Novembro 28, 2020

Turno Zero

Notícias Completas mundo

A BOLA – «Francisco Moura é mais prático e objectivo que Trincão e Pedro Neto» (SC Braga)

O BOLA conversou com o treinador que acompanhou o lateral-esquerdo durante oito anos. A guerra do compromisso e todo um flanco «Pode ir muito longe», garante José Carvalho Araújo

Francisco Moura provocou um terramoto no Estádio da Luz. Os dois golos da esquerda de 21 anos abalaram as estruturas defensivas do Benfica e lançaram o SC Braga num triunfo sensacional. Mas, afinal, quem foi este jovem lançado a estrear apenas pela segunda vez na altura por Carlos Carvalhal?

O diamante estava bem guardado pelos guerreiros, tendo sido esculpido nas camadas juvenis do clube desde os 12 anos e finalmente colocado na janela após um paciente trabalho de vários técnicos. Um deles, empenhado na geração de 99 desde os primeiros tempos da academia bracarense. «Acabam de ver mais um resultado do investimento do SC Braga», explica José Carvalho Araújo, 38 anos, actual treinador no Olhanense e que acompanhou Francisco Moura durante quase uma década. «Assistia ao jogo na televisão e parecia que estava a ver as atuações do rapaz. A mesma velocidade, a mesma intensidade, a mesma solidariedade, a mesma técnica … enfim, o mesmo prodígio. Não foi uma surpresa e foi uma felicidade imensa vê-lo jogar assim ”, frisa o treinador.

Aos 12 anos, quando chegou da Academia Lacatoni, Francisco Moura «já era um talento». «Mostrava muita rapidez na execução das suas acções, era tecnicamente muito evoluído, condição que se somava ao facto de ser prática e objectiva, que passava despercebida porque não era exuberante», recupera da memória e levando o ideia até o presente. «Foi já o que se viu frente ao Benfica», confirma José Carvalho Araújo, sentindo que teve um papel importante no destaque que o jogador alcançou. «Chegou a este ponto por si, pelo seu trabalho e talento. Mas não me esqueço das guerras que fiz … Gostava de jogar, mas não era apaixonado. Até o mandei para o balneário em treino na véspera do jogo, por falta de empenho », lembra o treinador, sublinhando que o lateral esquerdo mudou de atitude por volta dos 15 anos.

.js">

«A equipa do satélite do Palmeiras, onde se alinharam Trincão, Reko, Rogério, Rodrigo Lima, Nuno Silva, João Silva e Max, todos eles já a nível profissional, foi colocada à frente de atletas mais velhos um ano e, depois início de tempos difíceis, ele se comprometeu com o trabalho. Moura também mudou, cresceu em maturidade e evoluiu imensamente », recupera José Carvalho Araújo, elogiando o papel dos pais do esquerdista« por reconhecerem que o que se fazia no SC Braga era para o seu bem ».

O caminho de Francisco Moura também sofreu um desvio pelas alturas do sub-23. «Sob a influência de Abel Ferreira, então treinador da equipa mandante, entendemos que devíamos voltar ao terreno. Ele ganhou essa valência. O flanco esquerdo pode ser inteiramente seu ”, afirma o treinador, destacando“ a velocidade e intensidade ”que seu ex-jogador sempre mostrou.“ Além de poder finalizar de forma tremenda, todos os anos fui um dos maiores goleadores ”, afirmou. elogiou, qualidade que José Carvalho Araújo viu reprimida este ano.

«Vi na televisão um jogo em que ele consegue finalizar e opta por passar … Enviei-lhe uma mensagem a perguntar-lhe o que se passou? Eu disse a ele para acreditar … Deve ter sido porque ele ainda não estava confiante. Na Luz, sim, ele fez o que eu sei. Fez muito bem », revela, também não surpreendido, por Francisco Moura só agora a emergir com este meio de comunicação.

«É diferente do Trincão, Barcelona, ​​e Pedro Neto, Wolverhampton. Não é tão exuberante quanto esses ex-colegas ”, define, embasando suas ideias:“ Moura é mais prático e objetivo. Ele tem argumentos para passar por cima dos zagueiros, mas prefere mesa com um companheiro, explodir em profundidade. »

Qual é o destino de Francisco Moura, é a pergunta que todos fazem. José Carvalho Araújo não pode responder a esta pergunta. «É um dos melhores da sua geração, não tenho dúvidas. Dentro de um determinado sistema, será um trunfo. Carlos Carvalhal é atencioso e não tenho dúvidas de que se encaixaria perfeitamente na filosofia de Rúben Amorim », traça o treinador, que prevê:« Moura vai longe! »