Drag Sophia Barcley sofreu abuso, morou na rua e influenciou: “Mães ouvem” – 29.5.2020.

“Oi! Sou eu, Sophia. Ligue para mim”, avisa Sophia Barclay, rainha da joia de 22 anos, em uma mensagem de voz. Ele prefere chamá-la de pronome feminino, apesar de não se identificar como uma mulher trans. “Vivo meu personagem por quase 24 horas. Sinto-me uma mulher estranha, mas não sou um pacote de biscoitos que teria rótulos”, justifica, referindo-se ao fato de não atender às normas de gênero.

Nascida em Guarulhos, São Paulo, ela diz que sempre soube ser gay. No entanto, seu pai a espancou por isso e, pensando que ela era “anormal”, ele freqüentou uma igreja evangélica e saiu com as meninas na esperança de que elas fossem “curadas”.

Ela também afirma que foi abusada sexualmente por um amigo da família, mas quando contou à mãe, foi acusada de tentar arruinar a vida do agressor. No início de abril, um vídeo contando sua história tinha mais de 1,8 milhão de visualizações no Facebook.

Expulsa de sua casa aos 15 anos, quando decidiu não esconder mais sua homossexualidade, Sophia tentou encurtar sua vida, obter ajuda de amigos e descobriu o mundo do reboque. A partir daí, ele planejou viver em shows. Hoje, morando no Rio de Janeiro, cidade de sua mãe, ele criou vidas para quarentena nas quais compartilha sua experiência, dá conselhos e se diverte. Ela relata Universa a tua história:

“Minha infância sempre foi complicada. Vi meu pai atacar minha mãe. Tenho seis irmãos e um deles é uma mulher trans.

Quando completei 7 anos, um amigo dos meus pais começou a morar na casa em que morávamos, em Guarulhos (SP). Ele abusou de mim e ameaçou minha família se eu contasse. Eu desenvolvi um medo de sair de casa.

Aos 8 anos, eu não aguentava mais e decidi contar à minha mãe de quem eu era mais próximo. Mas ela me bateu e disse que eu estava tentando arruinar a vida do atacante. E ela ficou calada sobre o caso. Eu tinha medo de falar com meu pai. Na verdade, eu tinha medo dele.

O abuso durou três anos, até o homem partir.

Meus pais se separaram ao mesmo tempo. Meu pai tornou-se evangélico, se casou novamente e decidiu ir à igreja. Ocorreu-me que Deus não me amava porque eu era gay. Eu tenho uma namorada, estou sendo batizada. Mas meu estilo de vida foi fortalecido pelos padrões familiares e minha madrasta me atacou muito, usando palavras depreciativas quando me dirigiu.

“Se eu tivesse um filho gay, eu me mataria.”

Meu pai me disse uma vez: ‘Se eu tivesse um filho gay, eu me mataria’. Eu já estava na minha fronteira. E eu disse: ‘Então você vai ter que me matar porque eu sou gay’. Eu tinha 15 anos de idade.

A rainha da joia Sophia Barclay mostra seu rosto ferido após sofrer agressão: acusa homofobia - Arquivo pessoal

A rainha das jóias Sophia Barclay mostra seu rosto ferido após sofrer agressão: acusa de homofobia

Imagem: Arquivo pessoal

Ele me agarrou pelo pescoço e me atacou. Saí de casa naquele dia e vaguei pelas ruas por uma semana dormindo nos pontos de ônibus. Ninguém na família dele queria me ajudar, e a família da minha mãe mora no oeste do Rio de Janeiro. Eu também parei de ir para a escola. Eu estava no meu segundo ano do ensino médio. Agora eu me matriculei na escola antes da quarentena e estou esperando que tudo reabra.

Eu tentei me matar – e me machuquei por causa disso. Até que um amigo da escola me viu e me ofereceu abrigo. Então uma tia atenciosa me ajudou. Consegui um emprego em uma clínica de estética e, quando consegui arrecadar dinheiro com uma multa, fui ao Rio tentar morar com minha mãe. Ela disse que aceita minha homossexualidade, mas quer que eu seja o homem dentro de sua casa.

Quando me levanto, esqueço o que passei

Foi no desfile LGBT no Rio que conheci um mundo querido. Disseram que me lembro de Pabllo Vittar e me vesti como ele. Gostei tanto que comecei a me montar sempre e, quando isso aconteceu, esqueci tudo o que havia passado. É por isso que digo que a arte do arrasto me tirou da depressão.

Certa vez, ouvi uma mãe dizer que queria nomear sua filha Sophia. E [Margaret] Barclay era uma mulher queimada por bruxaria. Nós, os gays, também somos perseguidos por quem somos, então decidi fundir esses dois nomes – e assim Sophia Barclay nasceu.

Voltei para conversar com minha mãe sobre os abusos que havia sofrido, mas ela ainda não acredita. Hoje não falamos mais e moro com um namorado.

Comecei a viver falando sobre o que estava passando, falando sobre minha depressão. E eu conheci muitas pessoas na mesma situação que eu. Agora eu me apresento quarentena, uma vez por semana, na minha página do Facebook. Eu uso maquiagem, danço, o que meus seguidores pedem. Já recebi mensagens de mães dizendo que apóiam o filho gay porque me ouviram.

Eu sei que meus pais me seguem de longe. Mas na mente de meu pai, eu me prostituo. Tentei mudar, mas ele respondeu que não apoiava a viadagem e não me reconhecia como filho. Eu perdi a esperança de falar novamente.

Agora eu quero seguir uma carreira artística. Em paz.”

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero