Janeiro 19, 2021

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Vacina contra a gripe sim, Covid-19 ″ em breve ″

Vai chover ou Covid, mas há pouca movimentação no posto de saúde de Sete Rios. Na porta, alguns usuários deixam bem claro que não têm pressa em lançar a nova vacina contra a SARS-CoV-2. Por dentro, o responsável por 280 mil usuários acredita que não há necessidade de inventar, em essência, basta seguir o esquema da gripe.

Augusto Barbosa já faleceu há 80 anos, está com uma doença crônica, mas tem mais medo da nova vacina do que do novo vírus, “Eu suspeito, está tudo muito rápido. esse que eu sei que é bom. Eu me vacino todo ano e nem me lembro de pegar um resfriado … ”

Por enquanto, João Ramires também está mais preocupado com a gestão da última tranche da vacina contra a gripe. O director clínico do Agrupamento de Centros de Saúde de Lisboa Norte (Sete Rios, Lumiar, Alvalade e Benfica) não espera grandes surpresas quando chegar a altura de utilizar as novas vacinas para o Covid-19.

“Temos 280 mil usuários, estamos acostumados a vacinar grupos de risco todo ano, com a vacina contra a gripe não será muito diferente”. A princípio, João Ramires acredita que nem será necessário reforçar o número de enfermeiros, poderá ser necessário “desviar temporariamente alguns de actividades menos prioritárias”.

Esses profissionais estão acostumados a ir para casa, tem equipes para unidades de longa permanência e quando os usuários não podem, costumam levar a vacina para casa.

O acompanhamento dos efeitos colaterais segue o mesmo mapa: “os efeitos adversos costumam aparecer na primeira meia hora, os mais graves. E ninguém está vacinado e pronto, as pessoas estão sempre acompanhadas por esse período. Os efeitos a longo prazo costumam ser mais leves e as pessoas também estão em contato ”, diz o médico.

Uma das incógnitas ainda é o número exato de pessoas a serem vacinadas na primeira fase. Pacientes crônicos, como pacientes renais ou com doença pulmonar obstrutiva, podem estar em tratamento no hospital e ainda não está claro onde serão vacinados.

Esse ACES também tem 40 mil usuários sem médico de família, “são pessoas que costumam ser atendidas em consultas extras ou mesmo acompanhadas para tratamentos”, diz o gerente clínico que não será difícil chegar até essas pessoas e vaciná-las, se necessário.

Quanto à chamada dor de cabeça com as condições de distribuição da vacina, João Ramires mantém o mesmo tom sereno, “isto não faz parte das minhas funções, o que vos posso garantir é que não tenho dúvidas de que terei vacinas em condições de administração “.