testado no STF, o novo formato tem clonagem e vendas ilegais

Decarran (Departamento Nacional de Transportes), a placa do Mercosul já está presente em fevereiro desde fevereiro, e a placa do Mercosul já está presente em pouco mais de 14 milhões de veículos.

Criado para ser mais seguro e mais barato para os consumidores, o novo padrão de identificação de veículos foi simplificado desde a sua introdução no Rio de Janeiro, em setembro de 2018, e hoje pilhas de casos de clonagem e vendas irregulares.

Em uma pesquisa de sites classificados, o relatório encontrou com facilidade anúncios de placas “decorativas” que poderiam ser feitas usando placas necessárias ao cliente e todos os elementos originais, incluindo o QR Code – um código bidimensional que substituiu o selo antigo e serve para acessar os dados do veículo via aplicativos gratuitos Vio.

carros ele também teve acesso a um vídeo mostrando como é fácil clonar até mesmo esse código usando programas de manipulação de imagem padrão para montar uma placa “fria”.

Falsificação de placas Placas Mercosul QR Code - Reprodução - Reprodução

O vídeo mostra como é fácil copiar um QR Code legítimo e copiá-lo para um quadro “frio”

Imagem: Reprodução

Dependendo da qualidade da cópia, a fraude só pode ser verificada verificando itens como o chassi e a numeração do motor.

A reportagem também recebeu fotos comparando o painel falso, comprado no Mercado Livre e feito de papel alumínio, com o legítimo. É bastante difícil distinguir.

Casos de clonagem foram noticiados. Em 6 de julho, o Exército Rodoviário de São Paulo prendeu um homem que transportava quase meia tonelada de maconha para Ourinhos (SP) em um veículo com placas clonadas do Mercosul.

Em 25 de junho, a polícia militar de Pernambuco apreendeu 496 documentos em branco e quatro placas, duas das quais eram o Mercosul, para clonagem de veículos. Em janeiro, carros já mostrou a placa do Mercosul sendo vendida no meio de uma rua da Bahia, o que é ilegal.

‘Grupos criminosos’

Falsificação do mercado livre Chapa do Mercosul - duplicação - duplicação

Anúncio de placa “decorativa” no Mercado Livre; o item pode ser comprado com os sinais que o cliente está procurando

Imagem: Reprodução

Presidente ANFAPV (A Associação Nacional dos Fabricantes de Placas de Veículos, Cláudio Martins culpa a mudança na legislação como uma responsabilidade de aumentar a clonagem.

Conforme estabelecido no artigo 10 da Resolução 780/2019 Contran (Conselho Nacional de Transportes), o sistema de licenciamento foi substituído pelo credenciamento e livre concorrência, que descentralizavam o controle de todo o processo de registro e criavam irregularidades.

O sujeito chegou a entrar com uma ação direta contra a inconstitucionalidade STF (Supremo Tribunal Federal) em fevereiro passado e aguarda a decisão do relator, ministro Robert Barroso.

“Os novos números de registro de veículos são projetados para evitar fraudes e permitir o controle de sua produção de maneira centralizada. No entanto, diferentes formas de implantação em diferentes países causam falta de controle e possibilidade de grupos criminosos”, afirmou Martins.

Segundo ele, a remoção de itens de segurança simplificou a compra de matérias-primas no mercado paralelo e removeu referências para que a polícia pudesse identificar fraudes – facilitando a confusão de uma placa fria com uma placa legal.

Refere-se à remoção de itens originalmente previstos no ladrilho do Mercosul, projetados em 2014 em colaboração com Uruguai, Paraguai e Argentina.

Por exemplo, o brasão de armas do município e a bandeira do estado de registro, “ondas sinusoidais”, foram aplicadas no fundo da placa e um filme com efeito holográfico nas figuras da placa foi removido. Esses itens tiveram um impacto “irrelevante” no custo final do conselho, afirma um representante da associação.

“A situação é tão caótica que, como no estado de São Paulo, as mesmas instalações que atendem os proprietários de veículos a pedido da detran [Departamento Estadual de Trânsito] use o mesmo material que as placas oficiais para fazer as placas decorativas. Além disso, observa-se que a produção de cartão frio cresce em um nível ainda mais alto do que o observado com cartões cinza “.

Martins acrescenta que a placa do Mercosul pode ser encomendada on-line de fornecedores paralelos, utilizando o mesmo material da placa “hot”, sem nenhum controle do Departamento de Trânsito do Estado.

O outro lado

Pedimos a Denatran e Detran-SP para comentar sobre as supostas questões no comunicado do Mercosul. Também examinamos o Mercado Livre em relação a anúncios de inscrições “decorativas” para uso ilegal.

Veja o que Denatran diz:

“Denatran não possui registros estatísticos que legitimam a alegação de que” houve muitos casos de clonagem recentemente. “Sistema de segurança do novo PIV [Placa de Implantação Veicular] permite aos agentes de inspeção um controle nacional e único da confirmação da placa para combater a clonagem, lendo o código QR. Através do novo sistema, é possível identificar práticas ilegais por meio de inspeções e, assim, adotar medidas de mitigação de fraudes “.

“Em termos de valor, o preço das chapas é incomparável, praticado pela própria impressora. Os preços da Detran, incluídos no custo final da placa, são determinados pelas assembléias legislativas de cada unidade federal”.

Em troca, o Detran-SP afirma que “cabe ao governo federal aprovar leis sobre a marca, comercialização e instalação de ladrilhos padrão do Mercosul, incluindo a determinação do valor das chapas”.

Quanto à taxa cobrada dos fornecedores de chapas, a agência alega que “o valor cobrado se deve ao uso de infraestrutura tecnológica para gerar código com dados de segurança para estampagem de chapas”.

O Mercado Livre, por outro lado, para quem foram enviados links com caracteres incorretos, respondeu que “os anúncios listados no relatório já foram baixados da plataforma”.

“O Mercado Livre esclarece que a venda de produtos não aprovados pelas autoridades reguladoras competentes é expressamente proibida, conforme descrito nos Termos e Condições de Uso da plataforma, aplicáveis ​​a todos os usuários, compradores e vendedores, e sua aceitação é atualmente obrigatória. Registro”.

Quadro simplificado

Versão atual Mercosul Plate - Press Release - Press Release

A atual placa do Mercosul perdeu elementos como o selo, a bandeira do estado, o brasão de armas do município e os efeitos reflexivos

Imagem: Detecção

O conselho do Mercosul é muito mais simples desde a sua primeira introdução do que o modelo originalmente concebido em 2014. A maioria dos itens de segurança foi removida mesmo durante o governo de Michel Temer – ou seja, antes de Bolsonaro assumir o cargo de presidente. O chip de identificação, por exemplo, fornecido no quadro, nunca foi aplicado.

Na última atualização, definida em junho de 2019 pela Resolução Contran 780, o conselho não possui mais dois recursos visuais criados para impedir a clonagem e a falsificação: as palavras “Brasil” e “Mercosul” com efeito difrativo, semelhantes aos de um holograma, aplicados acima dos caracteres e na borda externa ; e as ondas sinusoidais mencionadas acima, impressas no fundo branco do equipamento.

Em vez de um efeito difrativo, as inscrições começam a ter a mesma cor dos personagens e praticamente desaparecem.

Desde sua introdução no Rio de Janeiro, o novo padrão de identificação de veículos passou por outras mudanças visuais, sempre relacionadas a itens de segurança e à alegação do governo federal de redução de custos de produção e, consequentemente, preços para o usuário final.

A primeira ocorreu em setembro de 2018, com a Resolução 741, que removeu o selo, que ainda é usado no quadro cinza, e o substituiu por um código QR – que permite o rastreamento de todo o processo de fabricação do quadro.

Em novembro de 2018, outra resolução do Contraan (748) estabeleceu a exclusão da bandeira e brasão de armas do município do qual o veículo foi registrado.

Como o conselho do Mercosul mudou desde o seu lançamento:

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero