Turno Zero

Notícias Completas mundo

Uma viagem de barco em Xing mudou a vida de uma modelo e enfermeira indígena – 28.07.2020

Uma viagem de barco em Xing mudou a vida de uma modelo e enfermeira indígena – 28.07.2020

Há dois anos, a modelo Aline Weber pediu para trocar de lugar com um amigo americano durante uma viagem de seis horas a Alto Xing, na cidade de Mato Grosso. A idéia era estar perto de um garoto tímido, 28 anos, nascido em uma cultura antiga e diferente de tudo o que uma modelo de 31 anos conhecia em viagens ao redor do mundo. “Posso trocar de lugar?”, Ele disse. O navio era pequeno. O pôr do sol tornou o céu laranja e os dois podiam duvidar do que aconteceria.

Em outubro de 2019, Aline e Pygma estão noivas. O pedido ficou online: ele estava no país natal do Xingu. Ela está nos Estados Unidos, onde morou por 13 anos, até voltar ao Brasil no final do ano passado. “Metade das minhas coisas ainda está em Nova York”, diz ele.

Pygma nasceu, cresceu e trabalhou por dois anos como técnico para enfermeiros em Xing. Em 2020, ele era funcionário temporário de um hospital em São Paulo durante uma pandemia, mas ficou desempregado após a rescisão do contrato. Então ele voltou como voluntário para tentar conter o novo coronavírus em Xing. No entanto, em julho, Pygma perdeu a mãe para a mãe.

Na sexta-feira (24) no país indígena do Xingu, 5 indígenas morreram e cerca de 80 foram infectados, segundo dados do serviço de saúde indígena (Sesai). Com alguns testes, muitas mortes e infecções não contam.

“A maioria deles está no Covid-19. Eu trabalhei sozinho para tentar ajudar, mas é difícil”, diz Xinguano. “Não há médicos, nem enfermeiros. Portanto, é muito sério”, conclui o modelo. A situação piorou em várias comunidades indígenas com altos índices de poluição na Amazônia legal, como mostra relatórios no local do New York Times.

Para combater o novo coronavírus entre as pessoas do Xingu, o modelo quer arrecadar fundos para a comunidade, combinando o impacto das passarelas com a experiência de campo (e vida) do noivo.

Um novo olhar sobre a apropriação cultural

Aline era uma “turista” clássica até conhecer Pigmeu. Ele sabia dos nativos o que ganhava a vida viajando pela Amazônia e o que aprendeu na escola, mesmo sabendo que a “descoberta do Brasil” era uma mentira.

Em Xing, o modelo demonstrou desconfiança ao conhecer cerimônias que ocorreram antes da chegada de portugueses e espanhóis, como a luta tradicional Huka-Huka, ao verificar a vitalidade dos jovens atletas e o coçar, um cão com dentes de peixe que causa sangramento e reduz a inflamação, segundo a tradição Xingu.

Aline Weber, uma top model, foi capa de revistas e estrela de campanhas publicitárias em todo o mundo

Imagem: Reprodução

As frutas, cores e imagens indígenas já lhe eram familiares e eram bem utilizadas pelos brancos como adereços na publicidade e na moda. O sindicato ocorre no momento em que o debate sobre a apropriação da cultura vem se fortalecendo há vários anos. E ela sabe disso.

“Nos últimos dois anos, comecei a prestar atenção e incomodar [com o uso elementos indígenas]”Não digo penas porque amo muito os animais”, diz Aline. Mesmo que às vezes eu use couro no trabalho, não sou a favor de usar penas e coisas assim. “

Para Aline, é necessário investir e se conectar com os povos locais antes de fazer e vender ornamentos indígenas. “Estávamos no mercado hoje em dia e tínhamos um produto com algo sobre os índios. Até pensei: eles estão pagando alguma coisa? [para eles]? É uma responsabilidade “, diz ele. Pygma diz que não se esforça muito, até se divertir. Depende”, resume ele.

Aline trabalhou para marcas como Louis Vuitton, Prada, Chanel, Balmain, Saint Laurent, Stella McCartney, Dolce & Gabbana, etc. Em Xing, ela conhecia um nome pouco falado entre o ciclo Paris-Milão-Nova York ou em Santa Catarina, onde deu à luz: “kuarup”, festival dos mortos. Um ritual fúnebre após o enterro e no qual adolescentes, prisioneiros do resto da vila quando entram na puberdade, se apresentam ao resto dos nativos. Durante a celebração, Alina e Pygma trocaram suas primeiras opiniões.

Aparentemente, a aparição de um longo tempo depois de uma indiana com uma noiva loira em uma top model da capa da revista gerou comentários – incluindo racistas. “Ouvi dizer: ‘Infelizmente, você trabalhou tanto! Por que você está com os povos indígenas?’. Sinto-me um pouco zangado com o fato de as pessoas aprenderem mais, mas a maioria delas sempre foi um grande apoio”, diz o modelo.

.js">

“Às vezes eles dizem: você não vê nada, eles têm um modelo. Mas as pessoas precisam aprender com os nativos e com os brancos”, acrescenta Pigma.

O modelo conseguiu. Ele o levou em uma viagem pelo país e o apresentou a menus como camarão bobó, moqueco (ele não gostou), edifícios incríveis nas grandes cidades (o que o deixou surpreso), sotaques diferentes (ele ficou surpreso) e o núcleo da moda brasileira )

Troca de experiências

Quando criança, Pigma se lembra de não deixar o pé do primeiro homem branco que conheceu em Xing, com a curiosidade infantil que compartilhava com outras crianças sobre o estranho. Não foi um encontro incomum. O país indígena do Xingu é a primeira grande área delimitada pelo governo federal em 1961, com mais de 7.000 populações indígenas de 16 nacionalidades, e é uma das mais populares por causa do compatriota branco de 1965 Orlando Villas Bôas, diretor da reserva.

A história dos xinguanos é marcada por doenças como sarampo, tuberculose e malária nas décadas de 60 e 70. A história das Villas Bôas ganhou importância graças ao convite, no horário habitual, a Robert Baruzzi, professor do Escoli Paulista de Medicina, para imunizar e dar acompanhamento clínico aos nativos de Xing.

Novo coronavírus ameaça Xing

O novo coronavírus é outra dessas ameaças à saúde e forçou a realocação de líderes indígenas do Xingu para a UTI nas principais cidades. Presidente Jair Bolsonaro (sem partido), no entanto, recusou-se a obrigar o governo federal a garantir água potável, leitos de emergência, UTIs, a compra de ventiladores e oxigenadores de sangue.

“Esse sentimento de desespero e ansiedade, a súbita perda de pessoas próximas a nós devido a um vírus desconhecido que está se espalhando e matando rapidamente, tem sido experimentado pelos nativos desde a chegada dos primeiros europeus e suas doenças”, disse a médica sanitária e mestre em antropologia Sofia Mendonça, coordenadora do projeto do Xingu. UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), que atua em uma área indígena no norte de Mato Grosso, em entrevista à Eco.

Weber conhecia os rituais que existiam antes mesmo da chegada dos colonizadores - Reprodução - Reprodução

Weber conhecia os rituais que estavam aqui antes mesmo da chegada dos colonizadores

Imagem: Reprodução

Em junho, Aline participou de uma campanha para promover o leilão de gemas preciosas cujo valor será enviado para a luta contra o Covid-19 entre os povos indígenas.

“Muitas pessoas precisam de remédios. Quando chega, estamos tratando pacientes e é isso”, diz Pigma.

A pandemia os uniu. Fisicamente falando.

Os dois estão em São Paulo em um “test drive”, como ela disse uma vez, antes do casamento.

O motivo é que a conexão estava quase sempre à distância (“com muitos hotéis e muitas viagens por causa do nosso trabalho”, ressalta ela). Para ele, Aline diz que nunca foi tão longe.

Saindo de Nova York, você teve que desembarcar em Brasília, pegar outro ônibus de 15 horas até o município de Canarana e outras seis horas de barco para encontrá-lo. Quando ela termina seu raciocínio, Aline geralmente termina as frases com “certo, moo? “

Pygma concorda – ele geralmente sorri contido quando perguntado sobre a pergunta – e explica por que ele se apaixonou pela mulher que ele pediu para se sentar ao lado dele. “A primeira vez que a vi, eu já gostei dela”, diz ele. “Aprendemos com uma pessoa. Ele tem um gosto diferente, eu tenho o mesmo. Aprendemos e apreciamos coisas que não sabíamos ou sabíamos antes, e agora as apreciamos.”

Vivendo juntos, os dois cultivam uma horta orgânica, cozinham ou começam o jantar através de um aplicativo.

O casamento foi adiado devido à pandemia, mas deve ocorrer no mesmo local em que se conheceram. “Conversamos por cima, ainda nada sério: como fazer isso em Xing?” Ela sugere.

Aprenda como ajudar

Associação Yawalapiti (Awapa)
Banco do Brasil
Agência: 1319-6
Conta: 21983-5
CNPJ: 14.800.891 / 0001-75

Instituto de Pesquisas Ambientais Xingu Ethno – IPEAX
Banco do Brasil
Ag 1319-6
Conta 13.865-7
CNPJ 07.281.382 / 0001-18

Daiana Juli

"Típico viciado em internet. Empreendedor. Leitor. Amante da web. Pensador. Futuro ídolo adolescente. Estudioso de Bacon. Aficionado por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

‘Luta’: documentário mostra batalha legal contra o governo de Trump – 28.07.2020
Previous Post ‘Luta’: documentário mostra batalha legal contra o governo de Trump – 28.07.2020
A maior do mundo, a fintech de Jack Ma despreza a Nasdaq e a anuncia publicamente na China
Next Post A maior do mundo, a fintech de Jack Ma despreza a Nasdaq e a anuncia publicamente na China