Bolsonaro disse quando Alvorada deixou a imprensa: ‘Eles estão se tornando vítimas’

O presidente Jair Bolsonaro (sem o partido) disse hoje que a decisão foi tomada por alguns meios de comunicação suspender temporariamente a cobertura diária no Palácio da Alvorada devido à falta de segurança, é “vitimismo”. O presidente lembrou a dor que sofreu em setembro de 2018, alegando que, na época, a mídia “não disse nada”.

“Eles se tornam vítimas. Quando fui esfaqueado, eles não disseram nada. Eu não vi ninguém do Folh” que matou Bolsonar? “Se você demorar quantas horas a Globo deu a Marielle [Franco, vereadora assassinada em março de 2018] e, no meu caso, acho que é 100 para 1, mas tudo bem “, disse o presidente aos apoiadores. A interação foi transmitida nas redes sociais de Bolsonara.

EM Twitter, a Folha de S. Paulo, o Grupo Globo, Metrópoles e a TV decidiram retirar jornalistas do chamado “curralzinho”, um espaço normalmente reservado para jornalistas em frente a Alvorado devido à falta de segurança na região. Os jornalistas muitas vezes perseguiram os apoiadores do presidente, que juram e exigem que os profissionais deixem o cargo.

O presidente, que reclama constantemente da cobertura da mídia do governo, eles já chamavam a Folha de “farsa”. e disse a um repórter do estado de São Paulo para calar a boca, ele confirmou ainda que “nunca teve o ato de embaraçar a mídia” e que “nunca perseguiu ninguém”.

“O que eu quero da mídia é vender a verdade, para o bem da própria mídia”, acrescentou.

Fim da quarentena

Bolsonaro também defendeu o fim da política de isolamento social, fundamental para manter o progresso do novo coronavíruse “retorne ao normal”. Ele reiterou que o Brasil está enfrentando dois problemas hoje, uma diferença de 19 e desemprego, e que o governo federal está pronto para começar a reabrir, mesmo que o país tenha falhado em controlar a pandemia.

Segundo os dados mais recentes do Ministério da Saúde, o Brasil registra mais de 391.000 casos confirmados e 24.000 mortes por covid-19.

“Estamos perdendo vidas, sim, mas não há necessidade de entrar em pânico. A economia matará muito mais no futuro. Amanhã será controverso, mas tenho a obrigação de dizer a verdade. Os pobres se tornam pobres e a classe média pobre.” Governadores e prefeitos devem tentar retornar ao normal ”, ele disse.

O presidente também comentou a intenção de reabrir a fronteira com o Paraguai. O vizinho, no entanto, “acha que ainda não é o caso”, disse Bolsonaro. Além disso, disse o Uruguai, que também não acredita que é hora de reabrir a fronteira com o Brasil. “Ele pediu que esperassem mais”, explicou.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero