‘E o vento se foi’: excluir filmes da história não apaga o racismo 06.12.2020

Essa é a novidade: a plataforma de streaming desta semana, HBO Max, removeu o clássico de 1939 “And the Wind Gone” do catálogo. Ainda em meio ao barulho do assassinato de George Floyd, morto por um policial racista em Minneapolis, o roteirista de “12 Years of Slavery” John Ridley pediu que o filme fosse retirado porque perpetuou os estereótipos raciais e celebrou a escravidão americana antes da Guerra Civil.

“E o Vento Levou” conta a história de amor de Scarlett O’Hara (Vivien Leigh), filha de um camponês rico, com o aristocrata Rhett Butler (Clark Gable). O pano de fundo é a Guerra Civil Americana, e a narrativa se concentra no caminho de uma heroína que vai de presa a uma mulher que possui seu futuro. Bem, pelo menos o máximo que era “socialmente aceitável” oito décadas atrás.

Na denúncia, publicada em artigo de jornal LA Times, John Ridley descreve o trabalho de Victor Fleming como “um filme que, quando os horrores da escravidão não são ignorados, diminui a velocidade apenas para perpetuar alguns dos estereótipos mais difíceis sobre a cor das pessoas”. Sua voz foi ouvida pela HBO, que decidiu remover o filme de seu catálogo até conseguir uma discussão sobre seu contexto histórico.

Vivien Leigh e Clark Gable em ‘E o Vento Levou’

Slika: Warner

Ridley claramente não está errado. Somente aqueles que sentem racismo na pele podem medir a dor acumulada por décadas de opressão. Os Estados Unidos estão mostrando continuamente sua face racista, representada especialmente pela brutalidade policial com a população afro-americana. Isso não é uma teoria, mas uma prática dolorosamente observada nas ruas, com corpos negros empilhados e seus executores desfrutando frequentemente de privilégios.

No entanto, o ativismo de remover “E o Vento Levou” da plataforma de energia é apenas simbólico. O racismo não deixa de existir quando o vinculamos, e o filme claramente não é apagado da existência. A história mostra que apenas quem aprende com ela é ensinado a enfrentar o futuro.

E que tipo de futuro queremos? Aquele em que as pessoas podem desenvolver uma consciência de que somos imperfeitos e que podemos melhorar, ou aquele em que os livros são queimados em uma praça pública? Os temas proferidos em “E o Vento Levo” estavam errados em 1939 e ainda errados. Ainda assim, exibir um filme pode estimular a discussão e a reflexão.

Mesmo como uma obra de ficção, é um espelho do passado – um passado do qual deveríamos ter vergonha, mas que devemos enfrentar para que isso não aconteça novamente. Acredito que todo trabalho produzido na história da cultura pop, sem exceção, deve estar constantemente disponível em todas as plataformas. Por que sempre – sempre! – podemos aprender com eles. Assistir a “E o Vento Levou” é uma opção individual. Mas essa opção definitivamente deveria existir.

O debate também não é novo. Em 1989, “E o Vento Levo” retornou aos cinemas americanos para comemorar seu 50º aniversário e encontrou resistência semelhante de ativistas do movimento progressista. Nesse mesmo ano, “Miss Daisy’s Conduct” chegou aos cinemas, imortalizando o personagem do “homem negro subordinado”, interpretado por Morgan Freeman como o iniciador da vida do personagem-título, o papel de Jessica Tandy. Quanto mais as coisas mudam, mais permanecem as mesmas sem um diálogo sério.

Será que uma solução pode varrer esses filmes para debaixo do tapete e fingir que o problema não existe? A mesma coisa, a propósito, pode ser enfatizada para trabalhos mais recentes, como “Waiting for a Miracle” (“Magic Black” é um estereótipo global), “Legends of Life” (no mesmo sul que foi palco do linchamento, Will Smith Smith ensinou a Matt Damon para jogar golfe) e o recém-premiado “Green Book” (o “herói” da história do pianista Don Shirley é o seu … motorista racista?). E não me deixe falar sobre “histórias cruzadas” …

Um olhar mais atento pode destruir qualquer obra de arte. Por que a própria arte nasce do conflito e, freqüentemente, esse confronto também revela uma realidade feia. Inserir um novo contexto em “E o Vento Levo”, especialmente agora que o filme está de volta aos holofotes, parece mais apropriado do que promover uma proibição exata. Isso conclui o exercício da futilidade, à medida que as vendas de filmes dispararam para a Amazon e a Apple, e continua disponível na mídia física.

Morgan Freeman em 'Miss Daisy's Ride' - Europa Filmes

Morgan Freeman em ‘Miss Daisy Ride’

Imagem: Europa Filmes

O mundo está em um momento delicado hoje. Uma pandemia de coronavírus Deixou os países de joelhos, especialmente os Estados Unidos sob Donald Trump, um fantasma que não podia assumir a responsabilidade pela crise e que ameaçava as pessoas nas ruas para protestar contra a morte de George Floyd por severa repressão policial.

Ao procurar a proibição de filmes, mesmo com as melhores intenções, existe o risco de alimentar trolls racistas que enchem a boca dizendo que são “truculantes progressistas”. A arte deve confrontar levemente esse tipo de argumentação, com o pensamento, a história e com o cuidado de contextualizá-la.

Especialmente porque “E o Vento Levou” não é um documentário, mas uma ficção que acontece em um corte na história. O tempo mostrou que o filme, apesar de sua posição como um clássico absoluto e de sua importância indubitável para a história do cinema, pode e deve ganhar novo significado devido à sua descrição desajeitada de vergonhosos estereótipos raciais.

'Triunfo da Vontade', de Leni Riefenstahl - reprodução

“O triunfo da vontade”, de Leni Riefenstahl

Imagem: Reprodução

Se a arte não serve como governante que mede nossa evolução, quem ocupará o próximo trabalho de guilhotina? Deveríamos apagar da existência o “triunfo da vontade” de Leni Riefenstahl, um grande documentário de 1934 que também foi uma peça de propaganda que filmava uma manifestação do partido nazista em Nuremberg, Alemanha?

Olhando para o nosso quintal, devemos espalhar cópias de todos os programas de comédia dos anos 70 e 80 que abusaram do senso de humor ofensivo que hoje parece completamente deslocado? A resposta está no comentário que ocasionalmente aparece nas mídias sociais: um programa como “Os Trapalhões” nunca teria sido feito no século XXI.

Quer saber? Não seria – e felizmente! Isso mostra que há esperança em nossa evolução como seres humanos e que piadas grotescas que eram “a norma nos bons tempos” perderam suas terras em um mundo mais consciente. E não se deixe enganar pelo equívoco de que “somos contra os politicamente corretos”: devemos antes ser contra a ignorância e contra o direito à ignorância!

É por isso que o apelo apaixonado de John Ridley é totalmente fundamentado. E também é inegável que “E o Vento Levou” é uma obra-prima, o pináculo do tipo épico de cinema produzido por Hollywood, que marcou as carreiras de todos os envolvidos. Incluindo a atriz Hattie McDaniel, a primeira atriz negra a ganhar um Oscar, Melhor Atriz Coadjuvante.

Sua vitória na época foi marcada por uma terrível desgraça, porque Hattie, que interpretou a empregada Mammy, não pôde se sentar ao lado dos atores durante a cerimônia: o embaixador do hotel em Los Angeles impôs uma política de segregação racial até 1959. Nós nunca podemos esquecer.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

TURNOZERO.COM PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Turno Zero