Esteira alugada se torna uma alternativa ao exercício durante uma pandemia de coronavírus – 06/06/2020 – São Paulo

Sendo trancados em casa, por medo de serem infectados enquanto andavam na rua, eles levaram muitas pessoas a procurar esteiras, mesmo em março, no início da quarentena causada pelo coronavírus. Dois meses depois, os estoques foram praticamente negligenciados pelas empresas de aluguel de equipamentos, que começam em US $ 120 por mês.

Parques e academias foram fechados, muitos começaram a trabalhar em casa e até perderam a oportunidade de caminhar para o trabalho. A esteira permaneceu, como foi o caso da empresária Nara Moura.

“Eu costumava caminhar para o trabalho, mas trabalho em casa. Tenho histórico de diabetes. Um dos requisitos para manter o equilíbrio é o exercício”, diz ele.

Depois de subir e descer as escadas e pensar em caminhar pela sala, ela optou pelo corrimão. “Precisamos do hormônio da felicidade e o exercício permite”, diz ele.

Por 1 hora e 20 minutos, Nara também gosta de ler enquanto caminha. Também serviu de exemplo para o filho de 15 anos abandonar os jogos virtuais e adotar atividade física. “Minha casa não tem medidores hoje. Tem quilômetros.”

A advogada Claudia Zaitz diz que havia uma sensação de desespero com a quarentena. Então surgiu a idéia de alugar uma esteira. “Você se protege e não precisa parar de se exercitar”, diz ele.

Claudia diz que tentou, mas não conseguiu se motivar com vídeos no YouTube. A pista de corrida veio como uma alternativa. “Prefiro nadar a correr. Já fiz uma maratona na água. Mas correr agora é possível”, diz ele. “Coloquei a música, o telefone e a televisão e desliguei.”

A dona do estúdio de doces, Denise Grunebaum (43), diz que ficou fora da academia por um ano e que a necessidade de se exercitar veio com medo de prisão. “A sensação é de que todo mundo está ficando louco e eu precisava de algo. A fita se tornou essa oportunidade”, diz ele.

Segundo Denise, alguns problemas técnicos com o equipamento interromperam levemente a motivação inicial. “Não gostei muito, mas estou tentando”, diz ele.

O locador diz que o negócio triplicou

O setor de aluguel e venda de cintos está indo contra a crise. As empresas viram um movimento triplo, e os estoques são praticamente iguais.

“É um público que frequenta a academia e não quer perder um treino até voltar. Os que já estão acostumados a isso não pensam duas vezes em alugar”, diz Fernando Benatti, responsável pela Ergolife, que multiplicou o trabalho por três. “Isso só foi possível porque temos uma estrutura de fábrica”.

Segundo Benatti, o movimento crescente tornou possível manter os empregos da empresa. “Esperamos que as pessoas sejam reeducadas para treinar em casa”, diz ele.

Elcio Juniti, responsável pelo marketing de vendas da Evolution Fitness, também viu um negócio triplo. “Quem pede é indivíduo, não academia e apartamento. Até quem odeia se exercitar compra por estar fechado”, diz ele.

A unidade diz que os custos aumentaram por uma razão diferente da demanda. A maioria das peças é importada. “Ao reabastecer o estoque, você paga R $ 6 por um dólar.”

Além das mudanças no público, o tipo de produto também é muito específico, afirmou o coordenador de marketing da New Life, André Tschishar, que recebeu uma enxurrada de links para a pandemia.
“São equipamentos cardiovasculares, como elípticos, elípticos e equipamentos de bicicleta.

O executivo alugou uma academia inteira em casa

Contratar um agasalho para passar com segurança pela quarentena em casa não é suficiente para todos. O CEO (CEO) da empresa Marcelo Grasti (47) decidiu contratar equipamentos para montar toda a academia. “Eu tenho uma pista de corrida, uma bicicleta ergométrica, uma carruagem e um seqüestro de cadeira”.

O filho do executivo, Rafael Grasti, é motorista de carro e isso afetou a possibilidade de uma academia completa. “Ele tem uma rotina de treinamento muito ativa. Também temos um personal trainer que monitora as aulas on-line e ajuda no exercício”, diz ele. “Já havia espaço em casa para montar uma academia. Nada foi feito ”, diz ele.

Segundo Grastić, alugar a academia inteira era metade do preço da academia para toda a família, levando em consideração que sua esposa e a namorada do piloto também se beneficiaram dele e de seu filho. “Acabei cortando custos”, diz ele. “Por outro lado, quando estou cansado, não posso fugir. Paro o carro e vejo a academia esperando por mim”, diz ele.

Os aplicativos ajudam a executar os exercícios sem colocar os pés na rua

Qualquer um dos canais tem mais de 258 mil assinantes Corrida Aérea sabe que o influenciador digital Sérgio Rocha sempre odiou a esteira. Em quarentena e fugindo desesperadamente, ele emprestou o equipamento do ex-aluno de sua esposa, que é professora de inglês. “Eu odeio isso, mas isso se tornou uma necessidade”, diz ele.

O que ele também descobriu foi que o jogo poderia ser mais divertido usando aplicativos que simulam corridas reais, com uma tela na frente da pista, como em um videogame. “É um vício em trabalho”, diz Rocha.

Por meio de outro aplicativo, ele pode conversar com pessoas de qualquer lugar do mundo que se movem pelo mesmo caminho virtual, tornando o treinamento solitário mais interativo.

Suporte também é possível. Em 16 de maio, Rocha percorreu uma distância de maratona (42.195 metros) na pista de corrida e transmitiu ao vivo em seu canal por 10 horas. Ele levantou mais de US $ 13.000 de seus seguidores em doações para a campanha Cidadania Cívica, que transforma dinheiro em alimento para os necessitados.

Correr sem movimento é uma maneira de manter seu corpo ativo

Para quem não pode ou não quer contratar um agasalho, outra opção que surgiu recentemente é praticar corrida estacionária. Não passa de “correr” sem mover, mover braços e pernas de forma síncrona.

Responsável pelo canal Running ManiaMarcel Agarie, 40, no YouTube, diz que foi uma das maneiras de se manter ativo. Ele decidiu ficar em casa mesmo para não desencorajar o isolamento social de seus seguidores. “Comecei a treinar na rua no início de março.

“Mesmo por causa do canal de produção de conteúdo, comecei a procurar maneiras de mudar”, diz ele. “Em corrida estacionária, você pode manter distância movendo sua mão [com aplicativo ou smartwatch]”, Ele diz.

Segundo Agarie, o fisiologista e seu treinador apoiaram a atividade. “As pessoas só precisam ter cuidado com o tempo de exercício. Trabalho 30 minutos por dia e, no final, suo muito ”, diz ele. “Bastante força do bezerro. Ao menor sinal de dor, é melhor parar. E, é claro, respeitar sua condição física”, diz ele.

Atividade física requer cuidados

Seja um agasalho solitário ou uma academia completa, a emoção da atividade física requer alguns cuidados.

Professor visitante de pós-graduação em educação física da Universidade Federal de Santa Catarina, Benedito Sergio Denadai afirma que é necessário estar ciente de fatores como obesidade, pressão alta, diabetes, alterações na concentração de gordura no sangue. Especialmente em pessoas com mais de 40 anos de idade.

“Eles precisarão de uma avaliação clínica e alguma supervisão de especialistas em educação física”, diz ele.
Denadai diz que durante uma pandemia, os idosos podem afetar drasticamente sua saúde. “O grande problema é a inatividade. Ele tem um problema de saúde muito sério. Compromissos de restrição de viagem. Uma pessoa idosa perde a capacidade funcional muito rapidamente. Ele era ativo, fazia compras, passeava com o cachorro e agora não mais. Além do aspecto emocional ”, diz ele.

O professor também lembra que, sem movimento, o corpo perde massa magra e muita gordura.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero