Após a decisão da Suprema Corte, Aras se prepara para enviar uma equipe para coletar dados de Lava Jato – 10.7.2020. – Poder

Nos próximos dias, a PGR (Procuradoria do Estado) enviará representantes ao Rio de Janeiro, Curitiba e São Paulo para coletar dados sobre investigações de grupos de trabalho locais da Lava Jato.

A medida será tomada com base em decisão nesta quinta-feira (9) do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Diaz Toffoli, que ordenou a troca direta de informações com grupos de investigadores.

Visitarão grupos de trabalho constituídos pela Secretaria de Especialização, Pesquisa e Análise (SPPEA) – um órgão afiliado ao Ministério Público, Augusto Aras, cuja função é fornecer várias instâncias do MEF (Ministério Público Federal) com soluções tecnológicas de pesquisa.

Uma vez que o objetivo do PGR, após a obtenção dos dados, é descobrir se os grupos de trabalho usam seu próprio sistema de informação, não relacionado ao secretariado e, portanto, o conteúdo inacessível ao organismo como um todo.

Essa eventual conclusão, segundo os interlocutores de Aras, poderia criar uma solicitação dos membros do grupo de trabalho para buscar responsabilidade.

Outro ponto a analisar, sujeito a ação disciplinar, é se os promotores investigaram, em primeira instância, a possível ilegalidade de um órgão com jurisdição especial perante o Supremo Tribunal Federal, usurpando a jurisdição do PGR – o único que, com a aprovação do tribunal, pode conduzir tais investigações criminais.

Esse aspecto já foi resolvido em processos abertos pelo Conselho Nacional do Ministério de Relações Públicas (CNMP), a pedido da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O PGR fornecerá as informações dentro de 15 dias após o procedimento. Até então, a agência já pretende ter informações sobre grupos de trabalho em mãos.

Os promotores da República de Lava Jato negam ter invadido as atividades de Aras.

Os grupos de trabalho da Lava Jato em Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro anunciaram que recorrerão da decisão do presidente do STF. Os promotores disseram que seguiriam a ordem, mas a classificaram como “inexequível” e alegaram que o ministro começou com uma “suposição falsa”.

A ANPR (Associação Nacional dos Procuradores do Estado) também está analisando o caso para uma possível ação legal.

Como você previu FolhaToffoli aprovou nesta quinta-feira (9) uma proibição preliminar solicitada pelo procurador-geral adjunto da República, Humberto Jacques de Medeiros, e ordenou aos grupos de trabalho que forneçam à PGR “todos os bancos de dados estruturados e não estruturados, utilizados e obtidos em suas investigações”.

Isso inclui, por exemplo, todas as informações que Curitiba coletou em operações contra empreiteiros ou do escritório de advocacia panamenho Mossack Fonseca – que abriu investigações para investigadores.

O pedido de Toffoli se aplica não apenas aos dados atualmente mantidos por Lava Jato nos três estados, mas também aos obtidos no passado e aos que serão coletados no futuro.

Embora destinada a grupos de trabalho, a proibição estabelece um precedente que deve ser seguido por qualquer órgão do MoEF no país.

Em um pedido a Toffoli, o procurador-geral adjunto informou o Supremo que o PGR enfrentava “resistência ao compartilhamento e supervisão de informações” pelos promotores.

Ele também informou que há suspeita de que Lava Jato nos estados esteja contornando a lei para investigar os prefeitos Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Senado Davi Alcolumbre DEM-AP) que têm um fórum especial e devem ter suspeitas apresentadas para análise inicial do tribunal.

Ao tomar uma decisão favorável à PGR, Toffoli enfatizou que a posição da Lava Jato viola o princípio de unidade do Ministério Público, que tem um chefe administrativo (no caso Aras), exceto que isso poderia prejudicar a jurisdição do Supremo Tribunal para supervisionar investigações relacionadas às autoridades competentes.

“Eu já expressei o entendimento de que o Ministério Público – apesar de desperdiçar seus poderes em diferentes órgãos – é uma instituição nacional única com uma essência indivisível e, como tal, tem um órgão central que é o Procurador Geral da República”, escreveu ele.

“Portanto, a necessidade de estabelecer uma troca institucional direta de informações é incontestável, a fim de dar ao Procurador-Geral a oportunidade de examinar em detalhes o banco de dados de dados estruturados e não estruturados coletados em investigações da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná. , para que Sua Excelência possa ter certeza de que há investigações sobre as autoridades com um fórum prerrogativo “, continuou ele.

A decisão foi tomada por Toffoli porque, como presidente, ele é responsável perante o tribunal durante seu dever judicial, que é adiado até 31. O julgamento é confidencial e, por Lava Jato, o jornalista de caso é o ministro Edson Fachin.

A ordem pode ser revisada pelo próprio Fachin e na sessão plenária do tribunal, mas, se isso acontecer, deve ser no próximo mês, quando as atividades continuarão. Em geral, as decisões monocráticas dos ministros são submetidas à sessão plenária do Supremo.

Um caso que se oponha aos grupos de trabalho da PGR pode provocar uma discussão no STF sobre os limites de autoridade dos grupos de trabalho do MEF.

A disputa entre a cúpula da Procuradoria Estadual e o grupo de trabalho de primeira instância tornou-se pública após uma visita a Curitiba no final de junho pela subsidiária de Lindor Araújo, coordenadora de Leo Jato na PGR e um dos principais assessores de Aras.

Os promotores acusaram-na de tentar manobrar para obter acesso a bancos secretos informalmente e sem mostrar documentos ou justificar tal ação. A queixa foi enviada ao Departamento de Assuntos Internos do MoEF. Posteriormente, a PGR recorreu ao Supremo Tribunal.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero