TikTok suspende o aplicativo em Hong Kong após a aprovação da lei de segurança – 07.07.2020

Após a promulgação de uma controversa lei de segurança nacional em Hong Kong, a popular plataforma TikTok decidiu na terça-feira (7) suspender sua aplicação no território. Ameaçador, o CEO de Hong Kong alertou os ativistas pró-democracia que a nova legislação seria implementada “vigorosamente”.

Pequim está enfrentando fortes críticas, especialmente das nações ocidentais, pela imposição de uma lei que pune atos que considera subversão, secessão, terrorismo e acordos com países estrangeiros em Hong Kong.

A censura chinesa também está provocando fortes reações dos gigantes da Internet americanos. Quanto à liberdade de expressão, Facebook, Google e Twitter confirmaram nesta segunda-feira (6) que não responderiam mais aos pedidos de informações sobre seus usuários estabelecidos pela China ou pelas autoridades de Hong Kong.

A rede social TikTok foi além e suspendeu sua aplicação no território. A plataforma, que é popular principalmente entre os jovens, disse que a interrupção completa, que eles decidiram impor devido à imposição de uma lei de segurança nacional recente, levaria vários dias. O TikTok, pertencente ao grupo chinês ByteDance, deve informar seus usuários e anunciantes com antecedência.

A ferramenta, conhecida por seus vídeos leves e engraçados, tinha 800 milhões de usuários em janeiro, segundo dados do DataReportal. Muitas vezes, ele precisa se defender de seus laços com a China, onde a sede do grupo tem um aplicativo diferente, mas com um nome diferente. A TikTok sempre negou compartilhar seus dados com as autoridades chinesas e disse que não tem intenção de aceitar tais solicitações.

Quatro plataformas globais disseram que suas equipes estão examinando a controversa nova lei.

Irmão mais velho chinês

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, condenou a censura chinesa a ativistas, escolas e bibliotecas de Hong Kong e chamou a resolução chinesa de “orwellian” em uma chamada de 1984 para Georges Orwell, do Big Brother. Funcionários do território semi-autônomo da China, o principal centro financeiro do mundo, ordenaram a retirada dos livros atualmente disponíveis para revisão sob uma nova lei de segurança.

O texto aprovado na semana passada criminaliza opiniões como exigências de independência ou autonomia. Algumas livrarias de Hong Kong já anunciaram que estão retirando títulos de ativistas democratas.

“O Partido Comunista da China (PCC) continua destruindo Hong Kong livre”, afirmou Pompeo. Sob a “repressiva Lei de Segurança Nacional, as autoridades locais – na etapa orwelliana – agora estabeleceram um serviço público central nacional, começaram a remover livros críticos sobre o PCC das prateleiras, proibiram slogans políticos e exigiram que as escolas aplicassem censura”, afirmou. .

O chefe da diplomacia americana disse que estava “roubando os direitos e liberdades do povo de Hong Kong”. “Até agora, Hong Kong progrediu porque a liberdade de expressão e pensamento é permitida sob regras independentes da lei”, disse ele.

Carrie Lam ameaça e convence

A CEO de Hong Kong, Carrie Lam, que está perto de Pequim, defendeu a nova lei na terça-feira. Houve ameaça e persuasão durante a conferência de imprensa.

Carrie Lam garantiu que o texto, que ela diz permitir a restauração da estabilidade no território, será “aplicado vigorosamente”. Ela alertou os ativistas “radicais” para “não cruzarem a linha vermelha porque as consequências de violar a lei são muito sérias”.

A ex-colônia britânica foi devolvida à China em 1997, com a condição de garantir à população liberdades individuais e coletivas. Ao contrário do resto do país, Hong Kong tem acesso ilimitado à Internet. A nova legislação aprovada pelo parlamento chinês abre caminho para mudanças radicais e uma potencial mudança autoritária.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero