Billy Porter fala sobre casos recentes de racismo: ‘Não estou surpreso’ – 20.06.2020

O ator Billy Porter escreveu um artigo publicado na revista britânica The Guardian, em que ele contou sua história como um homem negro gay nos Estados Unidos. No texto, ele diz que sua experiência de vida o excluiu da chance de ser surpreendido pelos casos de racismo e violência policial que estão acontecendo no país.

“Eu vivo como um homem negro gay nos Estados Unidos há 50 anos. Nada me choca”, disse Porter. “Não estou surpreso com nada do que está acontecendo agora. Queria me surpreender, mas não o fiz”.

Ele diz que deixou sua cidade natal na Pensilvânia para defender seus pontos de vista. “Sou uma pequena rainha negra que nasceu nos guetos de Pittsburgh. Por que fui para lá? Isso porque o tipo de trabalho que faço e o tipo de imagem que crio no mundo são muito importantes para mim”, disse ele.

“Estou aqui por uma razão”, disse ele.

Billy Porter conquistou o mundo. Ele deu seu nome quando foi ao Oscar em 2019 usando um vestido, devido ao choque que causou às pessoas.

Boicote à homofobia

No texto, Porter relata que recebeu uma mensagem de “Villa Sésamo” para participar de um programa especial de amizade que veste um vestido cristão Milão o que o tornou famoso. Segundo ele, o governador do estado dos EUA desde Arkansas ele ameaçou parar de financiar a estação de televisão PBS no estado se eles transmitiram o episódio.

“É porque é pervertido, é uma campanha gay e eu iria à casa deles para abusar dos filhos. É um medo que ainda existe”, disse ele.

Apesar dos ataques, Porter – que ganhou um Emmy de melhor ator em 2019 por seu papel na série “Poses”, diz que não é influenciado pelas opiniões das pessoas porque a vida o fortalece.

“Não está claro para mim o que alguém pensa sobre o que estou fazendo. Isso não acontece quando você tem 20 anos – tive que viver o suficiente para isso”, escreveu ele. “Tudo isso não tem consequências para mim, porque continuarei sendo o que sou.”

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero