Turno Zero

Notícias Completas mundo

A ciência está avançando em resposta às peculiaridades do novo coronavírus

Na primeira vez que deu positivo para Covid-19, em maio, Isabela Matos não sentiu nada. Com uma mãe morando no mesmo apartamento, no bairro das Graças, zona norte do Recife, era o contrário. “Ela teve sintomas, teve diarreia, náusea, um pouco de febre, coriza, tosse, mas deu negativo. Até hoje não sabemos se ela teve coronavírus e se deu falso negativo ou se foi outro vírus ”, lembra. Quatro meses depois, o advogado de 28 anos começou a sentir dores de garganta e dores de cabeça. Ele decidiu fazer um novo RT-PCR, um “swab scan”, que detecta a presença de Sars-Cov-2 com maior precisão. O resultado confirmou seu prognóstico e ela logo perdeu o olfato e o paladar. Tudo bem agora.

Apenas o primeiro parágrafo desta história pode amarrar a cabeça de muitas pessoas. Isabel teve Covid duas vezes? Não é fácil dizer. Em maio, após 14 dias de isolamento, ela fez um teste sorológico para ver se havia desenvolvido imunidade ao novo coronavírus. Foi negativo.

“Consultei o mesmo pneumologista que nos acompanhou pela primeira vez e disse que não havia casos documentados de reinfecção em Pernambuco e que o que poderia ter acontecido é que meu caso era inicialmente falso positivo, embora raro [o RT-PCR dar falso positivo], ou reinfecção pelo fato de eu estar muito leve, com carga viral muito pequena, e meu próprio corpo lutar contra a doença sem a necessidade de criar imunidade ”, diz.

Um caso de reinfecção de Sars-Cov-2 em um homem de 33 anos na China foi confirmado mundialmente. Em outros lugares, incluindo o Brasil, há relatos de pessoas que podem ter sido infectadas mais de uma vez. Esse seria o caso dos dois trabalhadores de saúde pernambucanos, descritos em artigo publicado na última quinta-feira (1º). Porém, sem confirmação.

Danylo Palmeira, especialista em doenças infecciosas dos hospitais Clínicas de Pernambuco (HCP) e Oswaldo Cruz (Huoc), ressalta que ainda é incerto se a resposta imunológica desenvolvida por um indivíduo tem durabilidade suficiente para prevenir novas infecções. “Não podemos dizer que a imunidade contra o novo coronavírus é duradoura e que os anticorpos são neutralizados. Agora eles podem ter a doença, aumentar a produção de anticorpos e com o tempo essa produção diminui ”, explica.

Outra hipótese que pode ser feita em relação ao caso de Isabela é que fragmentos de material genético do vírus existiam no trato respiratório e, mesmo sem causar infecção, foram detectados no exame. “Como temos uma infinidade de vírus respiratórios circulantes, como H1N1, H3N2 e adenovírus, um deles pode infectar você e acidentalmente pegar RT-PCR para coronavírus de uma infecção antiga”, observa o especialista em doenças infecciosas Danylo Palmeira.

Diante de tantas possibilidades, a melhor forma de determinar se ocorreu reinfecção seria o sequenciamento molecular, um teste de análise laboratorial que faz um mapeamento do vírus detectado em um paciente, comparando patógenos encontrados na primeira e na segunda vez em que uma pessoa é diagnosticada. No entanto, esse tipo de procedimento não é feito no tratamento de rotina.

Gradualmente, a ciência avança na busca de respostas para os muitos segredos que cercam o novo coronavírus (ver infográfico). Muitos desses são problemas relacionados à imunidade do corpo e capacidade de reação. Outras variáveis ​​complicadas nesta matemática são, como visto na história de Isabel, a precisão dos testes usados ​​para diagnosticar doenças.

Positivo ou negativo?
Muito se questiona sobre a capacidade que os testes disponíveis no sistema de saúde devem detectar a presença do vírus no organismo. Mas também depende de quando o exame termina. Hoje, existem basicamente dois tipos de testes para Covid-19: testes sorológicos que coletam uma pequena amostra de sangue e RT-PCR que extrai parte da mucosa de um paciente.

“O teste sorológico procura anticorpos IgA, IgM e IgG. Cada vez que nosso corpo entra em contato com uma infecção, ele produz anticorpos, mas isso leva tempo. No caso do coronavírus, em média dez dias, talvez sete. Então, se o tempo de infecção do coronavírus na fase da doença vai até o décimo dia, o anticorpo é mais útil para diagnosticar meu passado, para saber se tive contato com o vírus ”, explica o infectologista Bruno Ishigami, do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc).

O segundo, considerado o “padrão ouro” do Covid-19, detecta partículas do agente infeccioso. “Ou seja, mede a infecção no momento em que ocorre. Para poder rastrear a epidemia, o que funciona é o RT-PCR porque vejo quantos casos ativos eu tenho. Existe uma restrição do Ministério da Saúde para fazer o teste até o sétimo dia dos sintomas. Depois disso, a quantidade de vírus é pequena, provavelmente não vão detectar nada ”, informa.

Segundo o médico Danylo Palmeira, as chances de um teste de RT-PCR dar um resultado falso positivo são baixas, ou seja, acusar a presença do vírus sem uma pessoa infectada. No entanto, a taxa de positividade do teste é de 63%, o que significa uma maior probabilidade de dar resultados falsos negativos.

“Se eu tenho uma pessoa doente, sintomática e faço RT-PCR com a técnica correta, apenas 63% dão positivo. Então, talvez eu tenha uma doença e o meu exame dê negativo ”, diz. Uma explicação para isso, segundo o biólogo e geneticista Ronald Mouri, é que, em alguns casos, o vírus já havia migrado das vias aéreas, onde ocorre a coleta, para outras partes do corpo no momento do exame. “A PCR é a melhor forma, mas a fonte biológica, na qual você está procurando o vírus, está muito relacionada ao estágio da doença em que você se encontra”, pensa.

Isabela Matos, 28, testou positivo para Covid-19 duas vezes0Isabela Matos, 28, testou positivo para Covid-19 duas vezes (Foto: Polidez)

Dengue e fungos
Outro fator que às vezes compromete a precisão dos testes abriu caminho para uma nova linha de pesquisa. Uma possível correlação entre o novo coronavírus e o vírus da dengue está sendo estudada por um grupo de pesquisadores brasileiros.

O estudo, que analisou dados epidemiológicos de 15 países da América Latina, África e Ásia, descobriu que os locais afetados por um grande número de casos de dengue registrados antes do início da Covid-19 tinham uma baixa taxa de infecção por Covid-19. Além disso, desde a chegada do Sars-Cov-2 a esses locais, houve uma queda acentuada no número de notificações da doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti.

.js">

“A explicação mais comumente usada é que essa queda foi subestimada. Mas já foi testado em outras partes do mundo ”, disse o professor e neurocientista Miguel Nicolelis, coordenador da Comissão Científica do Consórcio Nordeste. “Quando estávamos no meio desta análise, descobri um artigo de um grupo israelense que mostra que de 95 amostras de soro de pessoas que tiveram dengue no ano passado, eles encontraram 22 resultados falso-positivos para o novo coronavírus. E também mostraram resultados falsos positivos na direção oposta. Eles tiveram 55 casos de Covid, nos quais mostraram 12 com resultados falsamente positivos para dengue. Além disso, outro grupo de cientistas, que não estava familiarizado com a pesquisa israelense, viu que das 13 amostras de pessoas que tiveram dengue com febre em 2017, cinco deram à Covid um falso positivo.

Com base nessas descobertas, Nicolelis pretende testar se os humanos produzem anticorpos infectados com dengue com uma possível resposta imunológica ao novo coronavírus.

“Eu inventei a hipótese de que poderia haver algum tipo de reação cruzada. E identifiquei proteínas que têm certa semelhança e produzem uma resposta imunogênica nos dois vírus ”, diz. “Agora o que precisamos fazer é usar amostras de pacientes que tiveram dengue e analisá-las extensivamente para obter estatísticas mais fortes.” No entanto, de acordo com o cientista, não foi encontrada correlação com o vírus chikungunya, doença transmitida pela dengue e transmitida pelo Aedes aegypti.

Mosquito Aedes AegyptiKomar Aedes Aegypti, transmissor da dengue (Foto: Wikipedia)

Em meio a tantas hipóteses e ideias, a comunidade científica busca soluções, pelo menos surpreendentes. Na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) há pesquisas que vão no sentido de criar um uma vacina com fungos semelhantes aos usados ​​na produção de pão e cerveja. O estudo, financiado pelo Centro para o Avanço da Equipe de Ensino Superior (Rtovi), deve entrar na fase de testes pré-clínicos em animais no primeiro semestre do próximo ano.

Genética
A pandemia de seis meses não concluiu por que Covid-19 era inofensivo para muitos e extremamente mortal para tantos. Fatores de risco já conhecidos, como doenças pré-existentes e idade, são incapazes de prever quem é mais ou menos vulnerável à infecção. Basta olhar para os casos de jovens e crianças fora desses grupos que desenvolveram síndrome respiratória aguda grave (SARS) ou síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica (SIM-P), alguns dos quais morreram.

Em meio a esse cenário de suspeita, alguns indícios começam a aparecer. Um deles pode estar no material genético de cada um deles. Em estudo publicado no final de setembro, pesquisadores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e do Instituto Materno Infantil Burlo Garofolo, hospital pediátrico de Trieste, na Itália, descobriram formatos específicos – chamados de alelos – do tipo de gene, HLA, e capazes de responder aos Sars. -Cov-2.

O idealizador da pesquisa, o biólogo e geneticista Ronald Moura afirma que essas moléculas, após reconhecerem a proteína do vírus, ativam o sistema imunológico, produzindo uma resposta mais rápida contra a infecção. Mas nem todo mundo tem esse material genético.

“É uma questão evolutiva. Nossa espécie, desde que apareceu no continente africano há mais de 150.000 anos, se espalhou pelo mundo. Como o ser humano se instalou nesses locais, essas pessoas têm maior probabilidade de se reproduzir umas com as outras do que com pessoas de outros lugares. Isso tem levado à diferenciação da composição genética de cada população. A globalização está mudando isso ”, analisa Moura, acrescentando que a mistura, característica do Brasil, pode ajudar a impulsionar o sistema imunológico porque favorece uma diversidade maior de alelos no corpo.

O teste RT-PCR é o mais preciso para diagnosticar Covid-19O teste RT-PCR é o mais preciso para o diagnóstico de Covid-19 (Foto: Cecilia Fabiano / La Presse / DiaEsportivo / Folhapress)

Para identificar os grupos que representam esse perfil imunológico para o novo coronavírus, o geneticista estima que seria necessário realizar testes moleculares semelhantes ao RT-PCR usado hoje para diagnosticar Covid-19. “Essas pessoas teriam maior probabilidade de apresentar sintomas mais leves porque possuem esses alelos”, diz o pesquisador. “O SUS (Sistema Único de Saúde) e a rede privada fazem esse tipo de exame, mas não para o Sars-Cov-2. Para transplante de órgãos e doenças multifatoriais, como diabetes tipo 1, a resposta HLA é extremamente importante. Mas para doenças infecciosas, esse tipo de teste não é comum. O foco principal é saber se uma pessoa tem ou não vírus.

Apesar de prever quem será o mais suscetível, a principal vantagem do teste molecular na aplicação clínica seria fornecer uma avaliação mais precisa de como se desenvolverá o quadro clínico dos pacientes que apresentam sintomas de infecção.

“Saber se este paciente terá uma resposta inicial mais forte ou mais difícil e emitir um sinal de alerta para prevenir a progressão para SARS. Acho que esse tipo de estudo contribui mais nesse sentido do que a prevenção em si, que na verdade é o isolamento social, usar máscara e fazer limpeza ”, afirma.

Vejo você também

Pernambuco acessa 150 mil casos Covid-19

coronavírus

Pernambuco acessa 150 mil casos Covid-19

Com o aumento dos incêndios, Bolsonaro está sob pressão para fundir meio ambiente e agricultura

Meio Ambiente

Com o aumento dos incêndios, Bolsonaro está sob pressão para fundir meio ambiente e agricultura

Gabriel Ana

"Estudante apaixonado. Nerd do Twitter. Viciado em bacon ávido. Desordeiro típico. Pensador. Webaholic. Empreendedor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post A BOLA – «Queremos o tetra e um título europeu»
Next Post O juiz está do lado de Brad Pitt? Tribunal não deu a Angelina Jolie nenhuma razão