A onda de ataques cibernéticos que a Austrália atribui a um ‘país estrangeiro’ – 19.6.2020

O governo e as instituições australianas são alvo de sofisticados ataques cibernéticos realizados “pelo país”, afirmou o primeiro-ministro Scott Morrison, sem identificar a fonte.

Morrison disse que os ataques cibernéticos eram generalizados “em todos os níveis do governo” e direcionados aos principais serviços e empresas.

Ele não identificou um agente estatal específico e disse que não houve grandes violações de informações pessoais.

Os ataques vêm ocorrendo há meses e agora estão aumentando, disse ele.

O primeiro-ministro disse que seu anúncio na sexta-feira (19) tem como objetivo conscientizar o público e instar as empresas a melhorar suas defesas.

Mas ele ressaltou que essa atividade “maliciosa” também é vista globalmente, o que significa que não é exclusivamente para a Austrália.

Quem segmentou?

Morrison não mencionou casos específicos, mas disse que os ataques envolveram “governo, indústria, organizações políticas, educação, saúde, prestadores de serviços básicos e outros operadores críticos de infraestrutura”.

Ele não deu mais detalhes. Os fabricantes de produtos de defesa e outras empresas que prestam serviços ao governo estavam entre os que haviam relatado violações de dados anteriormente.

No ano passado, a Universidade Nacional da Austrália afirmou que foi atingida por uma operação sofisticada que acessava detalhes sobre funcionários e estudantes.

No início de 2019, os principais partidos políticos da Austrália e o Parlamento foram atingidos por uma “invasão maliciosa” que também é atribuída a um “sofisticado agente estatal”.

Quem está por trás disso?

Falando na sexta-feira, Morrison disse que as autoridades identificaram o ataque como uma invasão de hackers do estado “por causa da escala, natureza do direcionamento e da plataforma usada”.

“Não há um grande número de agentes estatais capazes de realizar esse tipo de atividade”, disse ele, sem dar detalhes.

Solicitado a identificar o país, Morrison disse que não daria nenhuma atribuição pública.

Os especialistas em inteligência cibernética há muito vinculam vários ataques de hackers australianos à China.

Eles dizem que a China é um dos poucos países, juntamente com Rússia, Irã e Coréia do Norte, que tem capacidade para tais ataques – e não são aliados da Austrália. Eles também observam que a espionagem cibernética entre países e até entre aliados é comum.

“Sempre há tensões entre a Rússia e a China. Estes são os principais agentes que eles têm [a Austrália] eles se refeririam ”, disse à BBC o especialista em segurança cibernética Joshua Kennedy-White.

A Reuters informou que as agências de inteligência australianas suspeitavam que a China havia invadido o Parlamento em 2019. O governo australiano se recusou a comentar.

Para o correspondente da BBC News na Austrália, Shaima Khalil, a relação entre China e Austrália ficou tensa nos últimos anos, mas se deteriorou significativamente depois que a Austrália apoiou os Estados Unidos ao pedir uma investigação sobre a origem do coronavírus, descoberta pela primeira vez na China no final do ano passado.

Desde então, a China impôs tarifas à cevada australiana, interrompeu a importação de carne bovina e alertou cidadãos e estudantes chineses sobre os riscos de viajar para a Austrália devido ao turismo ou educação devido a incidentes racistas.

A Austrália também aumentou sua retórica. Na semana passada, Morrison disse que não cederia à “coerção” de Pequim.

Na opinião de Khalil, é difícil ter 100% de certeza de que a China está por trás do ataque, mas o que se sabe é que a Austrália escolheu um momento em que seu relacionamento com seu poderoso parceiro comercial está em uma situação ruim para anunciar publicamente que está sob ataque cibernético por um “estado poderoso”. .

O que Morrison perguntou à população?

O primeiro-ministro disse que as empresas – principalmente infraestrutura de saúde e prestadores de serviços – devem melhorar sua defesa técnica.

As agências de defesa cibernética frustraram “muitas” tentativas de hackers, mas a proteção exige “persistência persistente e aplicação da lei”, acrescentou.

“Hoje, fizemos essa pergunta não para causar preocupação pública, mas para aumentar a conscientização”, disse Morrison.

“Nós sabemos o que está acontecendo. Estamos investigando, mas é uma tarefa diária.”

Principais ataques cibernéticos na Austrália

2020: Incidentes foram relatados em grandes empresas australianas, incluindo a siderúrgica BlueScope, a empresa de logística Toll Group e a agência estatal de serviços New South Wales

Junho 2019: A Universidade Nacional da Austrália revelou que um grupo “altamente profissional” de até 15 hackers obteve acesso a detalhes sobre estudantes e funcionários, além de pesquisas acadêmicas, durante cerca de seis meses

Fevereiro 2019: Rede de computadores do parlamento e partido político na Austrália alvo de ataques de “atores estatais”

2017: Dados sobre caças e navios da Marinha roubados do provedor de serviços do governo australiano

2015: Espiões estrangeiros atacaram o Departamento Australiano de Meteorologia

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

TURNOZERO.COM PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Turno Zero