“Não parei, mas apoio”: o que dizem os entregadores que trabalharam na greve – 7.1.2020

A greve de fornecedores que ocorreu na quarta-feira (1º) teve adesão significativa, mas não paralisou completamente o serviço nos pedidos de entrega. Como em todas as categorias, houve profissionais que optaram por trabalhar por várias razões, apesar de apoiarem os ideais do movimento.

A reportagem teve contato com alguns correios que “deram um soco” na greve em São Paulo, tanto em conversas nas ruas do sul quanto em pedidos de denúncia.

Eu não posso parar, de jeito nenhum. Eu tenho um filho para criar. Acho que uma greve pode ajudar, hoje já vi menos pessoas e o aplicativo está jogando mais. Eu gosto de fazer meus planos e ser autônomo, mas os aplicativos precisam melhorar o pagamento, só não penso em parar porque não atingi a meta
Alyson Barbosa, entregador de São Paulo

As pessoas têm o direito de parar. Muitos aplicativos estão bloqueados, o cliente está sujo e eles bloqueiam você, aconteceu comigo também. A compensação também é a principal razão. Eu trabalhei neles brevemente. Prefiro me registrar, o aplicativo não passa nenhuma segurança
Diego Salles, um entregador fixo no restaurante Seu Sushi, em São Paulo

Sou a favor de parar, porque o aplicativo não fornece nenhum suporte para a pessoa que entrega. Se ocorrer um acidente, não há suporte. Nós não comemos bem e está muito ocupado. Houve dias em que eu trouxe o almoço e fui comer das 10h às 11h, para não estragá-lo. Ele está muito ocupado
Correio não identificado

Eu não fui porque geralmente tem muita gente lá [na paralisação] e nem sabe por que nem o que eles reivindicam. eu acho que [os apps] eles pesquisam com taxas. Eu trabalhei [como entregador] em Porto Seguro há 18 anos, mas não posso falar muito sobre o iFood porque sou capaz de sustentar minha família. Mas a greve é, claro, justa
Correio não identificado

Entrega da encomenda aplicativo feito de acordo com o relatório, que não se identificou, disse que não poderia parar porque precisava de renda, mas concordou com as exigências da greve.

Apenas uma das pessoas que o ouviu no relatório mostrou pouca conexão com os motivos da greve. Lucas, que não deu seu sobrenome, carregava uma mochila do Uber Eats nas costas e uma bicicleta na mão na ladeira da saúde.

Estou ciente da greve, mas tenho filhos para levantar e contas para pagar. Trabalho todos os dias das 10:00 às 15:00 e das 18:00 às 0:00, ganho cerca de R $ 80 em um dia. Não tenho muitos motivos para reclamar sobre o aplicativo
Lucas, entregador

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero