Fernández pela primeira vez com Bolsonar pede o fechamento de lacunas entre governos para uma maior integração regional – 07/02/2020 – Mundo

Na primeira cúpula do Mercosul, realizada por videoconferência, devido a pandemia do coronavírusO Paraguai transferiu a presidência interina do bloco para o Uruguai nesta quinta-feira (2).

O encontro também marcou a primeira vez em que os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro e Argentina, Alberto Fernández, se encontraram, embora de maneira virtual.

Ambos os representantes trocaram pistas durante a campanha eleitoral da Argentina no ano passado, quando Bolsonaro apoiou o então presidente Mauricio Macri.

O líder brasileiro não chegou a posse de Fernández e, mesmo após mais de seis meses do mandato da Argentina, não manteve um diálogo direto com o chefe de Estado, o vizinho mais importante do Brasil.

Durante a cúpula, enquanto Bolsonaro mencionou apenas as dificuldades causadas pela crise do Covid-19, o tópico foi o principal tópico abordado por Fernández.

Bolsonaro leu seu discurso acompanhado pelo chanceler Ernesto Araújo e pelo ministro da Economia Paul Guedes. Nele, ele ressaltou que o Brasil está progredindo nas reformas para atrair investimentos e disse que a seguridade social é uma “conquista histórica”.

Ele também disse que instruiu funcionários do governo a “desfazer opiniões distorcidas sobre o Brasil” no exterior, elogiou a liderança interina do bloco no Paraguai e desejou boa sorte a Luis Lacalle Pou. O presidente uruguaio, que assumiu o cargo em março, fez sua estreia nas reuniões do Mercosul.

Bolsonaro concluiu dizendo que esperava que a Venezuela “continuasse no caminho da liberdade”.

Alberto Fernández, por outro lado, falou de uma sala de audiência virtual instalada na residência de Olivos em Buenos Aires. Ele foi preso por causa de recomendações médicas depois que pessoas próximas a ele o infectaram com o coronavírus.

Durante seu discurso, ele tratou basicamente da pandemia e da idéia de que “é necessário fortalecer a idéia da América Latina como um país único, como foi a ideia de [Simón] Bolívar e [José de] San Martín ”, os heróis da independência de vários países hispano-americanos.

Ele também afirmou que o coronavírus “anulou tudo, apareceu de repente e virou o mundo de cabeça para baixo”, enfatizando que a crise econômica que se seguiria não seria apenas da Argentina, mas de todo o bloco. “A crise que está por vir será global e com dimensões que nunca vimos antes”.

Portanto, ele argumenta, a integração regional deve se concentrar na remoção de “arestas” entre as relações governamentais.

“O encontro no Mercosul é um encontro de nossos povos. Deve ser apresentado aos que governam hoje”, exigindo que a questão ideológica permaneça no pano de fundo das discussões.

Fernández também evocou o espírito da fundação do bloco “, o esforço original do ex-presidente Raúl Alfonsín [Argentina] e José Sarney [Brasil], depois acompanhado pelo Uruguai e Paraguai “.

Abdo Benítez, presidente do Paraguai, falou dramaticamente sobre o coronavírus, dizendo que a pandemia é um “flagelo” para a região e que será necessária uma total integração regional para reativar nossas economias.

Como um bom exemplo, ele deu a integração da indústria automotiva e o aumento do comércio digital.

Em seu discurso introdutório, o uruguaio Lacalle Pou disse que não podemos ser “merco-pessimistas” ou “merco-otimistas”, mas “merco-realistas”, e que uma das prioridades será refinar as divergências nas discussões sobre o acordo de bloco com a União Europeia.

Após discursos introdutórios, os presidentes retomaram uma reunião interna, à qual a imprensa não teve acesso.

Nos últimos seis meses, esse bloqueio ocorreu em segundo plano, pois a paromia do coronavírus se tornou uma preocupação regional.

Assim, a Argentina anunciou no final de abril que se afastaria das “novas negociações” do bloco com outros países, e o governo Fernández colocou reservas no Mercosul assinado, mas ainda não aprovado com a União Européia.

Na abertura da cúpula nesta quarta-feira (1), o chanceler argentino Felipe Solá reiterou que essa posição não significa a retirada da Argentina do Mercosul, mas que o país só será mais exigente devido ao impacto de novos pactos possíveis.

O Uruguai está assumindo a presidência do bloco após uma crise interna no topo do governo, iniciada há algumas semanas, quando o ministro das Relações Exteriores do país, Ernesto Talvi, recebeu informações de Lacalle Pou que ele seria destituído do cargo.

Em uma reunião do chanceler na quarta-feira, Talvi anunciou sua demissão nas mídias sociais.

Um membro do partido no Colorado e ex-candidato à presidência enfrentaram diferenças em relação a Lacalle Pou, do Partido Nacional. Talvi pretende presidir a parte à qual ele pertence, e isso seria impossível diante do Ministério das Relações Exteriores.

Seu governo como chanceler, no entanto, foi muito elogiado pelo repatriamento bem-sucedido de uruguaios no exterior durante a pandemia de coronavírus e por trabalhar com estrangeiros que foram inicialmente impedidos de embarcar em cruzeiros no porto de Montevidéu.

Talvi organizou o resgate e o repatriamento por meio de uma operação médica e logística que foi considerada um sucesso.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero