Fazendas de três andares em terras indígenas

Helcio, Carlos César, Norma, Lorena, Paula, Ana Célia, Alexandre, Luis Alberto e José Maurício. Essas nove pessoas são entre si irmãos, genro e primos, todos de uma família tradicional de Pare, Lorenzoni. E todos eles têm algo em comum, exceto sobrenomes: eles são registrados como proprietários de fazendas Reserva indígena Ituna Itatá. No geral, nove locais e 10.000 hectares de área ilegal recebem o nome da família Lorenzoni, segundo o Registro Ambiental Rural (CAR), uma ferramenta do governo federal usada para monitorar o desmatamento em propriedades rurais. A área é equivalente a mais de duas florestas da Tijuca – um parque localizado na cidade do Rio de Janeiro e considerado uma das maiores florestas urbanas do mundo, Impulsionado pela expectativa de que o governo federal transfira “gado” e revogar um regulamento que proteja a região a partir de 2011, predadores de terra desafiam áreas de reserva e atravessam florestas. Em 2019, Ituna Itatá foi o país mais indígena do país.

Possuir terras dentro de uma reserva, uma área protegida por lei, é ilegal, mas tornou-se regra. A família Lorenzoni – que, apesar da coincidência, não tem nada a ver com o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni – É apenas parte do problema. O registro de imóveis em Ituna Itatá chegou ao ponto em que é hoje existem mais fazendas do que terraReserva, que inclui parte dos municípios de Altamira e Senador José Porfírio, possui 142 mil hectares, JE um pouco menor que a cidade de São Paulo, Embora sim, 352.000 hectares de terras privadas em terras indígenas foram registrados no CAR, de acordo com uma pesquisa realizada pela ONG Rede Xingu +. É como 246% da Ituna Itata era de propriedade privada. Esse número só é possível porque o CAR é um sistema auto-iniciado e, em muitos casos, pessoas diferentes afirmam possuir o mesmo pedaço de terra.

O rO registro do CAR em terras protegidas legalmente é um indicador da prática de apropriação de terras. Embora este não seja um documento oficial – por exemplo, no caso da família Lorenzoni, registros de nove fazendas aguardam aprovação – O cadastro é geralmente usado para legitimar a ocupação ilegal de terras. “Nessas circunstâncias, o CAR é um forte indicador de crime. Infelizmente, é muito comum a existência de relatórios falsos”, confirmou. Procurador da República Daniel Avelino, que trabalha no 4º Conselho do Ministério Público Federal, departamento responsável por crimes contra a fauna e a flora.

O progresso da apropriação de terras é preocupante, principalmente porque existem indicações Ituna Itatá é o lar de vários grupos de índios que ainda vivem em completo isolamento na Amazônia. O relatório da Funai de 2016 relatou 26 povos indígenas isolados em todo o país. No caso de Ituna Itata, a nacionalidade ou população dos índios que vivem na reserva não é clara. Os estudos realizados pela Funai nos últimos nove anos ainda não foram concluídos. Na ausência de um nome, os índios Ituna Itata foram identificados como “isolados de Igarapé Ipiaçava”, em relação à vazão do rio Xingu que atravessa a região.

& nbsp

À medida que a terra é atacada, o desmatamento aumenta. Até 2010, não havia registros de desmatamento dentro da reserva. As taxas começaram a subir a partir daquele ano – aparentemente como resultado da construção da usina de Belo Monte, que fica a cerca de 70 km da reserva. A fábrica começou a impulsionar a economia da região, atraindo migrantes e incentivando a especulação imobiliária, com um claro impacto ambiental. Num Danificado 0,2 km² em 2011, Ituna Itatá cresceu para 16 km² em 2018. No ano passado, 120 km² foram florestados, segundo dados do sistema Inpe Prodes – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. A reserva concentrou quase 30% de todo o desmatamento nos países indígenas em 2019.

Para o advogado Daniel Avelin, advogado subespécies e desmatamento em Ituna Itata têm acelerado desde 2018, entre outras coisas, devido à expectativa de que o governo federal revogue um decreto que restringe o acesso a terras indígenas. Isso ocorre porque a aprovação da reserva ainda não foi concluída, procedimento pelo qual a Funai é responsável. Enquanto isso, existe uma solução temporária: e a Portaria sobre Restrição de Uso, aprovada em 2011 e atualizada posteriormente. A última reforma ocorreu em janeiro de 2019.

“Esta área de Ituna Itata, se não for aprovada, é mais vulnerável do que outros países indígenas”, explica ele Paulo Barreto, engenheiro florestal e pesquisador sênior do Imazon, Uma ONG dedicada ao desenvolvimento sustentável da Amazônia. “E agora o discurso genérico de Bolsonaro contra os nativos torna ainda pior, enfraquece o que já existia lá. É por isso que alguns atores políticos da região se sentem mais poderosos do que realmente são”.

Um desses atores políticos da região é Edward Luz, antropólogo e companheiro. Em fevereiro deste ano, agentes do Ibama o prenderam em Ituna Itati quando tentaram impedir uma operação para remover animais criados ilegalmente em terras indígenas. Luz se filmou, dizendo que estava lá para cumprir a ordem do ministro Ricardo Salles, a quem ele havia conhecido alguns dias antesSalles, por sua vez, afirmou que A operação no Ibama foi legal, mas ele alegou que a agitação sobre Itun Itat foi resultado de “incerteza jurídica”. “Tem que ser definido. Ou realmente existem pré-condições para que se torne [terra demarcada] ou não, e revoga a medida. “

a maioria das terras registradas pelos Lorenzons na terra indígena de Ituna Itatá é do mesmo tamanho: cerca de 1.400 hectares. Essa é uma configuração comum em terrenos destinados à captura ou terrenos ocupados ilegalmente. De acordo com as leis do país atualmente em vigor no país, terras ocupadas ilegalmente que têm até quinze módulos de expansão fiscal – o equivalente a cerca de 1.500 hectares – podem ser regulamentadas pelo governo sem a necessidade de licitação. Tantas vezesUm grande pedaço de terra é parcialmente registrado no CAR, em fatias inferiores a 1.500 hectares, para que no futuro possa ser regulado por descontos e sem a necessidade de leilão público.

“É uma configuração muito comum. O CAR foi criado para monitorar a terra e ajudar a combater o desmatamento, mas tornou-se um instrumento para iniciar a apropriação de terras. O governo deve verificar esses dados e dizer que é ilegal possuir terras nessas áreas, mas isso geralmente não acontece “, disse ele. Paulo Barreto, do Imazon.

O CAR é do governo federal e é coordenado pelo Serviço Florestal Brasileiro. A rigor, o sistema possui filtros que detectam se o terreno está registrado em uma área protegida – e, quando isso acontece, o proprietário é notificado. Mas a aplicação desses filtros é uma escolha para os governos de cada estado. Em comunicado, a Secretaria de Meio Ambiente do Pará afirma que bloqueia automaticamente todos os registros do CAR obtidos nas áreas de armazenamento. Portanto, as propriedades agrícolas registradas nessas áreas estão listadas em andamento. Os dados não são rejeitados imediatamente, portanto há uma “análise de possível fraude”. No entanto, como não há coordenação direta com os órgãos de supervisão ou com o Ministério público, eles buscam essas informações.

É isso Advogado Daniel Avelino. “O CAR foi criado de forma declarativa, assim como o imposto de renda. Acontece que, no caso de impostos, o IRS possui um sistema de auditoria muito eficaz, que vai além de todos os dados e permite detectar fraudes. Deveria haver a mesma estratégia no CAR, mas requer um laboratório geoespacial com tecnologia de verificação de registro. “, afirmou. “O governo federal tentou transferir essa responsabilidade para os estados há alguns anos atrás, mas eles não cumpriram. Portanto, hoje há uma quantidade enorme de registros sem estimativa”.

O Ministério Público Federal anunciou nesta semana um elevação que identificaram 9.900 registros do CAR sobrepondo países indígenas no Brasil. O Pará cuida, com 2.300 propriedades em áreas indígenas. Metade disso está em terras que ainda não foram aprovadas, mas estão sob uso limitado, como Ituna Itatá.

Enquanto isso, a Funai está trabalhando em uma ocupação mais flexível de terras indígenas não aceitas. Em 16 de abril, a Fundação emitiu uma declaração normativa promovendo emendas à Declaração sobre o Reconhecimento de Fronteiras (DRL), um certificado usado pelos proprietários para provar que suas áreas não atacam áreas indígenas. A instrução levou em consideração apenas países indígenas nativos. A conseqüência é que as pessoas que ocupam terras indígenas não aprovadas podem reivindicar a posse oficial dessas terras, como é habitual em qualquer outra área. O Ministério Público Federal entrou com uma ação para derrubar a nova regra, e o Tribunal Federal de Mato Grosso aceitou o pedido. A lição normativa foi suspensa até agora.

Puas são todas fazendas da família Lorenzoni listadas no sistema nacional do CAR, conforme registrado em 2015. As florestas florestais foram registradas em pelo menos três delas, de acordo com imagens de satélite fornecidas pelo Imazon, mediante solicitação PiauíNa figura abaixo, há fazendas familiares verdes quase completamente cobertas de floresta. Os locais de avermelhamento foram desmatados em Ituna Itatá até 2011 e depois até 2018.

Imagens de satélite do Imazon

Os Lorenzons são uma família conhecida por Altamira e cidades próximas Brasil Novo e Senador José Porfírio. Eles estão espalhados em várias frentes de negócios. Carlos César Lorenzoni – em cujo nome está registrada a fazenda Rio Maria – é o fundador da Construtora Lorenzoni, que se autodenomina a maior empresa de construção em Altamira. Sua irmã Norma Lorenzoni – proprietária da fazenda Nossa Senhora Aparecida – é parceira da empresa, que possui um capital social de US $ 14 milhões. Eles são especialistas em construção de estradas. No início deste ano, porém, Norma se tornou alvo de uma ação civil pública que investigava irregularidades na construção de uma rodovia em Pacaja, uma cidade a leste de Altamira., O Os promotores públicos acusam a Construtora Lorenzoni de receber um salário integral do governo – três milhões de dólares – e entregar apenas parte do trabalho, mesmo em condições precárias. Meses depois, em abril, a Construtora Lorenzoni foi alvo de um novo processo por violar a lei. Desta vez, o MP acusou a empresa de irregularidades nas obras de pavimentação em dezessete municípios do interior do estado. O total de contratos custa mais de US $ 44 milhões no total.

Além da construção civil, a família também possui armas na indústria da madeira. O marido de Norma, Helcio Lorenzoni, é sócio da Serraria São José, registrada em Altamira desde 1985. O empresário Paulo Lorenzoni, falecido em 2009, era dono de Lorenzo Artefatos de Madeira, e ele deixou para seus herdeiros um inventário extremamente rico, que teve que ser contestado em tribunal. Nas audiências realizadas em 2011, sua viúva lutou com outros membros da família para possuir sete lotes em várias cidades do Pará, além de uma plantação de 14.000 cacaueiros nas margens do rio Bacajaí e cerca de 2.000 cabeças de gado. A isso foram adicionados catorze caminhões, uma carregadeira de sete rodas, três tratores e dois reboques.

Piauí tentou entrar em contato com Lorenzoni, mas não recebeu reembolso. Funcionário da Lorenzoni Autoparts – empresa registrada em nome de Ana Célia Lorenzoni – indicou que o presidente da Associação dos Produtores de Indústrias Rurais e Agrícolas do Vale do Bacajaí (Asprub), Pedro Ferreira do Nascimento, próximo à família, poderia falar. Nascimento negou que os Lorenzon tivessem cometido algum crime. Segundo ele, a família registrou o terreno no CAR antes de 2011, quando o acesso à região ainda não havia sido proibido. Na época, Ituna Itatá era apenas uma fração da chamada Gleba Bacajaí, uma área de 298.000 hectares localizada entre Altamira e o Senador José Porfíri. Por volta de 2006, ele disse, Lorenzoni comprou a terra de um estaleiro. Eles pagaram uma “bagatelinha”. Pouco depois, em 2008, a terra deixou de ser considerada uma área vazia – ou seja, sem destino para órgãos do Estado – e foi incluída nos países do governo do Pari. Foi só então que a família Lorenzoni solicitou a edição (ou seja, compra e título) da terra que ocupava.

“Tudo isso foi feito até 2010. Nossa idéia era criar um projeto sustentável, fazer ciúmes ao primeiro mundo. Vamos plantar cacau e agricultura rotativa, juntamente com arroz, feijão, farinha “, disse Nascimento. Como presidente da associação, ele era responsável por liderar o processo de paisagismo com O Iterpa, o instituto de terras do Páre, ainda mantém os documentos enviados hoje, provando que Lorenzoni e dezenas de associados da Asprub estavam realmente interessados ​​em comprar essas terras. Em 2008, José Maurício Lorenzoni – então vice-presidente da Aspruba – contratou uma empresa para georreferenciar 72 lotes associados, cobrindo uma área de 70.000 hectares.

“Pagamos para fazer estudos topográficos, georreferenciamento e tudo mais. Mas, para nossa surpresa, o decreto da Funai foi lançado em 2011. E, em seguida, 68% das terras de nossos associados começaram a ficar restritas ao uso porque estavam em um país indígena ”, disse Ferreira do Nascimento, agricultor de 62 anos de Altamira. ele, como muitos produtores da região, é contra a existência de Ituna Itata. ”Essa reserva foi feita por interesse político. Eu conheço todo esse país, não há mulher indiana isolada lá. Isso é irrelevante. E a Funai deveria terminar após dois anos de análise, mas eles não seguiram sua palavra “, afirmou. Segundo ele, devido à criação de terras indígenas, os processos de resgate dessas áreas foram paralisados ​​em Iterpi até hoje.

Segundo Aspruba, o desmatamento foi registrado nos países de Lorenzoni, foram feitas por predadores terrestres que começaram a atacar a região nos últimos anos. Ele ainda está mantendo um relatório policial que denunciou à polícia federal de Altamira em 2014, negando sinais de invasão da terra natal. Segundo Ferreira do Nascimento, os dados do CAR, que permanecem ativos, significavam que ele e outros agricultores eram responsabilizados e punidos injustamente por esses crimes. “Nessas áreas, existe uma facção criminosa de grilagema que assustou e forçou nossos associados a concorrer por muitos anos. Até o cancelamento do CAR, qualquer crime que ocorra em Gleb Bacajaí cairá sobre os colaboradores. Tenho mais de quarenta relatórios policiais registrados na Polícia Civil de pessoas que se defendem de crimes que não cometeram. “A frequência dessas multas, disse ele, aumentou desde 2018.

Até o momento, os CARs não foram cancelados e estão listados no site do Departamento de Proteção Ambiental do Pará. Nascimento disse que ainda não tinha conseguido acessar o registro, mas que na semana passada pediu ao secretariado que liberasse uma senha para todos os CARs registrados em nome dos membros do Asprub. Ele afirmou que, assim que receber as senhas, desativará os registros.

As nove fazendas declaradas pela família Lorenzoni em Ituna Itati foram registradas pelo mesmo engenheiro florestal: Jorge Luiz Barbosa Corrêa. Ele é responsável pela maioria dos registros feitos no país de origem, de acordo com uma pesquisa realizada em 2018 pela rede Xingu +. Ao todo, já confirmou o registro de 62 propriedades na reserva, totalizando 89 mil hectares de terra, o equivalente a mais de 22 florestas da Tijuca.

Corrêa tem um histórico de processo por crimes ambientais. Em 2007, o Ministério Público Federal o acusou de manter 57 trabalhadores em condições semelhantes à escravidão na conspiração de Gleb Pacoval, localizada na pequena cidade de Uruará, a oeste de Altamira. De acordo com a denúncia, os funcionários são contratados para realizar inventários florestais, picos abertos e catalogar espécies, preparando o terreno para uso futuro em agricultura extensiva. Eles moravam, segundo o MPF, em cabanas de lona, ​​sem saneamento e com acesso limitado a água e alimentos. Quase dez anos depois, em 2016, Corrêa foi condenada pelo Pravda a cinco anos de prisão e multa. Ele se declarou inocente e recorreu ao Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1).

O engenheiro também foi alvo da ação civil pública do MPF em 2013, sob a acusação de servir como gerente técnico fantasma de empresas que vendem madeira e carvão ilegais em Paris. foi rejeitado em primeira instância. O Ministério Público do Estado interpôs recurso, e o caso está agendado para o TRF1 em 24 de junho. Já em 2013, o departamento de meio ambiente do Pará condenou Corrê no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado (CREA-PA), mas o caso não avançou. O conselho decidiu apenas por um aviso. Hoje, apesar de suas crenças e reclamações, o engenheiro florestal tem seu registro profissional ativo e pagamento de anuidades.

Ele perguntou PiauíCorrêa enviou uma nota assinada por seu advogado. Ele nega as acusações do judiciário e alega que, como o CAR é apenas um procedimento de declaração, os proprietários da terra são responsáveis ​​pela adequação dos documentos. De acordo com o texto, Corrêa não está familiarizado com os esquemas de compra e venda de terras na região e “apenas realizou trabalhos técnicos apoiados em documentos de propriedade, respeitando os padrões agrícolas e ambientais”.

EEmbora seja o mais prolífico, Jorge Luiz Corrêa não é o único engenheiro florestal a ter um recorde em Ituna Itati. A nota técnica publicada pela Funai em julho de 2018, com base em denúncia da rede Xingu +, chamou a atenção a ocorrência de disputas entre engenheiros de registro de terras. A maior prova disso é a sobreposição de diferentes registros de CAR no mesmo campo. Embora em alguns casos pareça haver uma “divisão” da área – um engenheiro registra fazendas ao sul do país indígena, enquanto o outro fica do norte – há situações de disputa aberta.

No mapa abaixo, cada polígono corresponde ao CAR registrado em Ituna Itatá. As áreas registradas por Jorge Luiz Barbosa Corrêa (lilás) dominam as partes central e norte do país indígena. Na parte sul do domínio pertence a outro engenheiro florestal (azul claro). No entanto, existem disputas aparentes: duas engenheiras (cujos registros são mostrados em um mapa nas áreas com listras azuis e amarelas) confirmaram o CAR em áreas onde também existem registros em nome de Jorge Corrê e outro colega.

Imagem na reclamação de rede do Xingu +

“Consideramos muito provável que haja pelo menos dois grupos de interesse na região, que promoveriam a abertura de limpadores florestais para limitar áreas de domínio e estabelecer ocupação pré-competitiva”, confirmou. Rede Xingu +, em uma reclamação endereçada à Funai. O grupo apontou o risco de que essa disputa se transformasse em confrontos violentos e recomendou, à luz disso, “ações de inteligência da polícia de massa” para impedir o avanço dos grupos grileiros. A Funai apoiou a recomendação.

Um pouco mais de um ano depois, em agosto de 2019, a equipe de mineração da equipe do Ibamat foi morta pela equipe da Polícia Federal do Ibama durante uma operação de inspeção em Ituna Itati. Desde então, o Ibama realizou ações mais marcantes na região. No início deste ano, ele ativou uma base de inspeção fixa em Altamira. A conseqüência disso pode ser medida em pouco tempo: o desmatamento dentro da reserva, que tinha 1.000 hectares em janeiro, foi praticamente cancelado em fevereiro, março e abril, de acordo com o Imazon Forest Alert System (EUA).

Em uma espécie de recompensa, os inspetores do Ibam diretamente responsáveis ​​por essas operações foram dispensados ​​de suas posições. Dias após a reunião ministerial de 22 de abril, quando Ricardo Salles propôs a transferência do “gado” para a legislação ambiental estadual, o presidente do Ibama, Eduardo Fortunato Bim, retirou Hugo Lossa do cargo de coordenador de operações de inspeção. Salles, por sua vez, ficou encarregado de liberar o chefe da Loss, coordenador geral da inspeção, Renê de Oliveira. Ambos permanecem no Ibama, mas em outros papéis. O Ministério da Proteção Ambiental foi contatado, mas não respondeu Piauí pelas razões que justificam a libertação do inspetor.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

TURNOZERO.COM PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Turno Zero