Turno Zero

Notícias Completas mundo

As consultas psiquiátricas têm aumentado em Portugal, ao contrário de outros países – Notícias

Levantamento divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) no Dia Mundial da Saúde Mental, que ocorre no dia 10 de outubro, revela que a pandemia covid-19 interrompeu ou suspendeu serviços essenciais de saúde mental em 93% dos países do mundo. mundo, em um momento em que a demanda por esses cuidados de saúde é crescente.

Para o diretor do Programa Nacional de Saúde Mental (PNSM), Miguel Xavier, o estudo indica que aconteceu na área da saúde mental o que aconteceu na maioria das especialidades médicas onde houve uma diminuição na prestação de cuidados associados à pandemia.

“Ao contrário de outros países, em Portugal nos primeiros meses do ano, vários deles já em situação de pandemia, o número de consultas em psiquiatria e psiquiatria da infância e adolescência não diminuiu, aumentou”, observou o psiquiatra, acrescentando que houve “atendimento expresso” para que não haja interrupção do atendimento aos pacientes que são acompanhados em serviços psiquiátricos.

A este respeito, ele lembrou a regra da Direcção-Geral da Saúde relacionada com hospitalizações de pacientes covid-19 que alertava para a necessidade de os serviços psiquiátricos permanecerem como estavam para responder ao que as autoridades de saúde pensavam “seria o aumento das necessidades da população “

“Isso resultou tanto que o número de consultas aumentou em relação ao ano passado”, frisou, referindo que a população que não é acompanhada em serviços psiquiátricos, mas que teve durante a fase pandêmica sofrimento psíquico, sintomas de depressão, ansiedade, insônia, foi seguido em centros de saúde.

“Se me perguntam se a resposta de Portugal foi suficiente para aumentar as necessidades (…) em relação à atenção primária, não posso dar-lhe uma resposta completa”, disse Miguel Xavier, acrescentando que esta resposta será conhecida dentro de alguns meses.

Para Miguel Xavier, “o mais esperado era que, à semelhança do que acontecia nas outras áreas da medicina, houvesse uma diminuição do número de consultas”.

“Este não é um assunto que diz respeito apenas à psiquiatria e a Portugal, tem a ver com toda a medicina e com o mundo inteiro”, mas “é indiscutível que existe uma necessidade acrescida decorrente do sofrimento psíquico das pessoas”, disse.

Mas, segundo ele, nem todo sofrimento psíquico precisa de atenção à saúde, faz parte da vida e é importante que a população perceba isso para “ficar tranquila e não vai haver drama nessa área”.

“Há estudos longitudinais feitos do início ao fim do confinamento que mostram que os sintomas depressivos e ansiosos da população foram diminuindo”, porque as pessoas estão se acostumando a lidar com o sofrimento, disse o diretor do PNSM.

No entanto, existe um grupo de pessoas em que “não se verificou uma diminuição tão acentuada” dos sintomas depressivos e ansiosos, nomeadamente os desempregados.

Esta situação alerta para um aspecto “muito importante” que já era conhecido: “o impacto do contexto económico no sofrimento psíquico das pessoas”.

A pobreza, o desemprego, a desigualdade social são “fatores determinantes, não exclusivos, mas importantes e relevantes, no aparecimento do sofrimento psíquico”.

.js">

Por isso, defendeu Miguel Xavier, “a resposta aos problemas de saúde mental provocados por uma crise, como a pandemia, deve ser enquadrada desde o ponto de vista da saúde, mas também em termos de apoio social às pessoas que se encontram em situação mais precária . “.

O investimento em saúde mental é muito desproporcional ao seu impacto

“Tal como em muitos países, em Portugal existe um subinvestimento crónico na saúde mental”, disse Miguel Xavier à agência Lusa sobre o Dia Mundial da Saúde Mental, que se comemora sábado e tem como lema este ano “Mais investimento, mais acessos “

Para o psiquiatra, “há uma desproporção enorme entre o impacto que os problemas de saúde mental têm e o que se investe na atenção básica e nos serviços especializados”.

“Não se pode esperar que a saúde mental das populações esteja bem se não houver investimento proporcional”, alerta, considerando que este será “um dos maiores desafios dos próximos anos, mas já no curto prazo”.

Atualmente, é possível comparar o impacto e a carga social em termos de custos diretos e indiretos que as várias áreas da saúde e da demência têm nas sociedades e o que se verifica é que “a doença mental aparece sempre em primeiro ou em segundo lugar” com uma carga global de 10% a 15%.

Este valor deve representar o financiamento do Serviço Nacional de Saúde nesta área. No entanto, as estimativas apontam para um financiamento entre 4% e 5%, “o que é muito pouco”.

Miguel Xavier defende que este valor deve “subir um pouco” a cada ano, “de forma pensada, mas fazendo as apostas certas”, nomeadamente onde existem as “maiores falhas”: nos cuidados de proximidade e nas respostas na atenção básica cuidado, para onde “a maior parte da aposta financeira” deve ir nos próximos anos.

Sobre o apoio que o Ministério da Saúde tem dado ao Programa Nacional de Saúde Mental, Miguel Xavier afirmou que se encontram “numa fase de grande consonância e grande sobreposição”.

“Estamos trabalhando juntos e estão sendo feitos investimentos importantes, mas ainda faltam alguns, por exemplo, em termos de atenção primária à saúde”, disse.

A maior parte das respostas disponíveis nos centros de saúde para pessoas em sofrimento psíquico é fundamentalmente de natureza farmacológica, pois faltam psicólogos e programas implementados no tratamento da depressão e ansiedade ligeira a moderada.

“É necessário que haja muito mais psicólogos nos centros de saúde por todo aquele país”, diz Miguel Xavier, reconhecendo que “isto não vai ser feito de um dia para o outro, mas é necessário começar”, porque senão “Portugal vai aparecer inevitavelmente com um país com alto consumo de drogas psicotrópicas ”.

Miguel Xavier defende também que os serviços funcionarão “muito melhor” na proximidade, destacando a importância da criação das cinco primeiras equipas comunitárias de adultos, que serão seguidas por muitas outras na infância e adolescência.

“Essas são etapas absolutamente cruciais para as equipes estarem perto das pessoas. Quanto mais próximos, mais fácil é o acesso ao tratamento ”, defende.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de um bilhão de pessoas vivem com doenças mentais em todo o mundo e uma pessoa morre a cada 40 segundos por suicídio.

Carlos Henrique

"Introvertido amigável. Estudante. Guru amador de mídia social. Especialista em Internet. Ávido encrenqueiro."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post Nokia revela calendário de atualização para smartphones para Android 11
Next Post A BOLA – «Não quero ficar no banco» (Inter de Milão)