A ordenança que demitiu a cabeça do Ibama é do mesmo dia que a mensagem de Bolsonar – Rubens Valente

Embora publicado em 30 de abril, o decreto do ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) de liberar o cargo, o chefe das operações de inspeção do Ibama em Brasília esteve no mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro reclamou ao então ministro da Justiça, Sérgio Moro, sobre a ação de inspeção do Ibama. O recurso foi apresentado na manhã de 22 de abril às 20:01. Também é o mesmo dia da reunião ministerial, que começou às 22h.

Na mensagem, que agora faz parte de um processo investigativo que está sendo processado pelo Supremo Tribunal Federal para investigar os apelos de Moro, Bolsonaro reclamou da ação de vigilância, que ele disse ser da Força Nacional, Funai e Ibama. Ele escreveu ao então ministro Morrow: “Forças nacionais, Ibama e Funai … As coisas me chegam através de terceiros … Eu não vou decepcioná-lo …”

A mensagem de Bolsonar a Moro foi enviada às 20:01. O então ministro conduziu as investigações, tentou excluir seu portfólio de participação e explicou que a queima do equipamento foi atribuída ao Ibama e não à Funai ou às Forças Nacionais. A última das mensagens que Moro enviou a Bolsonar foi às 9:32.

No mesmo dia, o ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) assinou o Regulamento nº 211, pelo qual Renê Luiz de Oliveira, funcionário experiente, renunciou ao cargo de Coordenador Geral da Coordenação Geral de Inspeção Ambiental da Diretoria de Proteção Ambiental. do Ibama.

O decreto não será publicado no Diário Oficial até 30 de abril, juntamente com a demissão de Hugo Ferreira Loss, coordenador de operações de inspeção da agência, assinado pela Presidência do Ibama. Ambos foram autorizados e agiram em uma operação para remover mineiros e ocupantes das terras indígenas do sul de Paris, na segunda quinzena de abril, alguns dias antes do apelo bolsonar. Uma reportagem sobre o assunto foi exibida na TV Globo Fantástico.

Juntamente com a reclamação de Morrow, Bolsonaro enviou dois vídeos nos quais lida com a operação de inspeção no Ibama. A coluna não teve acesso aos vídeos, mas as imagens que acompanham um deles indicam que foram filmadas por um garimpeiro ilegal no sul de Paris que se queixou da queima de uma retroescavadeira encontrada pela inspeção do Ibama em um país natal de Paris. equipamentos usados ​​em violação da proteção ambiental.

A operação do Ibama em países indígenas no sul de Paris, como Apyterewa e Trincheiro-Bacaj, teve como objetivo expulsar os ocupantes e impedir a poluição da vila com novos coronavírus.

Bolsonaro – que veio trabalhar em um garimpo na Bahia na década de 1980, na companhia de outros soldados e cujo pai também era mineiro de ouro – já se queixou várias vezes sobre a queima de equipamentos, uma queixa frequente de pesquisadores e políticos da Amazônia que apóiam Bolsonaro.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero