Como o risco de extinção pode ajudar a humanidade a tornar o mundo um lugar melhor – 07.04.2020

Os cientistas alertam: o mundo está no meio de uma grande extinção em massa. Segundo cálculos de especialistas, a taxa atual de extinção de espécies é de 50 a 100 vezes maior que a média. Se confirmado, não acontecerá pela primeira vez no planeta. A grande diferença em relação aos eventos anteriores é que desta vez há uma espécie que habita o planeta ciente de seu próprio destino e que lamenta por nós: nós. Estamos em risco de extinção?

Em julho, cientistas publicados na revista ScienceAdvances um estudo alarmante: quinhentas espécies podem se extinguir nas próximas duas décadas (não, pelo menos nessa lista, o homem não foi incluído). 543 espécies foram extintas no século passado. Somando esses dois números, os autores do estudo concluíram que em 120 anos a taxa de extinção é igual à dos últimos 16.000 anos.

O que é assustador não é o número em si, mas o fato de estarmos nos aproximando do chamado ponto de colapso – quando a extinção de espécies causa um efeito em cadeia que leva à extinção de outras espécies. E nós podemos influenciar isso. “Estamos completando a capacidade do planeta de sustentar a vida humana e a vida em geral”, disse Gerardo Ceballos, um dos autores do estudo.

Outro sinal de alerta recente é o Covid-19. Não que alguém acredite que tenha potencial para destruir a humanidade, mas isso nos lembrou algo que muitos ignoraram: uma pandemia pode ser catastrófica – e o risco de uma superbactéria ou vírus mortal não pode ser descartado. “Apesar de todos os avanços da medicina, a humanidade ainda é muito mais vulnerável a pandemias do que gostaríamos de acreditar”, escreveu o filósofo Toby Ord, da Universidade de Oxford, um cientista de riscos existenciais. em um artigo publicado na revista inglesa The Guardian.

Afinal, o que é um evento de extinção em massa? É uma desordem no planeta que impede a sobrevivência e a reprodução de um grande número de seres vivos. Eles geralmente são marcados por mudanças no ambiente tão repentinas que impedem que os organismos se desenvolvam e se adaptem ao novo habitat. O resultado é extinção.

“The Rhino Factory” faz parte do projeto “Inherit the Dust” do fotógrafo britânico Nick Brandt. As fotos mostram placas gigantes com a imagem de um animal selvagem situado no meio de seu antigo habitat natural, já transformado em um ambiente moderno.

Imagem: Reprodução / Nick Brandt

Isso já aconteceu antes? Sim, a extinção é a regra – sem exceção. Cerca de 99% das espécies que já viveram no planeta não existem mais. Eles estão declinando por inúmeras razões ao longo dos milênios, mas os cientistas descobriram que houve cinco vezes nos últimos 500 milhões de anos quando esse número estava muito acima da média. São eventos de extinção em massa, que receberam o apelido simpático Big Five em inglês. Os piores deles eliminaram 90% das espécies que habitavam o planeta – e o mais famoso dos cinco ocorreu 65 milhões de anos atrás, causado pelo choque de um asteróide que caiu no Oceano Atlântico e varreu grandes dinossauros da face da Terra. Mais três eventos de extinção em massa foram causados ​​por erupções vulcânicas – que elevaram a temperatura do planeta a níveis que grande parte da vida existente não poderia sobreviver – mas poderia haver quatro. Até recentemente, acreditava-se que a primeira grande extinção em massa, 445 milhões de anos atrás, foi causada pelo resfriamento global. Em junho, no entanto, dois cientistas, Stephen Grasby e David Bond, publicou o estudo com evidências de que o primeiro dos Cinco Grandes também foi causado pelo aquecimento global.

Estamos condenados? Se 99% das espécies não habitam mais o planeta, pelo menos é razoável acreditar que esse seja o nosso destino. Existem inúmeros candidatos aos “inimigos” da humanidade: asteróides, aquecimento global, pandemias e até raios gama emitidos pela estrela – e isso não leva em conta as ações diretas do homem, como a guerra nuclear. “Em uma escala de cinquenta anos, eu diria que o risco de extinção para a humanidade é muito baixo”, disse ele. ABA Rodrigo Nemmen, professor de astrofísica na USP (Universidade de São Paulo). “Dentro de 100 a 200 anos, os riscos aumentam significativamente”.

Não era nosso destino tornar-se deuses? Em meados do século XXI, a ideia de que a vida humana não é garantida pode ser surpreendente. Nos últimos anos, admiramos nossas conquistas e ambições em áreas como tecnologia digital e biotecnologia, a tal ponto que acreditamos que até a morte pode ser superada. Este. Vários cientistas, apoiados por grandes empresas como o Google, se dedicam a pesquisar maneiras de nos tornar imorais ou capazes de sobreviver a qualquer tipo de doença ou falha do corpo (no que diz respeito à precipitação, os cientistas ainda não têm um antídoto). De repente, a morte foi entendida apenas como um problema técnico a ser resolvido em laboratório. Teses triunfantes sobre a genialidade do ser humano foram popularizadas pelo historiador Yuval Noah Harari em seu livro “Homo Deus – Uma Breve História do Amanhã”. A obra celebra o triunfo da humanidade, que entrou no terceiro milênio sem três grandes problemas desde que o homem evoluiu dos macacos: fome, praga e guerra. Sem esses pesos, o homem poderia agir como um deus e se entregar a uma busca incansável pela felicidade. “Depois de garantir um nível sem precedentes de bem-estar, saúde e harmonia, (…) os próximos objetivos da humanidade provavelmente serão imortalidade, felicidade e divindade”, escreveu ele. “Nosso objetivo será criar deuses humanos e transformar o Homo sapiens em deuses do Homo.”

Aqui está a verdade: somos vulneráveis. Covid-19 é apenas a evidência mais recente. Do ponto de vista biológico, o homem estaria em desvantagem em comparação com outras espécies em caso de extinção em massa. Animais grandes e de sangue quente como nós têm um alto metabolismo; essa característica requer uma necessidade constante de alimentos. Tartarugas ou cobras, por outro lado, podem passar semanas sem comida. Em uma catástrofe que rompe a cadeia alimentar, como nos “Grandes Cinco”, podemos ter problemas.

Mas temos vantagens, para um artigo publicado no site da conversa, o paleontólogo e biólogo evolucionário Nick Longrich demonstrou que temos fortalezas que podem compensar nossa vulnerabilidade. “Podemos sobreviver ao evento de extinção em massa”, escreveu Longrich. “Distúrbios a longo prazo, como a idade do gelo, podem causar conflitos generalizados e colapso da população, mas é provável que as civilizações sobrevivam”. O principal: estamos em abundância – quase 8 bilhões de pessoas significam uma chance incrível de que pelo menos alguns de nós sobrevivam e repovoem a Terra. Se apenas 1% sobreviver, isso significa 78 milhões de pessoas; estamos em toda parte, habitando quase todas as partes do planeta; somos generalistas e comemos tudo; somos adaptáveis ​​- por meio de aprendizado e inovação. Aprenda a lavar as mãos para evitar espalhar a doença por alguns minutos.

Estamos calmos então? “Podemos controlar e direcionar nosso futuro, porque somos únicos em nossa capacidade de projetar e manipular o ambiente”, disse ele. ABA o filósofo Thomas Moynihan, que em outubro publicou o livro “X-risk – como a humanidade descobriu sua própria extinção” (Risco X – como a humanidade descobriu sua extinção, em tradução livre). Nemmen da USP concorda. Segundo ele, nossa capacidade de inovar é enorme e pode até permitir-nos povoar outro planeta se a Terra ficar desabitada. “Dados os avanços tecnológicos, quase todos os desafios são transferíveis. Tudo depende do interesse político e do investimento em tecnologias que podem salvar a humanidade”.

Mas… “Apenas” sobreviver não é suficiente. Quando um cientista diz que a humanidade não deve se extinguir nos próximos anos, ela se concentra apenas na possibilidade da existência humana na Terra – mas não leva em conta a qualidade de vida dessas pessoas. Nosso grande desafio nos próximos anos não é apenas garantir a sobrevivência, mas manter as condições para que a vida na Terra seja agradável. Em Terra Inanimada – Uma História do Futuro, o jornalista americano David Wallace-Wells descreve um cenário assustador se o ritmo do aquecimento global continuar – e as temperaturas médias subirem 2 ° C, 4 ° C ou mais. Wells, que confiou em centenas de trabalhos científicos para escrever o livro, descreve um mundo em que incêndios, furacões, tempestades e ondas de calor insuportáveis ​​causarão guerras, miséria, fome, sede, doenças, milhões de refugiados e inúmeras mortes. Em meio a esse caos, é provável que não sentiremos falta das praias que engolirão o aumento do nível do mar. “Como os humanos provaram ser uma espécie adaptável, (…) é improvável que as mudanças climáticas tornem o planeta realmente antinatural”, escreveu ele. “O que existe entre nós e a extinção é bastante assustador, e nem pensamos no que significa viver em tais condições”.

Assim… mais do que respirar facilitado pelo fato de não sermos extintos no curto prazo, devemos usar os riscos de extinção como uma força para tornar o mundo mais confortável. “Pensar em nosso fim pode nos ajudar a assumir a responsabilidade como seres morais, a preservar a moralidade que existe no Universo e que é definida apenas por nós”, diz Moynihan.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero