam programados para este ano, mas foram adiados sem nova data. Ou seja, todas as questões que ponham em causa a segurança do Estado e que não possam ser toleradas, de forma alguma, pelo Presidente do MPLA, muito menos pelo Presidente do Poder Executivo e menos ainda pelo Presidente da República.

A organização não governamental cita testemunhas que “a polícia agiu brutalmente” contra os manifestantes, utilizando “gás lacrimogéneo, cavalos e viaturas policiais para intimidar e dispersar um protesto pacífico” e que foi negado atendimento médico aos feridos.

Na verdade, nada disso aconteceu. Em primeiro lugar, como pode uma polícia reconhecida internacionalmente pelo seu alto nível de civilidade agir “brutalmente”, usar “gás lacrimogéneo, cavalos” etc. se não estava em causa a segurança do Estado ou mesmo uma tentativa de golpe de estado?

“Pedimos ao Presidente João Lourenço que libertasse todos os manifestantes que foram detidos ilegalmente durante o protesto”, diz o comunicado divulgado pela “Amigos de Angola”.

Mais uma campanha para desinformar as forças da reacção contra a honra de João Lourenço, um presidente indelicado e cujo governo não conseguiria prender ilegalmente os manifestantes, sendo público que a Constituição do país reconhece e incentiva a liberdade de expressão, para além das práticas que a polícia forças são prova do respeito total e inequívoco pelos direitos humanos.

A organização frisa que a manifestação está de acordo com a Constituição angolana e apela à abertura de um inquérito para “levar os responsáveis ​​à justiça”, razão pela qual consideram uma violação de direitos por parte das autoridades.

“Estes direitos estão claramente enunciados na Constituição e na Declaração Universal dos Direitos do Homem ratificada por Angola, mas estão a ser violados por autoridades que, por imperativo legal, deveriam ser as primeiras a respeitá-los”, defendem.

Os “Amigos de Angola” salientam que os manifestantes apenas exibiram cartazes, estavam desarmados e se protegiam com máscaras, “respeitando a distância física necessária no contexto do combate à pandemia de Covid-19”.

Argumentam ainda que as razões da manifestação são justificadas: “A falta de oportunidades de emprego, a corrupção endémica que continua a custar milhões ao Tesouro angolano e a falta de uma comissão eleitoral independente”.

“Esperamos que o Presidente João Lourenço abraça os valores democráticos e respeite a liberdade de expressão e de reunião dos cidadãos angolanos”, acrescentam.

.js">

Desde 2002, o MPLA tem conseguido fingir que democratiza o país e, mais do que isso, tem conseguido (embora não por mérito próprio, mas antes por mérito da UNITA) domesticar completamente todos aqueles que o possam fazer frente.

Angola esteve, é e estará (no DNA do MPLA) um dos países mais corruptos do mundo. A taxa de mortalidade infantil está entre as mais altas do mundo. E, claro, o Povo continua a ser gerado com fome, a nascer com fome e a morrer pouco depois … de fome.

Recorde-se que, por exemplo, o então Ministro Georges Chikoti disse não estar preocupado com a campanha internacional pela libertação dos então presos políticos (Revús) em Angola, jurando que estavam a preparar um golpe. Nada mais nada menos. Um golpe de estado. Ontem aconteceu o mesmo.

Os activistas foram detidos, não eram presos políticos, afirmou o então chanceler, mantendo – por ordem do “caro dirigente” e em nome da sobrevivência – a tese (que se reiterará hoje) de que os jovens militantes mísseis escondidos em lapiseiras, Kalashnikovs camuflados em telefones celulares e outras armas pesadas e letais disfarçadas nos pôsteres que empunhavam. Só assim é possível perceber que se preparavam para um golpe.

Na altura, a campanha internacional pela libertação dos activistas mostrou, aliás, que todos esquecem que o MPLA é o único representante de Deus na Terra e, portanto, possui poderes de adivinhação que o levam a saber com precisão milimétrica o que as pessoas pensam.

Foram, aliás, esses poderes que permitiram a prisão de jovens em flagrante delito: estavam naquele momento a pensar numa solução para derrubar o MPLA. E isso em si é uma questão de matá-los.

Além disso, nenhuma outra evidência foi necessária. Para que o regime usaria as armas (as que estavam camufladas), ou os milhões de guerrilheiros (que estavam no pátio debaixo da mangueira)? Saber o que os jovens pensavam era uma condição “sine qua non”.

Vejamos a explicação de Georges Chikoti que hoje pode ser reiterada por João Lourenço: “Angola é um país democrático, tem partidos políticos que participam no Parlamento. O que não se pode aceitar é que as pessoas queiram usar a violência como forma de alcançar ou alcançar o poder político ”.

Quando Georges Chikoti falava, com pleno conhecimento dos fatos, de violência, obviamente se referia à revolta militar que o exército jovem tinha em mente, caso não estivesse tão quente sob a mangueira.

Passando agora a dizer que o regime não sabe conviver com o adversário e revela um dos seus aspectos mais marcantes, a intolerância, é não compreender o DNA do MPLA, em que o ponto culminante foi o massacre de milhares e milhares (talvez 80 mil) de angolanos em 27 de maio de 1977.

É, aliás, não compreender que o regime do MPLA está tão moribundo que até ordena prender e matar a sua própria sombra.

Na verdade, tudo isso mostra que o regime do MPLA está morto, só não sabe ainda.