“Fico feliz em ver a força de nossa cultura”, diz Antonio Pitanga sobre Cannes – 6.8.2020. – Ilustrado

Não foi surpresa quando a “Casa de Antiguidades” estava na seleção oficial do Festival de Cannes deste ano, impedida de acontecer devido a uma pandemia de coronavírus. Lançada na semana passada, a lista confirmou a intenção do filme brasileiro de aparecer na Croisette – mesmo que, agora, isso não seja mais possível.

O primeiro longa-metragem de João Paul Miranda – já premiado na Riviera Francesa pelo curta de 2016 “A Garota que Dançou com o Diabo” – agora faz parte de um seleto grupo de 56 produções que podem receber o selo de aprovação de Cannes, mesmo que não há disputa para Palme d’Or este ano.

“Casa de Antiguidades” mostra o veterano Antonio Pitang como trabalhador que foi transferido para um pequeno assentamento austríaco no sul do Brasil. Imerso naquela comunidade de cabelos loiros e olhos brilhantes, o personagem não tem lugar, enquanto o racismo ecoa pelas paredes da fábrica onde ele trabalha.

Segundo o ator, não houve melhor momento para anunciar a seleção em Cannes. O prestígio de sua aparição na lista é para ele uma resposta à indiferença do atual governo em relação à cultura.

“Estou extremamente honrado por esse selo e, com ele, entendo que toda a minha vida profissional, no campo da arte, teve resultado, mesmo em um país desonesto, onde a cultura não faz parte de um projeto do governo”, diz Pitanga. “Fico feliz em ver o poder da nossa cultura transcendendo o Brasil e se mudando para o exterior para um dos festivais mais importantes do mundo”.

Na véspera de seu 81º aniversário, em 13 de junho, Pitanga recebeu a notícia da “Casa de Antiguidades” como presente de aniversário. “E eis que eu era a Palme d’Or”, brinca, falando sobre sua participação no filme “O Pagador de Promessas”, que ganhou o maior prêmio do Festival de Cinema de Cannes de 1962.

O ator coloca o novo filme no mesmo nível de algumas de suas obras mais importantes, até para abordar um tópico que é tão caro para ele, como o racismo. “Para mim, este é o novo ‘Barravento'”, diz ele sobre o primeiro fantasma de Glauber Roch, que também estrelou em 1962. ” É um filme tão humano, realista e atual. Parece-me um discurso que fiz na década de 1960, contra o racismo, a perseguição, a invisibilidade. Mas terminamos em 2020. “

No entanto, ele comemora as mudanças pelas quais eles passaram, especialmente nos últimos dias, com o movimento Black Lives Matter e seus protestos que envolveram o mundo já febril sobre Covid-19. De particular valor é a aliança que criou o caso, e “negros, brancos e pardos foram às ruas e gritaram por justiça”.

Pitanga assistiu horrorizado um vídeo no qual um policial branco americano estrangulava George Floyd, um homem negro, com o joelho. “Esta morte, a maneira como aconteceu e a tragédia que representa, representa uma revolução, deve trazer mudanças – e eu quero acreditar que sim.”

Por trás das manifestações de horror e indignação que se seguiram ao assassinato de Floyd, Pitanga enfatiza que há séculos a invisibilidade da população negra existe, tanto nos Estados Unidos, no Brasil quanto no resto do mundo.

“Eu sempre digo que a conta não fecha. Nos meus dias, havia poucos negros em evidência na cultura, e hoje a porcentagem ainda está abaixo. Então, eu acho que tenho Lázaro [Ramos], Camila [Pitanga, sua filha]Tais [Araújo]Juliana [Alves]Fabricio [Boliveira] é muito significativo porque cada um vale mil. Eu já disse em Barravent que toda pessoa negra que se liberta libera um milhão. É o que vemos hoje e devemos manter essa aspiração por democracia e justiça. “

Pitanga é como unir cultura e política. Ele conversou com um repórter esta tarde, preocupado com a votação do projeto de lei Aldir Blanc, que aloca três bilhões de dólares para ajudar a cultura em meio a uma crise, aprovada pelo Senado no mesmo dia e co-autor da congressista Benedita da Silva, sua esposa.

Mas o progresso do projeto soprou brevemente no contexto político que o assusta. “Estamos no caminho da ditadura. Eu já experimentei isso antes, assistimos a este filme. “As coisas estão caminhando nessa direção”, disse ele.

“Se você colocar um homem negro na Fundação Palmares, e ele é pior que o prefeito, dizendo coisas que até alguns brancos teriam vergonha de dizer, tudo pode acontecer”, diz ele sobre a nomeação de Sergio Camargo como instituição. “E essa indicação vem de um presidente racista e homofóbico que não gosta de mulheres, negros, gays”.

Mas o ator espera que, para as gerações mais jovens que “emitem coisas positivas”, o cenário delineado no Brasil tome uma direção diferente, assim como as injustiças dirigidas a grupos considerados minorias.

Entre caminhadas diárias, livros que ele devorou ​​e olhos cuidadosos com o que está acontecendo no Brasil e no mundo, Pitanga encontrou tempo, atualmente isolado, para preparar seu próximo projeto.

Assim que as restrições sociais forem atenuadas, ele pretende começar a filmar “Malês”, um filme sobre a rebelião de escravos no Brasil por Império, que ele dirige e estrela. Ele é seguido no vídeo por seus filhos, Camila e Rocco Pitanga.

“Deve ser um épico, porque um levante como esse deve ser filmado com todo o seu poder e a verdade do evento. Pouco se sabe sobre essa história que dá liberdade à igreja aos negros em 1835. E agora voltamos a isso em 2020”.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero