Como o morador evitou o golpe do FGTS enviado a ele por WhatsApp

A moradora Silene Alves usa seu celular na sala de sua casa no Rio Pequeno, nos arredores a oeste de São Paulo (Vitória Guilhermina)

Com a rotina ele mudou pandemia covid-19, os moradores da periferia relatam uma série de golpes enviados pelo WhatsApp. Um desses moradores é Silene Alves, que mora no Rio Pequeno, oeste de São Paulo. Em entrevista à Quebrada Tech, ela diz que criou suas próprias estratégias para evitar cair na armadilha de roubar dados pessoais e sensíveis.

Por Tamires Rodrigues

Silene Alves, moradora do Rio Pequeno, oeste de São Paulo, está distante de seus parentes e amigos íntimos devido ao isolamento social causado pela pandemia Covide-19Então, mensagens via formulários tornou-se uma das principais maneiras de se reconectar com seu círculo de relacionamentos pessoais.

Sua maior motivação é conhecer a saúde de seus parentes. Momentos antes de falar com Quebrada Tech, Alves conversou com a irmã em e aí“Lá por causa do Ceará, por causa da minha mãe, por causa das minhas irmãs, eu ligo diretamente para ela, todas as noites, todos os dias. É realmente uma ligação e eu estou conversando com o WhatsApp”, diz ele.

“A única maneira de estarmos juntos com a família e os amigos agora é através rede socialHa? Então eu faço isso ”, acrescenta.

Em uma dessas conversas com uma de suas irmãs morando no Ceará, Alves foi surpreendido por uma mensagem sobre Ajuda do FGTS“Ela disse que o FGTS nos deu R $ 1.050 em assistência, então perguntei à minha irmã de quem ela recebeu. Ela disse: alguém me enviou”, diz ela.

“Eu entrei Facebook e ele estava lá. Houve um emprego em Caixi que diz que tenho direito a 1.050 R R ″, diz Alves. Ela se juntou ao link para descobrir quais documentos serão necessários para obter os benefícios. “Você solicitou meu CPF, meu Dados e outras coisas. Ele pediu meu CPF e meus documentos, eu já estou de costas. Foi quando eu disse que não entraria aqui, não. “

Suspeitando que nenhum benefício havia sido liberado em seu nome, Alves pediu ajuda à filha. “Eu mostrei para minha filha e disse: olhe isso aqui por minha causa, parece que estou certa. Ela olhou e disse: isso não é seguro, não.”

Depois que a filha confirmou as suspeitas, Alves enviou uma mensagem para a irmã no Ceará alertando atacante.

Em Caixa Econômica Federal, a afirmação é muito clara: “O pagamento do FGTS pela retirada emergencial será feito exclusivamente por meio de um empréstimo à Digital Social Social Savings, que a Caixa abriu automaticamente em nome dos trabalhadores. A transferência dos valores de retirada emergencial pode ser feita inicialmente usando o aplicativo Caixa Tem, sem qualquer custos, evitando a movimentação de pessoas para as filiais “.

O site também enfatiza que todo titular de conta do FGTS com saldo, incluindo contas ativas e inativas, tem o direito de sacar até US $ 1.045 por funcionário.

Dois dias depois, Alves ainda estava pensando no que havia acontecido e decidiu ir à agência da Caixa para fazer algumas transações bancárias e decidiu confirmar suas suspeitas. “Peguei e mostrei à namorada de Caix, e ela disse que estava errado, que não existia. Então eu disse: menos ruim”, diz ele.

Silene Alves na porta de sua casa no Rio Pequeno (Vitória Guilhermina)

Uma cultura de dúvida

A maior fonte de pesquisa para verificar se as informações que você está recebendo é falsa ou não vem de suas filhas mais novas. Alves diz que um dos maiores fatores é confiar no perfume de sua filha para descobrir se a história é falsa ou não, o fato de ele acreditar notícias falsas eles fazem parte da cultura da geração filha e, portanto, seria mais fácil para eles interpretar as informações. “Não tenho a velocidade que você tem quando tem 18 ou 20 anos para entender a comunicação em mídias sociais. Estamos um pouco atrasados, não tivemos uma vida para ter celular em mão “.

A ferramenta que Silene mais usa em telefones celulares é o WhatsApp. Segundo ela, é nesse aplicativo que ela recebe as notícias mais falsas. Eles me pagam ocasionalmente, não todos os dias, mas de tempos em tempos recebo a mensagem de que temos que compartilhar com dez pessoas para vencer. Eu não sei o quê, então fica nessa coisa, ok. “

“Atualmente, eles também enviaram uma fatura no WhatsApp dizendo que temos direito a uma cesta básica, para que eu possa ter direito a dez contatos”, lembra ele. Esse tipo de mensagem foi usado para ativar a cultura de suspeita ao usar o aplicativo.

Ao receber esta mensagem, Alves questionou a pessoa que a enviou. “Eu pensei que era meio estranho, então perguntei à garota se era seguro e ela disse: Silene, eu não sei se é seguro, eles enviaram para mim. Então eu disse que não iria continuar enviando essas coisas para pessoas que ficar um pouco irritado “, diz ele,

Para Alves, suas maiores dificuldades com os telefones celulares não estão relacionadas à compreensão da funcionalidade dos aplicativos, mas à organização e compreensão da grande quantidade de informações que precisam ser filtradas como verdadeiras ou falsas.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero