A violência doméstica também existe entre casais gays; entendemos – 16.06.2020

O sociólogo João Paulo Cavalcanti, 32, tinha 23 anos quando foi espancado por um garoto que o trancou em casa durante um surto de ciúmes. “Nós já estávamos lutando com lutas motivadas por ciúmes e possessividade da parte dele. Até que um dia ele explodiu e me bateu. Então eu pensei que ele ia me matar porque estava muito chateado. Virei um ataque de asma e abri a porta. E eu Eu fugi ”, ele diz.

“Mas eu só conseguia falar sobre o que aconteceu depois de sete anos e após a terapia. Eu tinha vergonha de dizer que era gay, então nem pensei em me reportar à delegacia. Eu também tinha vergonha de ser homem.” e no que eles me espancaram. Pensei em compilar um boletim de ocorrência e ouvir algo como “o viado que ele pegou”, diz ele.

Embora o termo violência doméstica geralmente se refira a casais heterossexuais, a agressão sofrida por Cavalcanti também pode ser considerada violência doméstica, especialistas que ouviram Universa, uma vez que havia um relacionamento íntimo entre os dois. Isso também pode ser enquadrado pela lei Maria da Penha, como já aconteceu em algumas decisões judiciais brasileiras, mesmo que no texto da lei a vítima seja tratada como mulher.

Em sua decisão mais recente, em agosto de 2019, um juiz da Quarta Vara da Família em Belo Horizonte concedeu uma medida protetora à vítima de agressão, impedindo que seu ex-companheiro se aproximasse dele. “A lei fala sobre relações íntimas de afeto, por isso inclui homossexuais. Por mais que se refira à violência doméstica entre casais heterossexuais, ela também existe entre homens homossexuais. E que a jurisprudência da lei de Maria da Penha já existe. solicite uma medida protetora, embora haja poucos casos ”, explica a advogada Maria Berenice Dias, vice-presidente nacional do IBDFAM (Instituto Brasileiro de Direito de Família) e autora de livros sobre direito homoafetivo.

Mais frequentemente do que você pensa

O coordenador do Centro de Defesa da Diversidade e Igualdade Racial da Defensoria Pública de São Paulo, Vinicius Silva, diz que essa situação “acontece com muito mais frequência do que as pessoas imaginam”. Em sua essência, ele diz que recebe vários desses casos, mas não os consegue porque funciona remotamente em uma pandemia. “Muitos vêm para o Dial 100 [serviço do governo federal de denúncias de violações de direitos humanos] e por email. Antes do isolamento, as vítimas estavam nos procurando pessoalmente “, diz ele.

“As pessoas não acham que as pessoas LGBT podem ser violentas com seus parceiros porque já é um grupo muito estigmatizado. Mas é uma realidade muito comum porque, devido à sociedade em que crescemos, acabamos seguindo padrões de masculinidade, valores como ter um parceiro que cria entre casais do mesmo sexo ”, diz ele.

Vinicius acredita que, apesar da seriedade de tal agressão e do fato de poder ser considerada violência doméstica, os gays que passam por tais situações devem buscar outros mecanismos legais, em vez da lei de Maria da Penha. “A idéia é continuar usando essa lei em homenagem às mulheres que lutam, para impedir a exclusão de suas demandas”, diz ele. “No entanto, a vítima não ficaria desamparada: existem leis gerais no Código de Processo Penal que fornecem informações sobre a situação e podem até exigir a remoção do agressor”.

As pessoas LGBT têm dificuldade em reconhecer a agressão de colegas

O advogado Luanda Pires, membro da Comissão de Diversidade Sexual da OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil) e especialista em direito sexual e homoafetivo, diz que as próprias vítimas muitas vezes têm dificuldade em se reconhecer como situações de violência doméstica.

“Os casais que vivem nessa situação dizem que demoram muito tempo para admitir, porque não esperam que uma pessoa que também tenha sofrido homofobia e que já tenha sido vítima de agressão ou insulto realize essas ações com um parceiro”, explica ele.

Ela ressalta que, entre as lésbicas, a proteção da lei é mais explícita para essas situações, mas que os homossexuais também são legalmente protegidos. “É importante que as pessoas entendam que todo mundo, independentemente da orientação sexual, está sujeito a passar por isso. Mesmo como vítima, como agressor ou agressor, porque mesmo que eles tenham uma compreensão dos direitos humanos, raça, gênero, as pessoas vêm de estas construções sociais sexistas e acreditam que nos relacionamentos sempre há alguém com mais poder ou que pode se sentir ‘possuído’ pela outra pessoa ”, diz Luanda.

“E enfatizo a importância de observar o comportamento de um parceiro, desde pequenas agressões a um relacionamento violento”, alerta. “Se uma pessoa diz coisas que o ofendem, começa a xingar ou faz você se sentir mal, já é um caso de procurar ajuda: pesquise na Internet, procure uma rede de suporte ou coletivos relacionados à causa do LGBTQIA +. Portanto, essa violência é reconhecida mais rapidamente e podemos impedir agressão física “.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero