A OMS retira o teste para cloroquina no tratamento Covid-19 – 27.05.2020. – equilíbrio e saúde

A OMS (Organização Mundial da Saúde) removeu a cloroquina da lista de medicamentos que serão testados para o tratamento do Covid-19 (uma doença causada por um novo coronavírus) no programa internacional Solidariedade.

Nesta segunda-feira (25), a entidade anunciou a suspensão dos testes de hidroxicloroquina para avaliar a segurança do medicamento. Um estudo com dados de 96.000 pacientes divulgados na sexta-feira mostrou que dois medicamentos, hidroxicloroquina e cloroquina, estavam associados a maior mortalidade.

O uso de ambos os medicamentos está sendo defendido pelo presidente Jair Bolsonaro e, na quarta-feira (20), o Ministério da Saúde alterou o protocolo para permitir que sejam administrados a pacientes com sintomas leves do novo coronavírus. Até então, é permitida a administração de pacientes críticos e doentes graves e a supervisão em hospitais.

No site Solidarity, que listou a cloroquina como um medicamento em teste até a última sexta-feira, a OMS incluiu estrelas com o seguinte aviso: “De acordo com o protocolo original do estudo, a cloroquina e a hidroxicloroquina foram selecionadas como possíveis drogas testadas para solidariedade. No entanto, o estudo foi realizado apenas com hidroxicloroquina; portanto, a cloroquina foi removida deste local como uma opção de tratamento listada no estudo. “

Em entrevista na última quarta-feira (20), a organização citou os dois medicamentos como objeto de um estudo para tratar o Covid-19 sobre solidariedade – um programa internacional coordenado pela organização em 245 hospitais em 18 estados, com cerca de 3.000 pacientes e 885 médicos envolvidos. OMS disse para Folha quem não pode revelar os nomes dos países participantes.

Questionada sobre a possibilidade de reintroduzir a cloroquina no programa após a verificação da hidroxicloroquinina, a organização não respondeu quarta-feira às 20:30.

A Revisão de Dados de Solidariedade é conduzida por uma comissão independente, o DSMC (Conselho de Monitoramento e Segurança de Dados), devido à maneira como o experimento foi projetado: um estudo randomizado, duplo-cego.

Randomizado significa que os pacientes são selecionados aleatoriamente, o que impede o resultado de afetar o viés de seleção. Os participantes foram divididos em dois grupos – um recebendo o medicamento para teste e outro recebendo um placebo (um produto que imita o medicamento, mas é inofensivo).

As características dos participantes foram controladas para isolar posteriormente o efeito da droga de outras causas possíveis.

Duplo-cego significa que nem o paciente nem os pesquisadores sabem quem está tomando o medicamento e quem está tomando o placebo, o que é feito para garantir que não haja distúrbios que possam prejudicar as conclusões do estudo.

O DSMC está revisando dados do estudo de solidariedade com hidroxicloroquinina e de outros estudos em andamento e publicados, e a conclusão deverá ser divulgada em meados de junho.

Os pacientes selecionados para o estudo continuarão a receber hidroxicloroquina até o final do tratamento.

Segundo a OMS, embora a hidroxicloroquina e a cloroquina já sejam produtos licenciados para o tratamento de doenças autoimunes e malária, até o momento eles não demonstraram ser eficazes para pacientes com coronavírus, portanto, devem ser utilizados apenas em testes, sob supervisão.

A organização afirma que “alertou os médicos para recomendar ou aplicar tratamentos não comprovados a pacientes com Covid-19 e alertou as pessoas a se automedicarem com elas

“O potencial existe, mas são necessárias muito mais pesquisas para determinar se os medicamentos antivirais existentes podem ser eficazes”, diz a OMS.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero