Notícias falsas criam uma estrutura 2.0 de corrupção eleitoral, diz o autor de Clean Records – 19 de julho de 2020

Criador e um dos autores Lei da lista limpa, criado em maio de 2010, o advogado Marlon Reis acredita que os tempos mudaram e que agora precisamos de mecanismos para procurar e punir aqueles que financiam ilegalmente notícias falsas.

“O desafio mudou: [precisamos] contêm dinheiro ilegal usado para criar conteúdo ilegal e espalhá-lo nas redes sociais e aplicativos de mensagens eletrônicas. A Caixa 2 ganhou uma nova versão: “Caixa 2.0”, diz ele.

Para a conta Reisa para falso as notícias (PL 2630/2020) que estão sendo processadas no Congresso têm boas intenções, mas não abordaram pontos importantes e devem sofrer mudanças no conselho.

“Não é apropriado supor que portais e provedores sejam responsáveis ​​por todo o conteúdo publicado. Seria equivalente a propor uma penalidade a uma companhia telefônica por ligações telefônicas ilegais feitas por um dos usuários”, ressalta.

Numa conversa com Viés, um ex-juiz do Maranhão adverte que deve haver uma “terceira onda de mudança” na legislação eleitoral do país, como foi o caso da “Minuta Limpa” e que melhora a luta contra o crime e o autor de corrupção eleitoral na Internet.

“A primeira onda levou à aprovação em 1999 da primeira lei popular sobre a iniciativa no Brasil, que foi a compra de votos. A segunda onda, dez anos depois, nos levou a vencer a lei em registros limpos. Naquela época, não prevíamos a possibilidade de um aumento tão grande nos riscos políticos. , o risco para a democracia em um ambiente virtual ”, ele admite.

Leia a entrevista completa:

Viés – Quando o Clean Record Act foi criado, a disseminação de notícias falsas não estava prevista como vemos hoje. O que mudou nas práticas eleitorais ilegais?

Marlon Reis – Temos três grandes ondas de identificação e maior preocupação da sociedade brasileira com a ilegalidade do campo eleitoral. A primeira onda levou à aprovação, em 1999, da primeira lei popular sobre iniciativas no Brasil, que comprou votos. A segunda onda, dez anos depois, nos levou à conquista da Lei de Registros Limpos. Na época, não prevíamos a possibilidade de um aumento tão grande no risco para a democracia em um ambiente virtual.

É por isso que digo que esta é a terceira onda de mudanças na lei eleitoral. Precisamente para que a legislação seja atualizada e possa enfrentar os grandes desafios e riscos à democracia colocados por esse tipo de crime.

Comparado a outros, esse tipo parece ter um alcance maior do que, digamos, comprar votos. Estamos enfrentando um crime com um impacto ainda maior no resultado das eleições?

A compra de votos atinge partes que, embora importantes, ainda representam apenas uma parte da sociedade. Ao distorcer informações políticas, com procedimentos como o uso de “bots” e o início automático de mensagens, o escopo do trabalho pode ser muito maior. Isso revela a fragilidade de todo o conjunto de eleitores, independentemente da classe social.

Viés – Ainda temos um conjunto de leis que impedem isso?

Marlon Reis – A tecnologia tem evoluído a um ritmo impressionante e começou a colocar seus tentáculos na formação da intenção de votar relativamente recentemente. A lei não seguiu. Temos campanhas digitais reguladas por padrões analógicos. Precisamos da Lei do Registro Digital Limpo, um conjunto de regras baseadas nas responsabilidades dos usuários e financiadores de crimes eleitorais digitais, não da polícia estadual na Internet e nas mídias sociais.

Viés – Você acha que esse novo padrão se encaixa na corrupção eleitoral 2.0?

Marlon Reis – Adora corrupção eleitoral 4.0, porque inclui metadados e inteligência artificial ou conceitos de aprendizado de máquina. Estamos na fase de corrupção eleitoral 4.0.

Viés – Quanto ao PL 2630/2020, você acha que inclui algo que ajuda nessa luta?

Marlon Reis – Este projeto é muito bem intencional e parte de suposições verdadeiras, mas chegou a conclusões, na minha opinião, erradas. E, no final, eles se voltaram muito para a regulamentação das redes sociais, algo um pouco incompatível com os padrões que se aplicam aos países com democracias avançadas. Não é apropriado supor que portais e provedores de serviços sejam responsáveis ​​por todo o conteúdo publicado. Seria o equivalente a propor uma penalidade à companhia telefônica por chamadas telefônicas ilegais feitas por um dos usuários.

O certo é desviar o olhar daqueles que cometem atos ilegais ou se aproveitam deles, sem esquecer a responsabilidade do financista. Como Ronaldo Lemos sempre nos lembra bem, um homem deve “seguir o dinheiro” para descobrir a origem da ilegalidade cibernética.

Viés – Você pode dizer que falta um quadro jurídico que atinja os que financiam?

Marlon Reis – Sim. A lei precisa ser muito desenvolvida nesse sentido. “Rastrear dinheiro” [siga o dinheiro] está no centro de uma estratégia para investigar e recuperar crimes eleitorais digitais.

Viés – A Caixa 2 hoje serve como financiamento para notícias falsas em massa?

Marlon Reis – Exatamente. Até recentemente, as eleições eram marcadas pela alocação de recursos públicos através de empreiteiros para irrigar as campanhas eleitorais. Finalmente, esse dinheiro foi usado para abster-se de apoio político e votação. Agora, com a proibição de doações corporativas, o desafio mudou: ele contém dinheiro ilegal usado para criar conteúdo ilegal e sua disseminação nas redes sociais e aplicativos de mensagens eletrônicas aumentou. A caixa 2 recebeu uma nova versão: “caixa 2.0”.

Viés – Que tal rastrear esse dinheiro? Costumamos falar sobre servidores em outros países.

Marlon Reis – Em muitos casos, empresas ou pessoas que cometem crimes cibernéticos estão localizadas no Brasil e em seus financiadores. Mas, mesmo nos casos mais complexos de mensagens do exterior e transações financeiras realizadas no exterior, é possível investigar com considerável eficiência com base em protocolos de cooperação internacional.

Viés – As notícias falsas podem mudar a eleição?

Marlon Reis – Essas práticas já representam o maior risco para a normalidade e legitimidade das eleições de 2020. Já tínhamos acesso aos casos de crimes eleitorais graves usados ​​agora, muito antes do início da campanha, e técnicas para o lançamento em massa de mensagens eletrônicas. Em 2020, esses fenômenos serão ainda maiores do que em 2018, onde já eram bastante impressionantes.

Viés – E à luz de uma campanha eleitoral diferente para a pandemia, poderia ser mais sério …

Marlon Reis – O efeito dos atos de eleição cibernética está se tornando ainda mais sério no contexto de uma pandemia, pois as formas tradicionais de campanha agora serão impedidas ou até inviabilizadas. É importante que os partidos e os candidatos se preparem para buscar soluções legais e tecnológicas. O cenário é muito perigoso.

Viés – E como você acha que a classe política pode ajudar nessa luta?

Marlon Reis – Os partidos e candidatos devem se preparar para uma resposta técnica aos ataques cibernéticos. Apesar das fraquezas da legislação, muito pode ser feito. É necessário contratar serviços especializados para garantir a resposta mais rápida possível aos ataques. As notícias falsas se espalham em um instante e se tornam virais, com potencial para arruinar toda a campanha. A reação deve seguir a mesma lógica. Somente a tecnologia torna isso possível.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © turnozero.com.
turnozero.com is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Turno Zero