Inter faz um pedido incomum e não quer que a equipe se junte 29.2.2016

O Internacional rejuvenesceu sua equipe em 2016, promovendo alguns jovens, mas eles não querem ser chamados de times. Com o direito de liberar dinheiro para atletas e a demanda pública de treinadores, o Colorado começou a combater conflitos devido à falta de experiência e abordagens pejorativas. Exatamente na semana anterior ao clássico contra o Grêmia, fora de casa.

A atitude é um tanto surpreendente. Desde janeiro, a Inter usa termos como “crianças” e “meninos” em seu conteúdo oficial. Após a vitória contra a Juventuda, o discurso foi regular – de jogadores a gerentes e técnicos.

“Gostaria de pedir aos jornalistas para não falarem mais com garotos, garotos. Não, eles são jogadores profissionais. Independentemente da idade, eles são homens ”, disse Argel Fucks.

Alguns minutos antes, o lateral-direito William e o atacante Aylon também abordaram o assunto. E com o mesmo raciocínio.

“Muitas pessoas disseram que ficaríamos complicados quando tivéssemos um time melhor … Bem, as crianças são incríveis”, disse a camiseta 18 Rádio Guaíba. “Nosso grupo já mostrou que não há criança aqui, eles são todos humanos”, repetiram a camiseta dois.

Internamente, em 2016, a equipe era formada por meninos. A idade média caiu para 23,8 anos após a partida de Dida, Juan, Lisandro López, Rafael Mour e D´Alessandro. E 22 atletas – 67% do grupo disponível para a Argélia – passaram pelas categorias básicas.

Sete jogadores treinaram no clube contra a Juventuda. Na rota acima de Cruzeiro-RS, há duas semanas, esse número chegou a nove.

“Trabalhamos com homens. Damos liberdade e exigimos responsabilidade. Somos todos homens aqui e precisamos tratá-los dessa maneira. Já faço isso no vestiário. A partir do momento em que chegam à lista de profissionais, você precisa ser tratado como um profissional. Eles dão uma resposta muito boa.” “Estamos satisfeitos com o desempenho de cada um deles. E em grandes jogos você pode ver grandes jogadores”, disse Argel Fucks.

O mais interessante é que, desde 2014, o Internacional aumentou o percentual de uso da base na equipe principal. O clube, conhecido como “celeiro de ases”, também investe fortemente em uma estrutura para treinar e atrair jogadores. Nos últimos 14 anos, ele usou categorias básicas para dar um salto técnico e financeiro. O objetivo agora parece ser impedir que os adjetivos dobrem a esquina e deixar espaço para críticas e altas exigências.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Turno Zero