A reunião em Bolsonar assustou Moro e houve uma dica do presidente

A reunião ministerial de 22 de abril, na qual o ministro Celso de Mello, STF, relator da investigação que investigava a suposta interferência presidencial na Polícia Federal, retirou o segredo hoje, mostrou um canto e atacou Sergio Moro – às vezes diretamente, às vezes secretamente – presidente Jair Bolsonaro (sem festa).

O ex-ministro da Justiça disse que o acesso ao vídeo da reunião ministerial confirmaria seu testemunho da polícia federal, no qual acusou o presidente de tentar interferir nas investigações da corporação.

O acesso ao vídeo da reunião ministerial de 22 de abril confirma o conteúdo do meu testemunho sobre a interferência na Polícia Federal, motivo pelo qual deixei o governo. Defendo respeitosamente a divulgação do vídeo, de preferência na íntegra, para que os fatos sejam confirmados.

– Sergio Moro (@SF_Moro) 13 de maio de 2020

A reunião contou com trechos nos quais o presidente diz que deseja trocar membros de “segurança”, depois de citar a falta de informações vindas da PF, o que implica que ele poderia se relacionar com sua proteção pessoal e a proteção de sua família, mas depois acrescentou quem não esperaria ver amigos de nenhuma maneira.

Bolsonaro reclamou que o Ministério da Justiça e a Polícia Federal não o informaram como ele gostaria.

O primeiro ministro designado disse que alguns ministros não apoiariam claramente suas diretrizes, tirando proveito de ganhos pessoais e culpando o presidente por quaisquer erros de direção. Ele citou os primeiros aliados de Mor, como Álvaro Dias, e parte da imprensa – como a página “Sobre o antagonista” – mais alinhada com o ex-juiz federal.

Ele também atacou aqueles que se opõem às armas da população – a cientista política indicada por Moro, Ilona Szabó, para uma das posições alternativas no Conselho de Política Criminal, um atacante anti-armadura, vetado por Boltonaro.

Moro teve apenas um discurso durante a reunião, interrompido três vezes. Sua atuação foi tímida – ele elogiou o plano pró-brasileiro, o ministro da Casa Civil, Braga Netto, e as conquistas da justiça e segurança pública.

Leia as passagens (leia toda a reunião aqui):

“Eu vou interferir em todos os ministérios”

Não vou esperar o barco começar a afundar para tirar água. Eu desenho água e continuarei a tirar água de todos os ministérios a esse respeito. A pessoa deve entender isso. Se você não quer entender, paciência, adicione! E eu tenho o poder e vou intervir em todos os ministérios, sem exceção. Eu falo com Paul Guedes nos bancos, se tiver que interferir. Eu nunca tive um problema com ele, nenhum problema com Paul Guedes. Agora os outros, eu vou! Não posso me surpreender com as notícias. Deus, eu tenho um PF que não me dá informações. “

Moro cita a exceção como o pedido do presidente de interferir na Polícia Federal. Bolsonaro cita ainda ações contra sua família – seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), é alvo de uma investigação no Rio.

Mas isso me bate mal o tempo todo, mexendo com minha família. Tentei mudar oficialmente as pessoas da nossa segurança no Rio de Janeiro e não consegui! E acabou. Não vou esperar para foder toda a minha família, vagabunda ou meus amigos, porque não posso mudar alguém de seguro no final da linha que pertence à nossa estrutura. Vai mudar! Se você não pode mudar, mude o chefe! Você não pode mudar o chefe dele? Mude o ministro! E o período! Não estamos aqui para brincar.

“Tire sua cabeça do forro”

Você precisa se preocupar com a questão política, e quem tem o direito, droga, tira a cabeça dele! Ele não fica constante na sala de estar! ‘Estou bem, cuido da minha imagem, a foto está aqui, sou fofa e o resto vai explodir’. Não! Você tem que fazer sua parte. “

Bolsonaro ficou irritado com a preservação da pintura de Sergio Moro. O presidente não o viu comprometido com o governo.

Muitas pessoas que falam muito melhor que eu e têm muito mais conhecimento que eu, têm que falar, caramba! Discretamente, mas você precisa conversar, para não deixar a temperatura subir, porque ela sempre me bate.

“Pins”

É errado os relatos do ministério; ‘isso é besteira?’ no colo do presidente. Não pode ser assim. Hoje vi Magno Malta me defender. Magno Malta, desculpe, eles foram tratados lá em baixo, por vícios. Então ele decidiu que não seria, ok. Então eles o trataram como um ministro, ok. Agora, politicamente, ele nunca me deu um alfinete. “

Moro não apoiou a posição de Bolsonar de priorizar a economia em meio a um isolamento vertical e pandêmico, com idade e grupos de risco, contra o Covid-19.

REUNIÕES DE VÍDEO DE UMA UNIÃO BOLSONARO

1 1 | 10

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero