‘As forças armadas não são um poder decrescente’, diz o ex-presidente da Suprema Corte – 19/06/2020

Carlos Ayres Britto, ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e ex-presidente do tribunal, disse hoje que as Forças Armadas não têm o papel de “moderar o poder” para arbitragem em conflitos entre os três ramos da República.

“As forças armadas não têm poder moderador, simplesmente porque não há poder moderador em uma república presidencial”, disse Britto durante o programa. debate, mediado por um colunista da lista Twitter Reinaldo Azevedo.

Para o ex-ministro, as diferenças entre o executivo, o legislativo e o judiciário devem ser mediadas pelas regras do próprio sistema democrático.

Existe um sistema de freios e contrapesos para o equilíbrio, nenhuma força é superior a outra, não há hierarquia entre forças, mas há uma distribuição de funções de acordo com um esquema lógico.
Carlos Ayres Britto

O general de reserva e o presidente do clube militar Eduardo José Barbosa também participaram desta edição do programa.

Barbosa disse que concordou que as Forças Armadas não deveriam dar a última palavra em conflitos institucionais, mas argumentou que a Constituição permite sua invocação em situações que exigem manutenção da lei e da ordem. “As forças armadas seguem o cenário nacional e todas as forças armadas do mundo”, afirmou.

[As Forças] eles são subordinados ao Presidente da República, subordinação hierárquica, mas podem ser convocados por qualquer uma das forças para resolver um problema de conflito no qual não existe denominador comum. É preciso entender que as forças armadas respeitam e respeitam a constituição.
Eduardo José Barbosa

A força das forças armadas para invocar o cenário político após o artigo 142 da Constituição Federal foi citada em manifestações antidemocráticas em apoio ao presidente Jair Bolsonar (sem partido) como uma possibilidade de intervenção militar. As faixas nesses atos pediam o fechamento do Congresso e da Suprema Corte.

A disposição da Constituição expressa no artigo 142 declara: “As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, Exército e Força Aérea, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base em hierarquia e disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República e destinadas à defesa da Pátria. garantia de poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer um deles, lei e ordem “.

Judiciário e ‘má gestão’

Comentando as críticas ao poder judiciário que se sobrepunha ao poder executivo, o ex-ministro Ayres Britto argumentou que a justiça deveria interferir na autoridade pública com o objetivo de “impedir a má administração”.

“Uma coisa é parar o governo, outra é parar a má governança”, disse Britto. “Por causa da Constituição que criou essas instituições, o judiciário não tem papel [de governar], mas tem o poder de impedir a má administração. A má governança está no trato com a Constituição ”, afirmou o ex-ministro.

“O judiciário é a única força desarmada. Precisamente porque está desarmado, diz a última coisa. Quem tem uma arma, um rifle, uma carabina, um projétil, um bastão noturno, não pode ser o último a falar”, defendeu Britto.

Incêndios contra o STF

A liberação de fogos de artifício pelos bolsonaristas em frente ao prédio do STF foi minimizada no último domingo (20) pelo presidente do Clube Militar. Para Barbos, o ato não representava uma ameaça à Suprema Corte, mas uma mensagem, e tratá-lo como um ataque a uma instituição seria um “exagero”.

“Eles estão cantando lá como se o tiroteio fosse uma ameaça. Mas é caracterizada pela mensagem: ‘Estamos vigiando você’. E cabe à população cuidar de tudo”, disse o general.

Barbosa disse que era contra os protestos com os incêndios, que considerava “grande merda”, mas acrescentou que não havia muito para mostrar, por mais pacífico e democrático. “Caso de incêndio, sou contra. Mas se digo que é uma ameaça? Se alguém para um carro com uma bomba perto do STF, é uma ameaça”, objetou.

Governo do PT

Questionado pelo colunista Reinald Azevedo sobre as razões da baixa simpatia do PT entre os exércitos, Barbosa criticou a abordagem do partido aos governos de países como a Venezuela e disse que os investimentos nas forças armadas feitas pelos governos do PT apenas recuperaram a estrutura desatualizada.

“A questão não é o PT. Se os PTs não estivessem tão alinhados com as ditaduras, acho que a coexistência seria boa. Entender as forças armadas com os governos do PT nunca foi ruim”, disse Barbosa.

“Nós, as Forças Armadas, somos instituições estatais. A ideologia A ou B não é importante. Queremos servir a população e cooperar com o desenvolvimento nacional”, afirmou o general.

Covid-19 e Socialismo

À atual pandemia do novo coronavírus, o presidente do Clube Militar confirmou que o Brasil é um “socialismo vivo”, com medidas de isolamento social, fundamentais para conter o progresso do novo coronavírus. Para ele, havia maneiras “menos traumáticas” de lidar com uma pandemia, mas o país tem uma grande chance de superá-la.

“Vivemos o socialismo: você só pode sair se o governo sair, é proibido falar. Eu falo em geral, mas as pessoas têm medo de falar. A Polícia Federal vai bater na minha porta em pouco tempo? É quase um sistema socialista”, disse Barbosa.

Veja a discussão completa no vídeo abaixo.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

TURNOZERO.COM PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Turno Zero