Informar as pessoas pobres de maneira incompreensível diminui o desenvolvimento, diz Nobel for Economy – 13.06.2020. – Mercado

As informações transmitidas de maneira incompreensível para os mais pobres podem ser um obstáculo maior ao desenvolvimento econômico do que a falta de tecnologia ou o interesse do governo.

Essas são algumas das conclusões que o economista americano Michael Kremer, professor da Universidade de Harvard, tira de seu trabalho em avaliação de políticas públicas, que lhe rendeu o Prêmio Nobel de Economia, juntamente com Esther Duflo e Abhijit Banerjee em 2019.

Três foram identificados como um indicador de que experimentos semelhantes aos testes de eficácia de medicamentos em medicina podem ser usados ​​para medir o impacto de soluções em problemas como dificuldades de aprendizagem.

Nos últimos anos, a Kremer se concentrou no desenvolvimento de tais mecanismos para aumentar a eficiência de pequenos produtores rurais em países da África e Ásia.

Assim como pesquisas antigas de economistas mostraram que os livros didáticos ajudam um pouco os estudantes pobres, se eles não entendem seu conteúdo, suas pesquisas recentes mostram que muitos agricultores não entendem a linguagem técnica das instruções oferecidas pelos governos.

“Houve um caso em que eles deram diretrizes com base no pH [nível de acidez] a partir do solo. Bem, os agricultores podem não saber qual é o pH e certamente não sabem qual é o pH em seu solo “, disse Kremer em entrevista ao Folha.

Em parceria com o Instituto Interamericano de Cooperação Agrícola (IICA), o economista agora trará ferramentas para a América Latina que ele testou em países como Quênia e Índia.

Na semana passada, ele participou de um intenso programa de reuniões com representantes do UCA e de uma discussão on-line com Manuel Otero, presidente da instituição.

Nessas reuniões, ele ressaltou que a crise do coronavírus pode servir de incentivo para o uso mais intensivo de tecnologias simples, via telefones celulares, na comunicação com pequenos produtores.

O Prêmio Nobel também está envolvido em uma iniciativa que busca convencer governos e empresas a investir pesadamente na busca de uma vacina contra o Covid-19, bem como nas fábricas que a produzem.

“Este é um investimento que os países de renda média também devem fazer”, diz o Prêmio
Prêmio Nobel de Economia.

Quais são os principais fatores que suprimem o aumento da produtividade dos pequenos agricultores nos países pobres e em desenvolvimento?

Grande parte da pobreza do mundo está concentrada nas áreas rurais. Existem muitos fatores que afetam a renda na agricultura, como acesso à terra, educação limitada, mas também informações.

Nesse contexto em que a tecnologia agrícola está mudando, seja devido ao surgimento de novos meios de produção, novas pragas e mudanças climáticas, os agricultores precisam ter acesso à informação e às melhores recomendações científicas.

Tradicionalmente, essas informações são fornecidas por agentes de instituições oficiais de alargamento [formação] que visitam pessoalmente os agricultores. Este é um canal muito importante, mas muito caro.

A maioria dos agricultores possui telefones com os quais pode obter informações sobre as mais recentes evidências científicas, adaptadas aos desafios específicos que afetam suas regiões, as sementes que usam, as condições climáticas e o momento da colheita.

Os telefones celulares são uma ótima ferramenta para alcançá-los no momento em que o Covid-19 nos dá um incentivo extra para usar as tecnologias disponíveis para comunicação remota.

A linguagem da ciência é geralmente complicada e, nas áreas rurais, especialmente as mais pobres, existe uma barreira educacional. Como resolver isso?

Trabalhamos muito em países da África Oriental, como Quênia, Etiópia e Ruanda, e com outros colegas da Índia e do Paquistão. Existem abordagens que envolvem mensagens de texto, dependendo do nível de alfabetização, mas também outras que envolvem mensagens de voz.

É possível ter sistemas através dos quais os agricultores recebam mensagens de voz, e eles podem até pré-selecionar tópicos que lhes interessam ou interessam, o idioma de sua preferência.

Com outros pesquisadores, temos evidências científicas de enormes lucros em termos de custos e benefícios que eles podem ter com as tecnologias existentes.

Em conversa com Manuel Otero, M.Sc. ele disse que era função dos economistas procurar evidências e que a ciência política responderia à forma como os governos reagem a ela. Os economistas não deveriam se preocupar com essa questão de crença do governo?

No início, em minha carreira, pensei que era cínico demais em relação aos governos, o que pode parecer estranho, porque as pessoas geralmente começam a idealizar, e então enfrentam a realidade nos governos e se tornam cínicas.

Porém, neste caso da agricultura, constatamos, com muita consistência, que os governos geralmente reagem às evidências.

Bem, para ser um pouco cínico, acho que os governos têm interesse em agradar os agricultores, porque há muitos votos nas áreas agrícolas. Mas se houver algo barato, eles estão interessados. Se é caro, talvez não.

Mensagens de telefone celular são baratas. E acho que as pessoas nos ministérios da agricultura realmente se importam, querem transmitir o conteúdo certo. Mas as autoridades nessas áreas escrevem mensagens muito técnicas, que os agricultores acham difícil de entender.

Como você ajudou nisso?

Conduzimos muitos grupos focais com os agricultores para descobrir quais mensagens eles entendem. Muitos governos tinham dados que também nos ajudaram. Testamos as idéias para descobrir o que funcionou.

Na Índia, o governo deveria lançar um programa abrangente para distribuir dados de qualidade do solo aos agricultores. Fizemos entrevistas com eles e descobrimos que ele existe
entendeu esse conteúdo.

De maneira complicada, eles apresentaram muitos dados, mencionando unidades que os agricultores não conheciam. Por isso, trabalhamos com o governo para criar mensagens telefônicas muito simples e isso aumentou drasticamente o entendimento.

Não houve resistência do governo porque eles viram as evidências. Mas tenho certeza de que existem outros problemas diferentes quando grandes interesses financeiros, corrupção ou outra coisa estão envolvidos.

Em um estudo antigo do sr. eles descobriram que os livros didáticos melhoram o trabalho apenas dos melhores alunos. Poderia haver um problema comum, a comunicação incompreensível, que interfere em diferentes áreas, como educação e agricultura?

Sim, nos primeiros trabalhos em que estive envolvido, descobrimos que um livro publicado pelo Ministério da Educação em escolas muito pobres do Quênia estava ajudando estudantes que já estavam entre os melhores, mas não os típicos.

Com o tempo, outros pesquisadores mostraram que os alunos não podem aprender, mas precisam desenvolver materiais com base no que já sabem. A partir daí, eles poderão obter o conteúdo mais avançado e avançar no aprendizado.

Eu acho que existe uma analogia com a agricultura. Houve casos em que o serviço de informações por telefone deu instruções sobre o que um agricultor deve fazer com base no pH do solo. Bem, os agricultores podem não saber qual é o pH e certamente não sabem qual é o pH no solo. Mas se você desenvolver uma mensagem compreensível, ela terá um impacto maior.

No Brasil, os pequenos agricultores têm dificuldade em alinhar a produção com o mercado consumidor. As mensagens de texto podem ajudá-lo com isso?

No Quênia, uma grande empresa açucareira deveria fornecer fertilizantes e sementes aos agricultores. Mas às vezes isso é atrasado ou não é entregue devido a problemas de gerenciamento interno. Assim, eles criaram uma linha telefônica cujo objetivo não era enviar conteúdo aos agricultores, mas coletar informações deles. Isso levou a uma queda drástica nas falhas de entrega.

Há um estudo muito interessante de Robert Jensen que analisou o mercado de peixe. Os pescadores, ainda no mar, agora podem ligar para os mercados e descobrir preços através de telefones celulares. Isso lhes permitiu ganhar mais dinheiro e também beneficiou os consumidores. Haverá benefícios ainda maiores quando, por exemplo, não apenas fornecemos informações, mas também as integramos nas cadeias de suprimentos.

Quais são suas expectativas em relação ao trabalho que você fará na América Latina?

Eu já trabalhei na Colômbia, avaliando um programa educacional que forneceu financiamento para crianças de áreas pobres frequentarem o ensino médio. Encontramos resultados muito bons.

Estive em conferências no Brasil, que é um país maravilhoso, mas ainda não trabalhei lá.

Minha impressão é que os governos têm dados muito bons na América Latina. Além disso, como são países de renda média e não de baixa renda, mais recursos estão disponíveis e também existem economistas e profissionais da área agrícola muito bons que podem aplicar as ferramentas certas.

G. está envolvido em discussões sobre como encontrar uma vacina contra o novo coronavírus. Como foi isso?

Obviamente, essa é uma questão fundamental para o Brasil e o mundo. Muita vida
são perdidas e as perdas econômicas chegam a US $ 375 bilhões por mês. Se recebermos a vacina algumas semanas ou meses antes, economizaremos bilhões de dólares.

Isso significa que vale a pena investir uma quantidade enorme de recursos para tentar encontrar uma vacina e até instalar uma fábrica para produzi-la antes de obtermos os resultados do teste.

Obviamente, existe um risco de fábrica, o resultado da vacina não será eficaz e parte do investimento será perdido, mas o custo desse risco é muito pequeno comparado ao custo da não vacinação.

Estou particularmente preocupado com a situação nos países de renda média. Em países como os Estados Unidos, já existem parcerias com grandes empresas farmacêuticas. Países de renda muito baixa, representados pela Gavi (uma entidade que espalha vacinas), também levantaram fundos para isso, pelo menos na fase inicial.

Este é um investimento que os países de renda média também devem fazer.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

TURNOZERO.COM PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Turno Zero