Entrevista. Aventureiro português que vai simular a vida em Marte – Observer

Você viaja principalmente a trabalho ou viaja de graça?
Praticamente nunca viajo por prazer. Não vejo razão para gastar dinheiro em viagens de lazer quando posso viajar a trabalho com alguém que paga a conta. O que se tornou um hábito para mim é adicionar dois ou três dias de descanso a praticamente todas as viagens, se possível.

Este é um luxo e uma grande felicidade.
Luxo, muita felicidade, o privilégio de estar nestes locais que costumam ser turísticos. Por exemplo, a Islândia é um lugar onde as pessoas viajam como turistas e vêem a Islândia, que é completamente diferente daquela que acabei de ver. [há umas semanas] viaje com os seus congéneres islandeses, conheça velhos baleeiros e pescadores e, no fundo, mergulhe na cultura de uma forma que não é acessível aos turistas. Um pouco de lazer se perde, mas muito se ganha em termos de realmente vivenciar o lugar em que estamos.

Qual é a história mais incrível que você ouviu nos últimos 20 anos viajando e trabalhando ao redor do mundo?
A partir do momento em que me tornei um pouco mais cauteloso com questões políticas – em minha adolescência – passei a me interessar muito por processos de paz e segurança e jornalismo de guerra. E houve momentos em que eu realmente queria ser um repórter de guerra e acabei em vários lugares onde havia conflito. Obviamente, é muito mais estressante do que eu imaginava e não é algo particularmente interessante, por assim dizer.

Mas foi uma viagem que trabalhei para o Ministério das Comunidades de Cabo Verde, na ilha da Boa Vista. No dia do meu retorno houve um problema com o avião e tive que passar 12 horas no aeroporto com dois idosos, ela estava na casa dos oitenta e ele por volta dos 90. Eram dois repórteres de guerra famosos, Éric e Jeanne Makédonsky. desde o apogeu da independência. E eu passei 12 horas conversando com essas pessoas como se nos conhecêssemos por toda a vida. No voo de Lisboa para Londres, conheci um jornalista português, cujo nome já me foge, mas de quem me lembro ter seguido o Iraque na altura. E, no vôo de Londres para Toronto, eu estava sentado ao lado do jornalista canadense Omar Sachedine. Ao longo da viagem, conheci quatro repórteres de guerra, fiquei fascinado e pensei que o universo estava me dizendo que eu tinha que ser um repórter de guerra. Quando cheguei em Toronto, concluí que não era muito interessante. Na verdade, tive duas ou três experiências que me mostraram que não é uma vida emocionante, é uma vida estressante e provavelmente traumática.

Quer compartilhar conosco alguma experiência desses eventos traumáticos?
Devo ter quase morrido três vezes. Lembro-me melhor quando o presidente do Senegal, que de resto é um país bastante estável, decidiu que não queria partir e houve um motim nas ruas. Eu estava na África Ocidental e decidi passar pelo Senegal – talvez sem saber – porque queria estar lá na época das eleições, sabendo muito bem que as coisas iriam explodir. E, de fato, é. E no final saí, numa situação estranha, onde havia fogos de artifício no meio da rua, tiros de metralhadora e uma corrida de táxi para o aeroporto que jamais esquecerei.

Não acho que às vezes apreciamos o trabalho que nossos colegas jornalistas de guerra fazem, mas acho que eles são algumas das pessoas mais incríveis do mundo.

Bem, passamos para um tópico muito mais ameno para você, que é o narrador. Você tem sobrinhos … Você coloca esse bichinho nele para viagens, documentários e exploração espacial?
Minha irmã me diz que sim, que meu sobrinho Afonso já está começando a ser como eu. Mas também o treinei durante 13 anos: desde muito jovem dava-lhe passagens e aviões e enviava-lhe postais de todo o mundo e bilhetes da China e não sei mais o quê. O Afonso tem uma curiosidade inata e está prevista para este ano a nossa primeira viagem juntos: vamos explorar o interior de Trás-os-Montes de forma profunda, como adoro. É uma viagem que já embarquei e quero ir com ela: basicamente, você vai por estrada na Espanha, e entro novamente em Portugal pela próxima estrada até o final de Trás-os-Montes. Faça um ziguezague na fronteira e pare um pouco nos castelos.

O outro, Matey, é canadense e quer ser astronauta. Como parte dessa missão, testaremos o sistema de comunicação conversando com pessoas próximas a nós. Ele será uma pessoa, por outro lado, testando algo que poderia ser usado pela NASA ou pela Estação Espacial Internacional.

Você diz que quer ter 91 anos para poder ver a humanidade em Marte. Você tem 40 anos, acha que pisaremos no planeta vermelho nos próximos 51 anos?
Acho que sim, porque a medicina está avançando. E acho que deveria chegar lá porque todos os meus avós moravam longe dos 90 anos.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero