Justiça de SP obriga Uber a pagar férias anuais e 13º salário de motorista – 07.09.2020

O tribunal beneficiou parcialmente um motorista brasileiro que exigiu emprego e pagamento de direitos trabalhistas por seus serviços à Uber. O caso está pendente no 86º Tribunal do Trabalho de São Paulo, no TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da 2ª região.

Na decisão, o juiz substituto Raquel Marcos Simões refuta os argumentos da empresa e concede alguns direitos trabalhistas relacionados ao tempo que o ex-motorista viajou pelo aplicativo, entre 6 de junho de 2016 e 5 de fevereiro de 2018. As informações foram inicialmente fornecidas pelo site Migalhas e confirmadas Viés.

O motorista, cujo nome será preservado no relatório, relatou ao judiciário um salário médio mensal de R 2.222,51, como motorista na solicitação. Nesse processo, ele busca R $ 61.838,82 de direitos não pagos da Uber.

A decisão do juiz em São Paulo concedeu ao motorista os seguintes prêmios:

  • Reconhecimento de emprego durante o período de trabalho
  • Admissão de que a demissão ocorreu sem motivo e do lado da Uber
  • Adiantamento, 13º salário, férias mais terceiro e FGTS, inclusive indenização, mais 40%

A decisão original foi tomada em 5 de março deste ano e foi parcialmente aplicada em 15 de junho, depois que o embargo do Uber colocou a decisão em questão. Em 30 de junho, foi encaminhada a conclusão do caso, já assinada pela juíza Luciana Cuti de Amorim.

Não é a primeira vez

Apesar de muito debate e controvérsia sobre o relacionamento entre a Uber e seus motoristas, decisões desse tipo ainda são raras no Brasil. Outro em março deste ano A decisão do tribunal no Rio Grande do Sul exigiu que o pedido reconhecesse a relação de emprego com o motorista.

Este problema também é discutido fora. Na França, tribunais superiores o reconheceram em março relação de emprego entre Uber e o motorista.

Ano passado Aprovado pela Califórnia uma lei que exige que todos os aplicativos da chamada “economia de contas” registrem e paguem direitos trabalhistas a seus “parceiros”, assim como os aplicativos gostam de convidar motoristas. Em maio, o estado dos EUA processou a Uber por “classificar incorretamente” seus motoristas como funcionários, e não como funcionários, em violação às leis estaduais.

Uber afirma que sim Viés quem recorrerá da decisão da Justiça de São Paulo e que “representa um entendimento isolado, ao contrário de vários casos que o Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo já julga desde 2017”. Veja o posicionamento completo da empresa no final deste texto.

Os principais pontos da decisão

Com a decisão de longo prazo, a juíza substituta se opôs a quase todos os argumentos da Uber de que o relacionamento dela com o motorista correspondia de maneira “parceira”, como funcionário independente.

Modelo de negócios da Uber

No processo, o Uber alegou que não era uma empresa de transporte, mas uma empresa de tecnologia e “os motoristas são seus clientes (ou seja: os motoristas recompensam o réu, não os réus que compensam os motoristas”).

A juíza diz que a justificativa não faz sentido e que ela usou a legislação sobre a comercialização do uso de plataformas digitais – ou seja, a licença para usar o software. O argumento é que o Uber não cobra dos motoristas permissão para usar o aplicativo. E ele conclui que o Uber paga a seus motoristas, e não o contrário.

Relação Uber-motorista

O próximo ponto foi a conexão entre o aplicativo e o driver. Após analisar a conta, a natureza da transação foi entendida como “intermediação comercial”. Segundo o juiz, isso pressupõe intervenção a serviço de terceiros, pois o mediador não seria o proprietário do negócio.

No entanto, ela observa que isso está em conflito com os termos de uso do aplicativo, porque é o Uber que define os principais pontos da atividade do motorista e o motorista não pode alterar o contrato. Além disso, o Uber determina o preço do serviço e cobra uma taxa variável definida no aplicativo.

O fato de o Uber poder desativar os motoristas a seu critério também é um argumento usado pelo juiz. O seguro de acidentes por meio do aplicativo ainda é válido contra os argumentos do intermediário utilizado pela empresa, de acordo com a decisão.

Trabalho eventual

Outro argumento bem conhecido do Uber é que os motoristas criam seu próprio horário e têm autonomia. Para o juiz, “a mera falta de agendamento não exclui a possibilidade de trabalho normal e essa análise depende de cada caso específico”.

Os juízes entendem que a única liberdade do motorista é o momento de ligar o aplicativo, pois durante sua operação, cancelamentos ou rejeições de viagens podem afetar o bloqueio do aplicativo do motorista.

Decisão do STJ

O juiz contesta a alegação de que a jurisprudência do STJ (Supremo Tribunal de Justiça) na decisão do ano passado teria impedido o reconhecimento do vínculo do motorista, uma vez que o processo anterior governado pela agência envolvia danos morais e materiais. “Não havia perguntas sobre a natureza do contrato em si, nem a exigência de reconhecimento de emprego e pagamento de qualquer orçamento de mão-de-obra”, afirmou a decisão de São Paulo.

O que o Uber diz

A Uber esclarece que apelará da decisão, que é de primeira instância e representa um entendimento isolado e contrário a vários casos que já foram julgados pelo Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo desde 2017.

Nos últimos anos, os tribunais brasileiros vêm desenvolvendo jurisprudência sólida, confirmando o fato de que não há relação de emprego entre Uber e motoristas parceiros, apontando para a falta de unilateralidade, hábito, personalidade e subordinação, requisitos que configurariam uma relação de trabalho.

Os motoristas parceiros não estão empregados ou prestam serviços ao Uber: são profissionais independentes que contratam a tecnologia de mediação digital que a empresa oferece por meio do aplicativo. Os motoristas são livres para escolher os dias e horários de uso do aplicativo, independentemente de aceitarem ou não a viagem, e mesmo depois disso, ainda há a possibilidade de cancelamento. Não há metas a serem cumpridas, nenhum número mínimo de viagens é necessário, nenhum chefe supervisiona o serviço, nenhuma obrigação de exclusividade na contratação da empresa e nenhuma adesão a horas mínimas.

Recentemente TST (Tribunal Superior do Trabalho) decidido que não há relação de emprego entre a Uber e o motorista, dada a “ampla flexibilidade dos trabalhadores em determinar a rotina, o horário de trabalho, os locais em que desejam trabalhar e o número de clientes que desejam atender”.

Da mesma forma, o STJ (Supremo Tribunal de Justiça) também decidiu que não há relação de trabalho com a Uber porque os motoristas “não mantêm uma relação hierárquica com a empresa porque seus serviços são prestados da maneira fornecida, sem um cronograma pré-determinado. e não recebem um salário fixo que comprometa a relação de emprego “.

Já existem mais de 470 decisões nesse sentido em todo o país, das quais mais de 100 foram julgadas na segunda instância do Tribunal do Trabalho.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero