Turno Zero

Notícias Completas mundo

Brexit: MPs britânicos aprovam projeto de lei polêmico que anula parcialmente o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia – Notícias

Apesar das divergências dentro do Partido Conservador, este texto, que o governo Boris Johnson reconheceu violar o direito internacional, foi aprovado esta noite com 340 votos a favor e 256 contra, concluindo o processo na Câmara dos Comuns e abrindo caminho para análise pela Câmara dos Lordes (câmara alta do parlamento) nas próximas semanas.

A proposta de lei do mercado interno no Reino Unido já havia sido aprovada em geral e em particular, embora o governo britânico cedeu à pressão de um grupo de deputados conservadores e concordou em dar ao parlamento a última palavra na decisão de agir ou não sobre o disposições. texto.

Com o objetivo de substituir os padrões europeus por regras para o comércio entre as diferentes regiões do Reino Unido (Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte) após a saída da UE, a legislação dá ao executivo britânico poderes para ignorar as cláusulas que estão no Wake up.

.js">

Em causa estão questões como a apresentação de declarações de exportação ou controlos aduaneiros entre a província britânica da Irlanda do Norte e a Grã-Bretanha, a ilha onde se encontram a Inglaterra, a Escócia e o País de Gales.

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson argumentou que esta legislação é uma “rede de segurança” para proteger a integridade do país de “interpretações extremistas ou irracionais do Protocolo, que podem resultar em uma fronteira no Mar da Irlanda”.

Bruxelas reiterou esta semana o pedido para que o governo retire as “partes litigiosas” do projeto de lei até o final de setembro, o que Londres recusou.

No entanto, hoje começou a nona rodada de negociações para um acordo comercial pós-Brexit, que vai até sexta-feira.

Considera-se meados de outubro como prazo para entendimento, caso contrário, a ausência de acordo acarretará em tarifas alfandegárias sobre o comércio entre o Reino Unido e o bloco europeu a partir de 1º de janeiro de 2021.

Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Post Família vende tudo e investe em Bitcoin aguardando valorização
Next Post A Microsoft dará ao Edge outra ferramenta que os usuários vão adorar