Dezembro 4, 2020

Turno Zero

Notícias Completas mundo

Baikonur, a pedra angular do programa espacial da Rússia, completou 65 anos – 28.07.2020

Emirates lançou a primeira sonda árabe para Marte em julho - 19.5.2020
Fernando Salcines, Moscou, 28 de julho (EFE) .- Há 65 anos, o Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, era a pedra angular do programa espacial russo, com mais de 300 pessoas e milhares de naves espaciais e satélites.

“Baikonur é o primeiro cosmódromo do mundo, o que já diz tudo. Nenhum outro espaçoporto lançou tantos lançamentos. Vários tipos de foguetes foram lançados”, disse o cosmonauta russo Fiodor Yurchijin à Efe na abertura de uma exposição dedicada ao 65º aniversário do principal complexo de pavilhões da Rússia. Espaço e aeronáutica “VDNJ, o maior centro de exposições de Moscou.

O cosmonauta de 61 anos, que voou cinco vezes no espaço, lembrou que “500 veículos lançados foram lançados a partir da plataforma Baikonur Gagarin, que foi a primeira a operar, embora tenha sido projetada para apenas 50 lançamentos”.

Essa plataforma icônica, da qual o cosmonauta Yuri Gagarin decolou em 1961, o primeiro homem a voar para o espaço, está passando por uma reconstrução para enfrentar novos alvos “porque a vida não para”, comentou Yurchijin.

“Portanto, esperamos que Baikonur não se torne um museu e continue a ser um cosmódromo do planeta Terra”, disse o cosmonauta.

A ÚNICA PLATAFORMA.

A construção da primeira plataforma no Cosmódromo de Baikonur levou pouco mais de dois anos.

“Em 12 de janeiro de 1955, os primeiros construtores chegaram. Havia apenas uma plataforma. Em 15 de maio de 1957, foi lançado o primeiro foguete transportador. O trabalho foi realizado muito rapidamente e com qualidade, porque os primeiros lançamentos ocorreram sem problemas.” disse Yurchijin.

O primeiro grupo de engenheiros de foguetes chegou ao complexo espacial em 28 de julho de 1955, a partir do qual o primeiro satélite artificial na Terra foi lançado em 1957 e o primeiro vôo em 1961, com Gagarin a bordo.

Desde então, o complexo se expandiu gradualmente. Hoje, o local possui o dobro da capital russa, Moscou, ocupando uma área de 6.717 quilômetros quadrados.

As origens de Baikonur remontam à Guerra Fria com um toque de lenda: diz-se que a União Soviética criou um espaçoporto falso nos arredores da cidade de mesmo nome em meados da década de 1950, ocultando a localização real dos edifícios até 1957,

Por outro lado, após o voo de Yuri Gagarin, o cosmonauta afirmou que a plataforma de lançamento de seu navio Vostok está em Baikonur, momento em que o nome foi usado.

.js">

Mais de 5.000 lançamentos foram feitos a partir deste cosmódromo, que atualmente possui cinco plataformas ativas para nove tipos de veículos de lançamento.

Cerca de 120 cosmonautas e duzentos astronautas de outros países decolaram desta plataforma em direção à estação orbital Mir russ e ao módulo da Estação Espacial Internacional (ISS).

“Todos os outros cosmódromos foram construídos com base na experiência de Baikonur, não apenas por causa de suas realizações, mas também por causa de seus erros”, segundo Yurchijin.

EM 30 ANOS.

A base espacial inicialmente pertencia à União Soviética, mas após o colapso da URSS em 1991, permaneceu no Cazaquistão, razão pela qual em 1994 a Rússia assinou um contrato de arrendamento com o estado da Ásia Central até 2004, que foi prorrogado até 2050. anos.

A Rússia paga ao Cazaquistão US $ 115 milhões por ano para usar o complexo espacial.

No futuro, surge a pergunta sobre o que acontecerá com este espaçoporto – que emprega 10.000 pessoas, incluindo técnicos, engenheiros e prestadores de serviços – quando o contrato entre a Rússia e o Cazaquistão expirar em 30 anos.

“Espero viver até 2050 e depois vou lhe contar”, brincou Yurchijin.

EXPOSIÇÃO HISTÓRICA.

A importância de Baikonur se reflete na exposição preparada especialmente para o 65º aniversário do complexo. A exposição está disponível em seu próprio espaço dentro do pavilhão VDNJ, dedicado à exploração espacial na União Soviética e na Rússia.

Vários modelos de instalações, fotografias históricas, vídeos, anotações e relatórios dos primeiros chefes do local – tenentes-generais Alexei Nesterenko e Alexander Kurushin – bem como documentos que requerem a organização dos principais construtores.

As caixas de luz estão coletando dados sobre quem construiu e operou o objeto espacial gigante, que celebrará oficialmente o 65º aniversário de Baikonur em 4 de outubro, uma celebração que teve que ser adiada em junho devido a desvios da pandemia de Covid-19.

Segundo Andrei Yurasov, vice-diretor da Agência Federal de Arquivos, a entidade responsável pela parte documental da exposição, Baikonur “é uma ótima página na história da Rússia”.

“Tornou-se um exemplo claro de como um estado que saiu da guerra dez anos antes conseguiu mobilizar e alcançar um desenvolvimento tão grande da indústria de ciência, tecnologia e defesa que acabou criando uma instalação tão grande e importante”, resumiu.