Janeiro 21, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Um sistema de PF que coleta dados criminais de todo o país pode ser aprovado nesta semana e custará cerca de US $ 90 milhões – 27/07/2020. – Painel

Um sistema de PF que coleta dados criminais de todo o país pode ser aprovado nesta semana e custará cerca de US $ 90 milhões - 27/07/2020. - Painel

Todos juntos Nesta semana, o Departamento de Justiça quer aprovar um projeto da Polícia Federal que coletará dados criminais de todo o estado em um só lugar. Atualmente, 27 bancos de dados estão nas mãos de estados e não se comunicam. Apenas alguns estão interconectados com a PF, dificultando a identificação dos responsáveis ​​pelos crimes. A proposta em cima da mesa custará cerca de US $ 90 milhões em cofres públicos, que devem ser pagos pelo Fundo Nacional de Segurança Pública.

separado Atualmente, a PF trabalha com uma base que tem cerca de 23 milhões de pessoas registradas (passaportes, crimes, registros de armas, etc.). O novo sistema permite atingir até 200 milhões, ou seja, toda a população brasileira.

Power Point Batizado de Abis (Sistema Automatizado de Identificação Biométrica), o projeto foi levado pela Polícia Federal à Senasp (Secretaria Estadual de Segurança Pública) do Ministério da Justiça, que assumiu a ideia. Uma apresentação aos secretários de Estado será realizada nesta terça-feira (28). O ministro André Mendonça deve participar.

Din din Nesta quinta-feira (30), a administração do Fundo Nacional de Segurança Pública deve analisar e aprovar a proposta, pois isso custará a implantação do sistema. Em seguida, o procedimento é para Mendonçi, que precisa ratificar a decisão da agência.

Velho A idéia de integrar bancos de dados tem pelo menos dez anos, mas nunca veio à tona. Desta vez será diferente, diz o presidente da faculdade de secretários de Estado, Cristiano Sampaio. Segundo ele, o engajamento das agências deu peso ao projeto.

COM Mariana Carneiro, Guilherme Seto e Nathalia Garcia

TIROTEIO

A epidemia chega a 5 meses no Brasil. Está se tornando cada vez mais difícil assumir que ainda existe um trabalhador da saúde

Daniel Dourado, médico e pesquisador da USP, sobre a postura do presidente em uma pandemia que matou mais de 87.000 pessoas no país