Grande luta pela morte de uma mulher grávida

MeuApós a morte de uma mulher grávida, dezenas de milhares de pessoas em toda a Polônia lutaram contra a rígida lei do aborto em seu país. Durante os protestos de sábado na capital, Varsóvia, em outros lugares, eles gritaram “Ninguém está mais lá” e mantiveram fotos de Isabella, de 30 anos, que morreu no hospital. Ela é a primeira vítima de uma proibição quase total do aborto, que está em vigor há um ano, de acordo com grupos de direitos das mulheres.

Isabella morreu no Hospital Pszczyna, no sul do país; Ela estava grávida de 22 semanas com problemas graves. “Os médicos estavam esperando que o feto morresse. O feto está morto, a paciente está morta, o choque séptico ”, explicou a advogada da família Jolanda Butsovska.

O destino de Isabella intensificou as repetidas lutas contra a proibição quase total do aborto, que já existe há um ano. Ewa Pietrzyk, 40, da agência de notícias AFP, disse em um comício em Varsóvia: “Vim aqui para que nem uma única mulher pudesse estar em perigo.” A lei atual mata mulheres “.

Com o apoio do governo, a Suprema Corte também declarou em outubro do ano passado que o aborto de fetos gravemente deformados era inconstitucional, endurecendo ainda mais a já altamente restrita lei de aborto na Polônia. Desde então, houve repetidos protestos em massa contra o veredicto, que se intensificaram no aniversário do veredicto e na morte de Isabella.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero